PERGUNTA DO LEITOR

VALE A PENA O SACRIFÍCIO DE ESTUDAR
NUMA UNIVERSIDADE FEDERAL?

(Publicado em 31/10/2011)

Bom dia Professor Ênio,
Sou Romário Benevidez, estudante do curso de Engenharia Mecânica da UFXX (Universidade Federal de Pernambuco Bahia), estou no quarto semestre e uma dúvida permeia meus pensamentos desde que conversei com um amigo que faz Engenharia Mecânica em uma particular, o mesmo me falou que eu tô perdendo tempo estudando numa federal, visto que tem muitos problemas como as greves e os laboratórios, além da não flexibilidade dos horários, pois meu curso é em tempo integral o que não dá condições de trabalhar durante a graduação, o que do ponto de vista dele fica com pouca experiência,em relação a minha área, pois ele já trabalha na área, ele também me revelou que na hora de apresentar o currículo em grandes e médias empresas, o diploma pouco importa se é de uma particular ou pública! que hoje o que mais conta é se você já tem conhecimento na área ou aquele famoso QI (quem indica!).
Então gostaria de saber do senhor se meu esforço em fazer uma universidade pública federal está sendo em vão? porque aqui se estuda de verdade e somos muito mais exigidos na graduação, se a unica vantagem de fazer uma universidade particular é o status?
Desde já agradeço a atenção

Romário Benevides | xxx
(Nesta seção, o nome e a cidade são trocados sempre que solicitado pelo leitor)




RESPOSTA:


Vamos por partes: primeiro, fique tranquilo, você não está perdendo seu tempo ao fazer uma faculdade de Engenharia que leva você a estudar mais do que você teria de estudar se estivesse numa faculdade menos exigente;

As universidades públicas têm seus problemas, não há dúvidas. Mas a questão é que, mesmo com esses problemas, elas conseguem um desempenho superior em relação à grande maioria das universidades particulares.

Muitas dificuldades impostas aos alunos numa escola federal (por exemplo, a exigência de dedicação quase exclusiva) são, em grande parte, as responsáveis pela qualidade da formação que o profissional acaba recebendo.
Não se iluda! Ter mais flexibilidade nos horários e poder trabalhar durante a faculdade não leva ninguém a se tornar um profissional melhor. Pode ser uma circunstância necessária, às vezes até inevitável... mas não é a melhor alternativa. Disto eu não tenho dúvidas. (eu estudei numa universidade federal... e trabalhei durante todo o curso... e nunca vi nenhuma vantagem nisso! Preferia muito mais ter podido me dedicar integralmente ao meu curso)

E tem mais: as faculdades particulares de renome (como a Getúlio Vargas e a Mackenzie, pra ficar em apenas dois bons exemplos) também impõem aos seus alunos essas mesmas dificuldades encontradas nas públicas.

Quem quiser ter uma boa formação universitária precisa mesmo estar disposto a fazer sacrifícios.

Antes de concluir minha resposta, quero que você veja os SÁBIOS CONSELHOS do engenheiro e professor Sebastião Lauro Nau. Para quem pensa que somente passar pela faculdade resolve o problema o que ele diz aqui é muito importante.
E, só para lembrar: ele é um cara que trabalha numa grande empresa e tem muita influência nos processos de contratação.

Veja também o artigo DIPLOMA PRA QUÊ? da Lígia Fascioni. Ela diz: "o diploma nada mais é do que um comprovante que você teve acesso a um conjunto específico de informações que lhe foram apresentadas de maneira estruturada e com orientação de outros profissionais, supostamente experientes e conhecedores da matéria. Você ganha esse pedaço de papel quando consegue provar para a instituição que o emitiu que conseguiu assimilar essas informações de maneira satisfatória." (meus comentários na conclusão deste artigo, logo abaixo)

Pra fechar, leia o artigo que eu publiquei recentemente com o título PRA QUE ESTUDAR TANTO CÁLCULO E FÍSICA?

Daí chegamos a uma resposta à sua questão: é fato que, do ponto de vista burocrático e legal, o diploma de uma escola fraca vale tanto quanto um diploma de uma faculdade de ponta. A questão é saber se a formação obtida numa boa faculdade e a formação em uma faculdade menos exigente também têm o mesmo valor no mercado de trabalho.
Quem está melhor preparado para disputar processos seletivos? Quem estará melhor preparado para aprender novas tarefas? Quem estará sempre um passo à frente em todas as disputas por espaços e posições? (ou você acredita mesmo que escolas "mais ou menos" conseguem transformar alunos "mais ou menos" em VENCEDORES?)

