ALIRUBIT

ENTIDADES DE CLASSE E SEUS STAKEHOLDERS



(Publicado em 16/08/2019)



No início da década de 1980, Robert Edward Freeman lançou seu livro Strategic Management: A Stakeholder Approach, apresentando a Teoria dos Stakeholders, que ele já desenvolvia em pesquisas e artigos desde a década de 1960.

Segundo essa teoria, o sucesso de uma empresa depende de como ela administra a relação com todos os seus stakeholders (indivíduos ou grupos de indivíduos que tenham, em relação a empresa, níveis relevantes de propriedade, poder, controle ou influência). Seriam stakeholders típicos de uma empresa:
• Os proprietários
• Os acionistas
• Os investidores
• Os empregados
• Os amigos
• Os fornecedores
• Os concorrentes
• Os sindicatos
• As associações empresariais
• A comunidade, os vizinhos
• Os grupos normativos
• O governo municipal
• O governo estadual
• O governo federal
• As ONGs.




Se, na década de 1970 uma empresa era considerada boa, forte e lucrativa quando conseguia produzir coisas que satisfizessem seus clientes, hoje isso não é mais suficiente. De nada adianta produzir a melhor calça jeans do mercado se, no processo de fabricação a empresa poluir o rio que passa no fundo da fábrica.

De nada adianta produzir equipamentos eletrônicos da mais alta qualidade se a empresa utiliza mão de obra infantil. Ou sonega impostos. Ou mantém seus empregados em regime de trabalho escravo.

Não adianta ter um produto que dê total satisfação para os clientes se a empresa não dá lucro. Não remunera os investidores nem traz benefícios aos seus proprietários.

Uma entidade de Classe possui stakeholders importantes que são os seus associados, seus servidores, seus fornecedores, seus parceiros e, principalmente, a sociedade na qual a entidade esteja inserida.
Os profissionais associados são, claramente, os principais stakeholders uma vez que a eles interessa (mais que a qualquer outro grupo) os resultados das estratégias e projetos da Entidade.

A regra de ouro é fazer a melhor gestão possível da empresa com seus stakeholders

A matriz de Poder e Interesse é um dos instrumentos de gestão de stakeholders pois permite classificar e analisar as partes interessadas segundo o poder que detêm sobre a organização e o interesse (não importa se for interesse positivo ou negativo)

A e B Muito poder e muito interesse: Muito importantes. Precisam ser gerenciados de perto, com muita informação e feedback

E e F Muito poder e pouco interesse: Grupo potencialmente perigoso. Precisa ser mantido satisfeito e informado.

J e M Muito interesse e pouco poder: Grupo muito perigoso. Precisam ser mantidos satisfeitos. Informação e feedback

P e R Pouco poder e pouco interesse: Grupo sem potencial de perigo. Cuidar para que não migrem para outro quadrante







Para copiar e reproduzir este artigo, conheça nossas REGRAS PARA PUBLICAÇÕES





PADILHA, Ênio. 2019

Faça seu comentário

Favor, evite enviar links, pois seu comentário será recusado.

Seu IP: 18.204.227.250 (Identificação de seu computador na internet)

* campos obrigatórios
Compartilhe: 55