Sábado, 25/03/2017 – Veja todos os posts publicados nesta semana.

ENTRE ASPAS (www.eniopadilha.com.br)

"É difícil de acreditar, mas ainda é difícil para as mulheres quebrarem as barreiras dos negócios. Através do trabalho duro
e da perseverança, eu tenho sido capaz de fazer isso, mas é uma longa luta. Quando eu comecei minha carreira na arquitetura, era uma indústria dominada por homens, mas nos últimos anos tenho visto um número crescente de talentosas arquitetas que se juntam
à profissão com sucesso."

ZAHA HADID

(1950-2016)
Arquiteta iraquiana, em seu discurso após premiação no
Veuve Clicquot Business Woman Award, em 2013

ENTRE ASPAS (www.eniopadilha.com.br)

"Os fenômenos mais fundamentais do ser vivo são o crescimento
e a adaptação. Isso quer dizer que ou me faço cada vez outro, ou fico cada vez mais ou menos. Ou me transformo, ou enrijeço."

JOSÉ ÂNGELO GAIARSA

(1920-2010)
Psiquiatra e escritor, no livro O Olhar, página 119

ENTRE ASPAS (www.eniopadilha.com.br)

"O verdadeiro espelho de nossos discursos
é o curso de nossas vidas"

MICHEL DE MONTAIGNE

(1533-1592)
Escritor e ensaísta francês, no livro
Os Ensaios, Uma Seleção, página 117

ENTRE ASPAS (www.eniopadilha.com.br)

"Estar de prontidão é bom, ter paciência é melhor, porém saber esperar pelo momento certo é tudo."

ARTHUR SCHNITZLER

(1862-1931)
Escritor e médico austríaco, no livro Aforismos e anotações: Pensamentos sobre a Vida e Arte, página 184

ENTRE ASPAS (www.eniopadilha.com.br)

"Quando nos preocupamos demais com o que certos grupos ou pessoas pensam de nós, arriscamos vender nossa alma
nos amoldando a eles, por expediente."

OTIS CHANDLER

(1927-2006)
Empresário americano, transformou o Los Angeles Times em um grande jornal, publicado no The Los Angeles Times, 1969

ADMINISTRAR MAIS

ADMINISTRAR MAIS (Ano 1 - Número 01)
RECURSOS, DIFERENCIAIS COMPETITIVOS E VANTAGEM COMPETITIVA

(Publicado em 28/08/2014)



Na vídeo-aula desta semana o professor Ênio Padilha, trata da Vantagem Competitiva em escritórios de Arquitetura e Engenharia e da sua direta relação com os Diferenciais Competitivos, que, por sua vez, dependem de como o escritório utiliza ou combina os seus recursos.





Leia ainda o artigo DIFERENCIAL COMPETITIVO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA/ENGENHARIA que trata detalhadamente do mesmo tema.

Deixe AQUI seu comentário:

ARTIGOS DE ÊNIO PADILHA

INSEGURANÇA x MARKETING PESSOAL

(Publicado em 25/10/2006)



A insegurança é um dos obstáculos que encontramos em nós mesmos para a implementação de uma estratégia positiva de Marketing Pessoal. É uma trava interna que “não deixa” você agir. O medo e a completa incerteza do sucesso se transformam em barreiras tão grandes que se tornam intransponíveis.

A insegurança tem uma ação interna que é devastadora para o indivíduo porque vai aos poucos impedindo de enfrentar desafios e conquistar posições.
Mais devastadora ainda, para a imagem pública, é a ação externa. Alguém que demonstre estar inseguro, muito rapidamente perde a confiança das pessoas que o cercam. Ninguém mais espera dele uma performance digna de admiração. Ninguém mais conta com essa pessoa para nada que seja, realmente, importante. Em palavras bem simples. Essa pessoa passa a ser percebida, pelas outras, como um “inútil”.
A pessoa pode até ser amada, ter o carinho e a compreensão das pessoas, mas não será admirada. Não será considerada importante. Não será, em última análise, interessante.

Assim, sendo, depois do que foi visto acima, pense duas, três ou mais vezes antes de dizer “eu não consigo” ou “eu não dou conta”. Veja se é mesmo verdade. Confirme consigo mesmo se você não está dando uma desculpa para não assumir uma tarefa ou uma obrigação.

E observe o seguinte: você não precisa fazer tudo o que lhe pedem. Nem precisa assumir todas as tarefas que passam pela sua frente. Apenas deve assumir claramente os motivos de não fazê-lo.
“Eu não vou redigir o relatório da festa do clube porque eu prefiro ajudar na devolução dos materiais e equipamentos que foram tomados por empréstimo a outras entidades...” e não “por que eu não sei escrever direito e não consigo escrever um relatório.”

A insegurança é a filha mais velha da incompetência. Uma pessoa insegura transmite a imagem de incompetente.
E o melhor antídoto contra a insegurança continua sendo o conhecimento e o desenvolvimento de habilidades específicas e gerais.