Boas escolas (sejam escolas de dança, de futebol, de informática ou de engenharia) devem sua reputação à qualidade dos seus alunos formados. O Status conferido aos seus egressos deve-se ao FATO de que, SE ELE PASSOU por aquela escola muito provavelmente ele possui os conhecimentos e o nível de qualidade e profissionalismo que todos os formados naquela escola possuem. Esse é o tipo de conquista que as escolas fracas não conseguem superar (e por isto ficam alimentando esse discursinho vazio de que "diploma é tudo igual").

Quem me conhece já deve ter me ouvido dizer muitas vezes que "qualquer faculdade é melhor do que nenhuma faculdade". Um curso superior sempre melhora o conjunto de capacidades, conhecimentos e habilidades do indivíduo. Qualquer curso, até mesmo os fracos.

Mas não podemos ser cegos ao fato de que existem sim faculdades que são melhores que outras. E são melhores porque formam profissionais melhores. E esse tipo de coisa não acontece por acaso! Depende da qualidade dos alunos, da qualidade dos professores, dos recursos didáticos e, principalmente, do valores e princípios que orientam a instituição. Formar profissionais de qualidade superior implica dar a eles oportunidades de obter conhecimentos e habilidades superiores. E garantir que eles não recebam o diploma sem terem efetivamente alcançado essas proficiências.

Mas tem faculdades que dão o diploma sem ter esse tipo de preocupação. A escolha é sua. A carreira é sua. A vida é sua!



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | ep@eniopadilha.com.br




Para mandar a sua pergunta clique AQUI. A pergunta será respondida na seção PERGUNTA DO LEITOR.

Comentários

#1CARLOS ALBERTO PADILHA, advogado, Blumenau/SC

segunda-feira, 31 de outubro de 2011 - 16h02min

Eiiita!!! Precisa dizer mais alguma coisa?

#2Carlos Eduardo, Engenheiro de Telecomunicações, São Paulo - SP

quinta-feira, 26 de julho de 2012 - 21h38min

Com certeza existem faculdades boas e outras ruins... com certeza passar o dia inteiro estudando eh muito importante mas o mercado nao eh tão exato quanto aparenta antes de entrarmos nele... Se vc passou em uma federal, ótimo, estude nela sim e conclua seu curso, pois poucos tem a oportunidade de realmente não precisar trabalhar! Mas atenção, se empenhe não soh em assuntos acadêmicos, pois no mercado vc encontrara pessoas que nem tiveram acesso ao ensino superior e mesmo assim são competentes a ponto de nunca terem precisado! Bill gates por exemplo, não concluiu sua faculdade qnd jovem pois estava ganhando bilhões e não teve tempo! Ah e embora as federais exijam muito dos alunos, o importante não eh ser federal, mas sim EXIGIR de verdade, afinal de contas uma das melhores faculdades do mundo eh particular, Harvard... E um exemplo nacional, Inatel! Onde me formei, eh considerada uma das melhores do país.

#3Ricardo, Estudante, Porto Alegre

terça-feira, 04 de dezembro de 2012 - 18h14min

O professor disse, disse e falou de uma forma mais delicada entre linhas que o conhecimento é importante PARA SI PROPRIO, mas a empresa quer mercado de trabalho QUALIFICADO, nao to "colocando pilha", mas pense por si só se nao tenho razao e de quantas vezes voce ja ouviu essa frase? "precisamos de EXPERIENCIA" entao deixo para voceis pensarem; nao adianta erguer o diploma como um trofeu so porque é de instituição publica se voce tem concorrencia com outros que ja tiveram a pratica nao é verdade?
no final na hora da entrevista eu ja sei quem é escolhido.

Comentário do Ênio Padilha

Ricardo
Talvez nós estejamos aqui falando de coisas diferentes. Você está falando em PRIMEIRO EMPREGO. Eu estou falando de CARREIRA.

