Engenheiro, Professor e Autor de livros
sobre Gestão de Carreira e Administração de Escritórios
na Arquitetura e Engenharia
MONDRIAN - RELEITURA
(Fonte: experimentalphotoarts.blogspot)

Notas publicadas em 23/12/2014 - terça-feira

Autor Convidado

AUTORES CONVIDADOS (Temporada 2014-1)

Durante 12 semanas (entre 10/02/2014 e 02/05/2014) nosso site teve a honra de contar com a luxuosa participação especial de cinco cabeças privilegiadas do nosso universo profissional.
Jean Tosetto (arquiteto), Ricardo Meira (arquiteto, urbanista e daltônico) Lígia Fascioni (engenheira eletricista), Sérgio dos Santos (engenheiro civil) e Paulo Cesar Bastos (engenheiro civil) iluminaram nosso site com seus artigos e ilustrações inteligentes.

Veja aqui a lista completa dos posts produzidos pelos nossos autores convidados nesta temporada 2014-1:




JEAN TOSETTO
www.jeantosetto.com | jean@tosetto.net





Arquiteto e Urbanista formado pela PUC de Campinas. Desde 1999 realiza projetos residenciais, comerciais, industriais e institucionais. Em 2006 foi professor da efêmera Faculdade de Administração Pública de Paulínia. Publicou o livro “MP Lafer: a recriação de um ícone” em 2012.



A RECORRENTE FÓRMULA DO FRACASSO
(01/12) 10/02/2014



CONSTRUINDO EM TEMPOS DE CRISE
(02/12) 17/02/2014



BONS ARQUITETOS VISITAM OBRAS
(03/12) 24/02/2014



MEMORIAIS VERSUS O “IN MEMORIAN”
(04/12) 03/03/2014



A PALAVRA É: URBANIDADE
(05/12) 10/03/2014



EVOLUIR, MESMO COM AS VACAS MAGRAS
(06/12) 17/03/2014



CRITÉRIOS PARA AQUISIÇÃO DE UM TERRENO
(07/12) 24/03/2014



DE CASO SÉRIO COM A MATEMÁTICA
(08/12) 31/03/2014



COTAS? SÓ PARA DETALHAR PROJETOS
(09/12) 07/04/2014



BENDITAS E ESQUECIDAS CALÇADAS
(10/12) 14/04/2014



COBRAR OU NÃO COBRAR?
(11/12) 21/04/2014



OBRIGADO, MESTRE!
(12/12) 28/04/2014





RICARDO MEIRA
arqdaltonico.wordpress.com | ricardo@quadrante.arq.br





Arquiteto, Urbanista e Daltônico. Formado pela Universidade de Brasília (2000), é Mestre em Arquitetura pela UnB (2013), professor auxiliar da Universidade Paulista (2007) e professor convidado do IPOG - Instituto de Pós Graduação.





AEROPORTO DE BRASÍLIA
(01/12) 11/02/2014



CAPELA DO PALÁCIO DA ALVORADA
(02/12) 18/02/2014



MEMORIAL JK
(06/12) 18/03/2014



MUSEU DO ÍNDIO - Oscar Niemeyer, 1982
(12/12) 01/04/2014





LÍGIA FASCIONI
www.ligiafascioni.com.br





Engenheira Eletricista (UFSC, 1989), Mestre em Engenharia Elétrica na área de Automação e Controle Industrial (UFSC, 1996), Especialista em Marketing (UDESC/ESAG, 2000) e Doutora em Engenharia de Produção e Sistemas, na área de Gestão Integrada do Design (UFSC, 2003).
Nascida em Florianópolis-SC. é autora de diversos e, atualmente, mora em Berlin, na Alemanha.



PROFISSIONAL COMMODITY
(01/12) 12/02/2014



O CLIENTE, ESSE IGNORANTE...
02/12) 19/02/2014



SERÁ QUE AS APARÊNCIAS ENGANAM MESMO?
(03/12) 26/02/2014



É PECADO ROUBAR IDEIAS?
(04/12) 05/03/2014



COMO DEVERIA SER
(05/12) 12/03/2014



INOVAÇÃO: QUANDO VOAR NÃO BASTA
(06/12) 19/03/2014



COMO NÃO ESCREVER UM PERFIL
(07/12) 26/03/2014



GLAMOUR DATADO
(08/12) 02/04/2014



QUER UM AUMENTO?
(09/12) 09/04/2014



A CHAVE DO FRACASSO
(10/12) 16/04/2014



O ESPONTÂNEO
(11/12) 23/04/2014



QUERO SER RICA
(12/12) 30/04/2014





SÉRGIO DOS SANTOS
engsergiosantos.tumblr.com | sergio@ifce.edu.br





Engenheiro Civil formado pela UFC, mestre em Engenharia Civil pela mesma universidade, e Doutor pela UFC/University of New Hampshire-USA.
É Professor universitário, lotado no Departamento de Construção Civil do Instituto Federal do Ceará (IFCE) e consultor na área de Engenharia Estrutural.

Começou a desenhar desde criança inspirado pelo renomado artista brasileiro Daniel Azulay. Embora nunca tenha feito do desenho uma carreira, é bastante conhecido entre seus amigos como alguém espirituoso que conseque induzir outros à reflexão utilizando-se do humor.