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | ep@eniopadilha.com.br

Leia o artigo completo de Ênio Padilha

ARTIGOS DE ÊNIO PADILHA

QUALIDADE É PARA QUEM MERECE

(Publicado em 10/09/1995)



Não adianta esperar por uma prestação de serviço com padrão de qualidade europeu se os clientes mantêm um nível de exigência com padrão de republiqueta bananeira.

Muitos empresários reclamam, com sotaque francês, inglês ou japonês (depende da última viagem internacional que fizeram) da qualidade da prestação de serviço das empresas e profissionais locais.
E, no entanto, na primeira oportunidade que têm para contratar algum serviço, fazem logo uma cotação de preços.

Cotação de Preços, amigo? Que quié isso!!!

Quando o assunto é Prestação de serviços, é importante saber que cotação de preços não combina com qualidade.

Então vamos acertar logo uma coisa: quem quer (realmente) contratar serviço de qualidade não faz cotação e muito menos leilão de preços. Para contratar SERVIÇOS deve-se fazer (preste atenção) análise de CUSTO x BENEFÍCIO.

É difícil? Um pouco.
Exige do empresário uma formação mais profissional (que ele não vai obter apenas lendo a revista Exame ou indo passear em Hannover)

A prestação de serviço com qualidade real e ampla (que inclui atendimento personalizado e cumprimento dos prazos) exige estrutura profissional, treinamento técnico, espaço físico adequa-do, equipamentos, computadores, estrutura administrativa e marketing.


Isto custa empenho pessoal e muito dinheiro.

E só um profissional louco, ou com muito dinheiro para “torrar”, vai sustentar uma estrutura dessas por dois ou três anos sendo obrigado a participar de leilões de preço, concorrendo com "empresas" que "funcionam" em fundos de quintais, operando a noite e nos fins de semana (porque, durante o dia seus titulares trabalham em alguma grande empresa).

O que ocorre, no mais das vezes, é que esse profissional ou essa empresa que tinham uma clara intenção de trabalhar com qualidade, descobre, depois de algum tempo, que a qualidade não compensa. E vão, aos poucos, se ajustando à realidade e se incluindo nessa massa pastosa de empresas e profissionais “maisomenos”, de quem a clientela tanto reclama.

Os empresários industriais, principalmente aqueles que estão à frente das maiores empresas, precisam urgentemente fazer uma reflexão: Não existe produto (mercadoria ou serviço) com qualidade se não houver mercado para ele.

O aparecimento e desenvolvimento de empresas e profissionais competentes e com qualidade é responsabilidade de todos.

Não adianta reclamar da inexistência de um determinado serviço se, quando ele está disponível, e com o grau de qualidade desejado, não encontra ninguém disposto a pagar o seu preço justo.

Justo é o mínimo necessário para sua manutenção no mercado.

A qualidade dos fornecedores depende da qualidade dos clientes.



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br

Leia o artigo completo aqui

TURISTA ACIDENTAL

BAURU

O Turista Acidental (Ênio Padilha) esteve em Bauru-SP, para a palestra TAREFAS E RESPONSABILIDADES EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA E ENGENHARIA com organização e promoção do ISITEC Instituto Superior de Inovação e Tecnologia.





BAURU


Bauru é um município brasileiro do interior do estado de São Paulo, sendo o município mais populoso do centro-oeste paulista com 366.992 habitantes. Bauru foi fundada em 1896, sendo que a Marcha para o Oeste, impulsionada pelo governo de Getúlio Vargas como incentivo ao progresso e a ocupação da região central do Brasil, foi um importante fator de incremento populacional para a região. No começo do século XX o município começou a ganhar infraestrutura e a população aumentou com a chegada da ferrovia e, mais tarde, das rodovias.






O EVENTO E OS PARTICIPANTES


Promotor: ISISTEC
Palestra: Tarefas e Responsabilidades em um Escritório de Arquitetura e Engenharia





Veja as fotos do Turista Acidental:






O título desta seção é uma referência ao livro "O Turista Acidental" da escritora norteamericana Anne Tyler.

Veja mais fotos desta viagem

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

PAGUE SEUS IMPOSTOS, OU MORRA!

(Publicado em 20/03/2009)



Pagar impostos não é a melhor parte de ser empresário, no Brasil. Mas não existe escolha. É melhor pagar os impostos (em dia). A outra opção é enfrentar a guilhotina da mortalidade empresarial.




A carga tributária, no Brasil, é absurda! O retorno que o governo dá ao cidadão pelos impostos pagos é ridículo. Os empresários são punidos de forma ainda mais cruel pois, geralmente, numa empresa, o lucro (aquela parte que vai para a conta pessoal do proprietário ou dos sócios) nunca chega nem perto do valor que é pago em impostos.

Empresas de Engenharia e de Arquitetura sofrem ainda mais, pois a legislação tributária brasileira não dá aos profissionais liberais de nível superior nenhum benefício.

A vida é dura!

Ainda assim, nos meus cursos e palestras insisto numa posição que contraria o senso comum: todos devemos pagar os impostos. Ou enfrentar a guilhotina da mortalidade empresarial.