Tem faculdade que prepara o aluno para o primeiro emprego. E tem faculdade que prepara para a carreira.
Se você tiver dificuldades no início da carreira por que não tem experiência (mas tiver, em contrapartida, conhecimentos consolidados) você provavelmente terá mais futuro quando finalmente tiver uma oportunidade. E acredite. Ninguém fica sem conseguir o primeiro emprego. Cedo ou tarde ele chegará.
Essa visão imediatista que certas faculdades estão pregando estão gerando o que o Max Gheringer chama de "os desempregados do futuro". Porque o futuro está reservado não para os que conseguiram o primeiro emprego mais rapidamente, mas para os que estiverem melhor preparados para os desafios que se seguirão.

Veja um exemplo Clássico. Muitos escritórios de Arquitetura e Engenharia, ao selecionarem seus estagiários ou profissionais para o primeiro emprego levam em conta o domínio do AutoCad ou do Revit. Então, quem tiver mais experiência no uso desses programas sai na frente no processo seletivo.
Mas... desde quando o domínio do AutoCad é parâmetro para avaliar a qualidade de um arquiteto ou de um engenheiro? AutoCad é uma coisa que se aprende em três semanas. O Revit talvez leve um mês ou dois. Arquitetura ou Engenharia leva cinco anos. Cinco ANOS!

Nesse caso, o que temos aí é uma distorção no processo seletivo. Os escritórios estão escolhendo do jeito errado mas ninguém mais se lembra disso quando esse profissional começa a perder outras oportunidades mais importantes, três ou quatro anos depois, por falta de domínio dos verdadeiros FUNDAMENTOS da profissão.

#4José Bezerra, Estudante de engenharia, São Luis -MA

sábado, 29 de dezembro de 2012 - 16h13min

Minhas saudações prof Ênio,

Na minha humilde opinião o diploma é como se fosse uma carteira de motorista, ou deja, um instrumento jurídico que te confere o direito de dirigir, mas, não ti qualifica verdadeiramente para isso. Você pode ter a chave de um carro em mãos mas aí vem a pergunta você sabe dirigir realmente esse veículo e extrair dele toda sua potência?
Caros colegas acredito que o conhecimento consolidado é o mais importante para qualquer profissional e essa conquista é dividida em dois vetores um representa o esforço de aluno e o outro o esforça da instituição sendo o primeiro no sentido de se dedicar aos estudos e o segundo no sentido de lhe oferecer as melhores condições possíveis de recursos didáticos. Deixo vocês com uma frase de um grande professor que tive o honra de conhecer. Ele dizia sempre:"Não há nada mais prático do que uma boa teoria"

Abraços fiquem com Deus.

#5Andressa, estudante, Vitória

quinta-feira, 27 de junho de 2013 - 20h25min

Nossa, eu estou exatamente na mesma situação, também sou aluna de Engenharia Mecânica, porem da UFES. E também estava insegura em relação a isso! muito bom, obrigada! foi de grande serventia!

#6marco fabian, estudante, sao paulo

quinta-feira, 08 de agosto de 2013 - 01h22min

se voce olhar os secretrios publicos gestores deputados ministros do brasil quase 90 porcento sao formados em universidades publicas
coloca no google os curriculos dos secretarios e ministros publicos do brasil voce vai ver que 90 porcento veio de universidades publicas porque eu nao sei mas e essa a realidade

#7RAYLSON OLIVEIRA, Futuro Engenheiro, Manaus

domingo, 26 de janeiro de 2014 - 16h31min

Vou ingressar este ano, (2014) eu tinha a mesma dúvida em relação as universidades públicas federais e universidades ou faculdades particulares, mais eu quero fazer carreira então sem dúvida vou optar pela Universidade Federal, além do status de Universitário,a Universidade Federal é uma instituição desejada por milhares de pessoas...

#8David, Estudante de Administração, Rio de Janeiro

terça-feira, 25 de março de 2014 - 15h20min

Olá Profº. Enio,
Estou terminando a minha graduação em administração de empresas, e gostaria de começar logo uma pós graduação em finanças e controladoria, mas tenho uma dúvida. O nome da instituição é importante na hora de escolher? tenho visto muitas instituições que não são conhecidas com valores de mensalidade em conta. Tenho medo de investir em uma pós dessas instituições e depois as empresas não aceitarem ou não conseguir passar em um processo de seleção por essa escolha.

Agradeço sua atenção

David

#9Gustavo, estudante, São Carlos - SP

domingo, 15 de junho de 2014 - 21h25min

Olá a todos. Para mim cursar engenharia na USP apenas me serviu para não pagar a mensalidade. Vivo uma situação complexa, na qual me arrependo de ter estudado muito, pois me distanciei das virtudes exigidas pelo mercado de trabalho, porém abraço ainda mais esta postura ao continuar meu estudo intenso na pós-graduação (Strictu Sensu). Quando finalizar meu doutorado acho que vou me matar.