O SONHO DE TODO ARQUITETO
(01/12) 11/02/2014



USE A NORMA
02/12) 20/02/2014



CONCORRÊNCIA DESLEAL
(03/12) 27/02/2014



VENDEDOR DE PAPEL?
(04/12) 06/03/2014



NÃO É MÁGICA!
(05/12) 13/03/2014



NOVAS CARGAS NOS PROJETOS DOS EDIFÍCIOS
(06/12) 20/03/2014



DISCURSO DO PRESIDENTE
(07/12) 27/03/2014



FAIR PLAY
(08/12) x03/04/2014



ORAÇÃO DO ENGENHEIRO CALCULISTA
(09/12) 10/04/2014



UMA LIÇÃO DE PERDÃO (Lucas 7:36-50)
(10/12) 17/04/2014



O QUE OS OLHOS NÃO VEEM O CORAÇÃO NÃO SENTE
(11/12) 24/04/2014



CUIDADO COM OS FALSOS ELOGIOS
(12/12) 01/05/2014







PAULO CESAR BASTOS
paulocbastos@bol.com.br





Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da UFBA, 1973. Profissional com mais de 40 anos de atuação em diversas áreas da engenharia civil.
Tem artigos publicados em diversos jornais importantes do país




O ENGENHO INOVAÇÃO E A USINA PROGRESSO
(01/12) 14/02/2014



CONJUNTO DOS VAZIOS UMA PROPOSTA PLENA PARA A HABITAÇÃO
(02/12) 21/02/2014



RECUPERAR ESTRADAS É RECUPERAR O BRASIL
(03/12) 28/02/2014



A IMPORTÂNCIA DO SANEAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO
(04/12) 07/03/2014



CHUVAS,TRAGÉDIAS E RECONSTRUÇÃO
(05/12) 14/03/2014



INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO
06/12) 21/03/2014



DESENVOLVIMENTO: A FESTA DO INTERIOR
(07/12) 28/03/2014



AS CIDADES, OS ELEITOS E AS ESCOLHAS
(08/12) 04/04/2014



A URBANA MOBILIDADE E A GESTÃO DA IMOBILIDADE
(09/12) 11/04/2014



O BRASIL, O NOBEL E AS MEDALHAS OLÍMPICAS
(10/12) 18/04/2014



BRASIL TEM O DESAFIO DE PRESERVAR E PROGREDIR
(11/12) 25/04/2014



ENGENHEIROS EXPERIENTES
(12/12) 02/05/2014

Anotações

OLHAI OS LÍRIOS DO CAMPO

Li este livro (OLHAI OS LÍRIOS DO CAMPO, de Érico Veríssimo) em 1987. Desde então, todo fim de ano utilizo este trecho do livro como uma espécie de Cartão de Natal
Afinal, no fim do ano é quando as pessoas estão mais abertas à reflexão e às boas intenções.
Veja o vídeo e reflita:

FELIZ NATAL - FELIZ 2015



VERÍSSIMO, Érico. Olhai os Lírios do Campo. São Paulo: Globo, 2003 [original de 1938] p.149-150. - (trecho do livro - uma das cartas de Olívia para Eugênio)


Este artigo já foi publicado no nosso site muitas vezes, sempre no fim do ano, quando as pessoas estão mais abertas à reflexão e às boas intenções.
Trata-se de um trecho do livro OLHAI OS LÍRIOS DO CAMPO de Érico Veríssimo, e reflete exatamente a nossa maneira de ver o mundo.

Por favor, leia e reflita:



"Estive pensando muito na fúria cega com que os homens se atiram na caça de dinheiro. É essa a causa principal dos dramas, das injustiças, da incompetência da nossa época. Eles esquecem o que tem de mais humano e sacrificam o que a vida lhes oferece de melhor: as relações de criatura para criatura. De que serve construir arranha-céus se não há mais almas para morar neles?
(...)
Os homens deviam ler e meditar sobre este trecho (O sermão da Montanha, na Bíblia), principalmente no ponto em que Jesus nos fala dos lírios do campo, que não trabalham nem fiam, e, no entanto nem Salomão em toda sua glória jamais se vestiu como um deles.

Está claro que não devemos tomar as parábolas de Cristo ao pé da letra e ficar deitados à espera de que tudo nos caia do céu. É indispensável trabalhar, pois o mundo de criaturas passivas seria bem triste e sem beleza. Precisamos entretanto, dar um sentido humano as nossas construções. E quando o amor ao dinheiro nos estiver deixando cegos, saibamos fazer pausas para olhar os lírios do campo e as aves do céu.

Não penses que estou fazendo o elogio do puro espírito contemplativo e da renúncia, ou de que o povo deva viver narcotizado pela esperança da felicidade na "outra vida". Há na terra um grande trabalho a realizar. É tarefa para seres fortes, para corações corajosos. Não podemos cruzar os braços enquanto os aproveitadores sem escrúpulos engendram os monopólios ambiciosos, as guerras e as intrigas cruéis. Temos que fazer-lhes frente. É indispensável que conquistemos este mundo, não com as armas do ódio e da violência e sim com as armas do amor e da persuasão. Considere a vida de Jesus. Ele foi antes de tudo um homem de ação e não um puro contemplativo.

Quando falo em conquista, quero dizer a conquista de uma situação decente para todas as criaturas humanas, a conquista da paz digna, através do espírito de cooperação.

E quando falo em aceitar a vida não me refiro à aceitação resignada e passiva de todas as desigualdades, malvadezas, absurdos e misérias do mundo. Refiro-me, sim a aceitação da luta necessária, do sofrimento que essa luta nos trará, das horas amargas a que ela forçosamente nos há de levar.

Precisamos, portanto, de criaturas de boa vontade.”




VERÍSSIMO, Érico. Olhai os Lírios do Campo. São Paulo: Globo, 2003 [original de 1938] p.149-150.