Há alguns anos, quando eu lecionava Empreendedorismo numa turma de graduação em Administração, provoquei os alunos com um trabalho interessante. Pedi a eles que produzissem uma análise que relacionasse (a) carga tributária, (b) informalidade e (c) mortalidade empresarial. Seria um trabalho com um certo grau de profundidade, pois ocuparia quase metade das aulas do semestre letivo.

No primeiro dia fizemos um briefing sobre o tema e, na discussão, por mais que eu apresentasse argumentos, a conclusão de 35 dos 37 alunos da turma seguiu, rigorosamente, o pensamento da maioria dos pequenos empresários brasileiros: (1) sonegar impostos é inevitável; (2) se pagar todos os impostos a empresa não consegue sobreviver; (3) sonegar impostos é justo, já que o governo não aplica direito os impostos que são pagos.

Munidos dessas premissas eles foram para a biblioteca, para a internet e para o campo. Ler os principais autores que tratavam do tema, analisar relatos contemporâneos e entrevistar empresários bem-sucedidos e também aqueles que estão em dificuldades.

Depois de algumas semanas as "surpresas" começaram a aparecer. Vários autores abordavam a questão dos impostos e da informalidade. Nenhum deles, no entanto, apontava a informalidade como uma alternativa viável para o empresário. Não a apontavam como uma coisa boa. Muito menos recomendável (o termo "inevitável" não aparecia em nenhum lugar).

Na pesquisa feita na internet os alunos descobriram que milhões de micro e pequenas empresas brasileiras estão submetidos a um círculo vicioso em que o peso dos impostos é tão grande que elas não conseguem se formalizar. Como são informais, não assinam a carteira dos empregados, não emitem notas fiscais e sonegam impostos, obrigações sociais e trabalhistas.

Por conta disso, uma empresa que começa pequena provavelmente está condenada a ficar pequena ou desaparecer rapidamente, porque o nosso ambiente de negócios não permite a ela ter acesso a crédito, nem a uma situação regular de formalidade. Por consequência, não consegue ter um aumento de produtividade e faturamento.

Mas foi do campo que as respostas vieram com mais clareza. Entrevistas e análise de casos reais rapidamente permitiam àqueles jovens estudantes de Administração fazer um diagnóstico que pode ser cruel, mas é necessário: a informalidade e a sonegação de impostos são duas das principais causas associadas à mortalidade empresarial.

Empresas que não assumem suas obrigações sociais e trabalhistas alimentam uma bomba de efeito retardado: num primeiro momento isso pode parecer uma solução interessante, mas, depois de algum tempo o que acontece é que o empresário vira refém dessa situação. Não tem mais liberdade para implementar as políticas de pessoal que considere adequadas, se essas contrariam os interesses dos empregados. Por mais "de confiança" que eles sejam, sempre poderá haver quem os instigue a uma ação trabalhista. E uma única ação trabalhista pode comprometer (às vezes irremediavelmente) a viabilidade da empresa.

Empresas que não estão legalizadas não podem se expor. Ficam impedidas de utilizar os mecanismos de promoção das suas marcas e produtos. E, o mais grave: ficam impedidas de ter acesso aos melhores mercados. Os melhores clientes, aqueles que fazem os negócios mais vultosos, geralmente são aqueles que não negociam com quem não fornece nota fiscal.

O rosário de dificuldades e armadilhas da informalidade levou meus alunos a concluir, praticamente por unanimidade, que a a informalidade é uma falsa solução para um problema que, geralmente, os novos empresários não estão preparados para avaliar tecnicamente de forma completa;

A enganosa noção de lucro que o empresário tem no início do processo sempre apresentará uma conta salgada mais adiante. Esta conta, geralmente virá sob a forma de um problema legal derivado de uma fiscalização de algum órgão do governo ou então de uma ação trabalhista. Esses problemas legais sempre estarão acompanhados de um correspondente financeiro que, não raro, inviabiliza a continuidade da empresa, engrossando as estatísticas da mortalidade empresarial.

Atuar de acordo com a legalidade e pagar todos os impostos é, portanto, necessário e útil.
Conformar-se com a carga tributária e com a maneira como os governos desperdiçam os impostos cobrados é inadmissível.

Profissionais de Engenharia e de Arquitetura que servem ao país mantendo abertas suas empresas, gerando empregos e impostos, precisam se unir para exigir racionalidade na carga tributária e responsabilidade no uso dos recursos arrecadados

Ou morrer de inanição empresarial.



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br

Deixe AQUI o seu comentário

ÚLTIMAS INFORMAÇÕES

PUBLICAÇÕES ANTERIORES


Nosso site é atualizado todos os dias à meia noite. As informações de ontem não estão mais na primeira página de hoje.
Para ver o conteúdo publicado nos dias anteriores clique sobre a data, no calendário (abaixo). Ou faça uma busca interna no site, utilizando o buscador (coluna da direita, acima)

ÚLTIMAS INFORMAÇÕES

ACOMPANHE NOSSAS REDES SOCIAIS