Comentário do Ênio Padilha

Olá, Gustavo.
Imagino que você esteja fazendo Doutorado (strictu Sensu) na USP por que quis.
Porém, como nós sabemos, não basta querer. É preciso estar preparado. Bem preparado.
E você acha que qualquer faculdade no Brasil prepara uma pessoa para fazer Doutorado na USP?
Não seja blasê. Você sabe muito bem que ter estudado muito foi o que fez de você um doutorando (e, que eu saiba, não existe estatística relevante de Doutores recém formados que cometem suicídio).
Quanto às tais "virtudes exigidas pelo mercado de trabalho" sugiro que você leia este artigo AQUI, especialmente na parte que fala de trabalhar enquanto faz faculdade.

#10Jonas, Estudante, Passo Fundo

sábado, 21 de junho de 2014 - 19h07min

Olá Profº. Enio,
estou cursando engenharia mecânica em uma instituição pública.Desde que entrei estou muito preocupado,e com uma dúvida imensa, pois pelo que tenho visto, e ouvido falar dos outros estudantes, ela não possui laboratórios adequados, e estão bem longe do essencial.
Será que essa falta de conhecimento prático,que só e obtida através dos laboratórios e que não se pode encontrar nos livros ,não irá me fazer falta na minha formação?

#11Mauro Ribeiro, estudante de engenharia, São Paulo-SP

quinta-feira, 26 de junho de 2014 - 13h09min

Saudações Profº. Enio
Sou aluno de engenharia civil de uma IES particular de SP na modalidade de bolsista integral do ProUni, porém, sei de minha realidade, sei como funciona uma faculdade particular, como são seus alunos, seus professores e quem realmente manda nela. Sou do interior do Piauí e fiz meu ensino médio em uma escola federal IFPI, uma estrutura fantástica, com grandes laboratórios e excelentes professores quase sempre mestres e doutros, terminei meu ensino médio e passei em duas universidades, a particular que estou hoje e a UFAL, ambas para engenharia civil, por influência de um amigo que já estudava aqui e trabalhava na área e grande parte de minha namorada que também já estava aqui, resolvi largar tudo e vim para São Paulo na cara e na coragem, depois de 6 meses aqui consegui um estágio em uma grande empresa pública a nível nacional, aqui tenho contato com grandes engenheiros formados nas melhores universidades, pensei que estava tudo perfeito pois a experiência que conta, um dia conversando com um dos engenheiros contei minha história e minha opinião, ele me contou a história dele, ele é formado pela FEI em engenharia de produção mecânica, também estudou nos EUA e trabalhou em uma fabrica da Toshiba, me falou que lá eles não se importam se o brasileiro tenha estudado na melhor faculdade particular do Brasil, que os brasileiros que chegam lá formados em uma federal brasileira são tão bem vistos como engenheiros formados em grandes universidades americanas, e falou as mesmas coisas que o senhor disse em seu texto, uma universidade pública é lhe ofereci toda a estrutura, todo o conhecimento, toda a capacitação necessária do que as demais públicas, não importa o quanto eu esteja ganhando bem agora pois o futuro é o que importa, e as grandes empresas vão sempre optar pelos formados em universidades com históricos de grandes profissionais. Tomei uma decisão bastante difícil, vou trancar meu curso no 4° perildo, vou voltar para o Piauí e irei estudar como nunca para passar na UFPI, já conseguir passar em uma federal e sei que consigo passar nessa. Sei que não estou perdendo nada em tentar pois sou jovem e sei como é uma instituição de ensino pública federal pois passei 4 anos estudando em uma, ganhei bastante experiência de vida morando em SP, sem falar que terei o apoio de minha família já que moro só aqui.
Parabéns e muito obrigado pela atenção e pelo espaço para o desabafo rsrs

#12Elem Cristina da Silva, estudante, Palmas

terça-feira, 12 de agosto de 2014 - 16h04min

Ola.
No momento sou estudante de Medicina Veterinaria em uma Universidade particular, porem acabo de sair de uma Universidade Federal de outro curso, Decidi sair por causa do acesso, ja que tinha que trabalhar e o curso era de periodo integral . Ai me vem varias duvidas em relaçao ao meu futuro diploma. Vai valer a pena ter trocado? Vai implicar em algo meu diploma de uma particular? Quando tentar me ingressar no mercado de trabalho , vou ter concorrencia e perder pra um diploma Federal?
Espero respostas.
Grata.

Comentário do Ênio Padilha

Oi, Elem.
Acredito que todas as suas perguntas estão respondidas justamente neste artigo que você leu. Isso aí é o que eu penso sobre o assunto.
Resumindo: Vale a pena, sim, fazer faculdade numa universidade mais exigente.

#13Emilio, estudante, salvador

quinta-feira, 21 de agosto de 2014 - 11h23min

Boa tarde!
Professor faço uma faculdade particular em salvador no curso de engenharia civil, so que aqui tenho muitos gastos com aluguel, alimentação, transporte e etc. so que tem o mesmo curso no interior aonde eu nasci e onde vive minha familia, so que o curso la n e reconhecido e a faculdade n e conceituada no mercado de trabalho. estou pensando em voltar p o interior por conta de achar que n vale a pena gastar tanto aqui sendo que a faculdade aqui e particular do mesmo jeito que a de la, qual sua opinião a respeito ?

#14Ulisses Breno, Analista de Sistemas, Londrina

domingo, 07 de setembro de 2014 - 16h42min

Boa tarde prof,

Me encontro entre a cruz a espada nesta questao de trabalho x faculdade.
Estudo em uma federal, periodo integral, e ja tenho por volta de 85% da grade concluida. Trabalho \"na area\" em uma empresa grande com possibilidade de carreira, também em periodo integral.
Sobre a faculdade: temos professores mal-preparados e desorganizados, estrutura precarissima, greves, horarios cada vez mais incabiveis, lotacao de turmas e um elevadissimo grau de jubilamento no curso. Conforme o tempo passou, consegui esta efetivacao e os horarios da grade nova do curso se chocaram de forma que terei de escolher entre um e outro. De pronto cogitei a possibilidade de mudar para uma particular, e, apesar do custo alto das mensalidades, amigos meus que fazem na particular têm um discurso muito favoravel às instituicoes que estao, e ao meu ver, analisando o quadro/projetos existentes, apresentam realmente uma qualidade superior a federal, e falo de instituicoes com conceito medio pelo MEC (abaixo da federal). A questao eh, sera que esta mudanca de rumo e um diploma mais \"fraco\" podem refletir no meu futuro como profissional, ao decidir mudar de empresa ou tentar algo no exterior por exemplo? Ou é preferivel me dedicar e correr o risco de ficar desempregado depois por causa de, vamos supor, 2 semestres restantes...Visto que, fazendo transferencia, \"voltamos\" alguns semestres por questoes de aproveitamento.
Agradeco muito se puder ajudar/orientar.

#15Ulisses Breno, Analista de Sistemas, Londrina

segunda-feira, 08 de setembro de 2014 - 00h05min

Boa tarde prof,

Me encontro entre a cruz a espada nesta questao de trabalho x faculdade.
Estudo em uma federal, periodo integral, e ja tenho por volta de 85% da grade concluida. Trabalho \"na area\" em uma empresa grande com possibilidade de carreira, também em periodo integral.
Sobre a faculdade: temos professores mal-preparados e desorganizados, estrutura precarissima, greves, horarios cada vez mais incabiveis, lotacao de turmas e um elevadissimo grau de jubilamento no curso. Conforme o tempo passou, consegui esta efetivacao e os horarios da grade nova do curso se chocaram de forma que terei de escolher entre um e outro. De pronto cogitei a possibilidade de mudar para uma particular, e, apesar do custo alto das mensalidades, amigos meus que fazem na particular têm um discurso muito favoravel às instituicoes que estao, e ao meu ver, analisando o quadro/projetos existentes, apresentam realmente uma qualidade superior a federal, e falo de instituicoes com conceito medio pelo MEC (abaixo da federal). A questao eh, sera que esta mudanca de rumo e um diploma mais \"fraco\" podem refletir no meu futuro como profissional, ao decidir mudar de empresa ou tentar algo no exterior por exemplo? Ou é preferivel me dedicar e correr o risco de ficar desempregado depois por causa de, vamos supor, 2 semestres restantes...Visto que, fazendo transferencia, \"voltamos\" alguns semestres por questoes de aproveitamento.
Agradeco muito se puder ajudar/orientar.

#16Aline, Universitária, Fortaleza-CE

sábado, 13 de setembro de 2014 - 22h11min

Boa noite!
Prof° Ênio, passei este ano na Federal do Ceará, mas nem acreditava mais que fosse possível, pois estou a 5 anos sem vivência acadêmica, porque neste período eu só estava trabalhando em instituição financeira e não dava para conciliar com a primeira faculdade. Dai troquei o serviço pela universidade, mas mesmo assim, não estou conseguindo acompanhar a turma q já vem de outra faculdade ou do cursinho e, então, me bate um desespero pensar em perder essa oportunidade. Sou de SP e vim para cá a trabalho faz uns 4 anos, agora estou com muita saudade dai e fico dúvida até que ponto vale a pena ter o diploma daqui ou voltar pra SP e estudar ai. Gostaria muito de um auxilio. Fico Grata.

#17Raianne Sobral, Estudante (Engenharia Agronômica), Garanhuns, PE

domingo, 26 de outubro de 2014 - 00h54min

Prezado, Professor Ênio.
Há dois semestres atrás dei início ao meu curso de Engenharia Agronômica (Agronomia), na UFRPE, e desde então uma decisão me tira o sono, praticamente todas as noites. O fato é que, eu morava no Estado no MT( Mato Grosso) e como tinha família aqui em Pernambuco decidir vir terminar meus estudos, e fiz cursos técnico em minha área até entrar numa Universidade pública. Tenho vontade de voltar à \"minha terra\", porém não consigo enxergar as melhores vantagens para tomar esta decisão de transferir meu curso e minha faculdade.
Como disse, estudo em uma Universidade Federal, e meu curso é meio período, e pretendo transferir para o Instituto Federal do Mato Grosso (MT) que tem o mesmo curso em tempo integral. Gostaria de saber, se possível sua opinião a respeito. Esta transferência é viável? Alguns colegas me aconselham a seguir em frente, visto que lá se encontra um enorme investimento neste setor. No entanto, outros dizem que não teriam muita vantagem já que estaria integralmente na faculdade e mediante esta situação eu não teria chances de estagiar durante a graduação. O senhor cita ainda que, se pudesse teria se dedicado integralmente ao seu curso, mas penso que estágios, currículos são fundamentais para quem pretende seguir carreira acadêmica (mestrado, doutorado) e então esta dúvida me assombra.
Desde já agradeço profundamente a oportunidade de discutir o assunto, e a sua atenção.

#18Raphael, Estudante de jornalismo, Teresópolis

sábado, 15 de novembro de 2014 - 23h12min

Olá professor gostaria de uma resposta sobre meu caso, sou estudante de jornalismo numa faculdade particular e faço estágio em rádio em uma TV local, me esforço muito para fazer contatos no meio profissional e para mostrar meu comprometimento tanto na faculdade quanto no estágio. Agora minha pergunta: Um aluno de particular com esse meu perfil não tem as chances iguais a de um aluno de federal, ou de um aluno de uma faculdade muto exigente (não que a minha não seja) ??
Espero uma resposta.
Muito obrigado pela atenção.

#19Diegoyholtz, Estudante, Curitiba

terça-feira, 09 de dezembro de 2014 - 23h13min

Estudo ciências economias em uma faculdade particular estou quase me formando.Portanto, vejo um grande prolema é que nunca estagiei. Os cursos na particulares fazem os alunos estudam noite

Contraria o que acontece em uma federal no o a aluno estudam de manhã com dificuldade de arranjar estágio. Acho quando me formar eu vou está desempregado por não ter um diploma da federal e tem o diploma da particular sem ter trabalhado.

O que eu faço?

#20Danilo Dias Agostini, Consutlor TI, São Paulo

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015 - 14h34min

Tenho que discordar em algo aqui no artigo, estudei no ensino médio na CEFET-SP, e vi uma situação bem inusitada:
-Optei em não perder tempo e ingressei em uma faculdade particular e hoje já estou formado há 5 anos
-Mtos colegas meu tentaram e conseguiram entrar em uma faculdade pública, porém só se formaram a pouco tempo...

Resumo da história, hoje estou ganhando cerca de 3x mais que todos os meus amigos, e tenho um currículo bem mais extenso, na minha opinião, o sacrifício deles não valeu tanto a pena.
Ao analisar criei uma regra bem simples.
-Quanto mais extenso for seu currículo, menor será o peso da faculdade.

A faculdade te ajudará a conseguir o primeiro emprego, mas se engana aquele que o nome dela é o suficiente para prosseguir na vida.

Comentário do Ênio Padilha

Danilo

Não sei muita coisa a respeito da sua história. Não sei, por exemplo, qual é a sua idade. Não sei qual curso você fez (Analista de TI pode vir de diversas formações), Não sei quanto ganham e o que estão fazendo os seus ex-colegas, que ganham três vezes menos que você.

Mas mantenho o que eu disse no artigo e, principalmente, o que eu disse no comentário #3.

O tempo dirá quem de nós dois está mais correto.

#21Joyce , Agrônoma , Capão Bonito SP

domingo, 01 de março de 2015 - 08h54min

Olá prof , estou desesperada e com uma dúvida muito grande ! Estou no 5 período de Agronomia em uma faculdade particular e acabei de ser convocada pra UFScar tbm em Agronomia , e o melhor apenas 50 km da minha cidade natal . Agora fica a pergunta , eu tenho 21 anos vale a pena começar tudo de novo pra ter um diploma de Universidade Federal ? Porfavor me ajuda !

#22Alex Forte, Instrutor, Ferraz de Vasc- SP.

sábado, 25 de abril de 2015 - 02h52min

Olá Mestre bom dia:

Através do Prouni consegui uma bolsa de Estudo na Federal de São Carlos. Iria fazer Engenharia Civil, fiz uma pequena pesquisa para sair daqui para São Carlos. Mas a resposta que tive foi que este curso é de horário integral e ai larguei de lado. Hoje estou fazendo o mesmo curso mas numa particular de pouca expressão estudando o 6º semestre. Estou frustado. Desanimado que esta afetando até em meu trabalho. Larguei de mão porque tenho um filho e preciso trabalhar para mantê-lo. Mestre existe alguma instituição Federal que de condição para o aluno trabalhar... E uma (pós graduação) numa universidade de Nome da condição para o aluno trabalhar... Porque no momento penso em fazer isso me formar nesta que estou e ralar para fazer uma pós na USP. assim para meu curriculum ter algum valor.



abraço Professor.

Att;

omatematico...

#23J. Antonio, Administrador, Rio de Janeiro

sábado, 09 de maio de 2015 - 22h01min

Boa noite!

Gostaria de deixar minha contribuição para o tema levantado.

Sou formado em Administração a 6 anos numa faculdade particular e me lembro que nos primeiros períodos quando entrei na faculdade, ao conversar com uma amiga que pretendia iniciar no ensino superior disse o seguinte: "Ah você faz faculdade particular, no mercado de trabalho a preferência é sempre por quem faz faculdade pública, porque as faculdades públicas são bem melhores" ... no momento achei que ela não sabia o que estava falando mas fiquei pensando se ela tinha razão. Neste mesmo momento eu tinha um amigo que era tido como muito inteligente que entrou no mundo acadêmico juntamente comigo, estudávamos juntos e ele tinha mais facilidade do que eu nos estudos e compartilhava da mesma opinião da minha amiga. Bem, naquela época eu estudava também em uma universidade pública. As minhas impressões que tirava na época era a seguinte: na faculdade particular, a infra-estrutura era melhor, boas relações inter-pessoais e a qualidade era satisfatória, na medida que se você tivesse empenho em buscar aprofundar-se o aprendizado pode-se dizer ótimo, enquanto na universidade pública a infra-estrutura era bem modesta e o nível de dificuldade era bem elevado (antes achava que era por ser muito boa, hoje com uma mentalidade mais madura vejo que era mais pelo método de ensino do que pela qualidade propriamente dita, pois nas provas coisas básicas se tornavam extra-terrestres). Depois estudei em mais uma universidade particular, em mais uma pública e atualmente saí da federal para ingressar em uma particular. Ou seja, em minha trajetória já passei por 03 universidades particulares e duas públicas.

Tempos atrás se fazia um pouco de sentido (não muito) a questão de a universidade pública ter um peso maior, porém hoje dizer isso não faz mais sentido nenhum. Primeiro porque em quesito de qualidade as universidades públicas estão cada vez mais perdendo credibilidade, por alguns fatores abaixo:

Com as políticas do governo criou-se muita facilidade para o ingresso nas faculdades públicas, onde (por experiência) vi alunos em cursos onde não tinham vocação nenhuma e estavam ali apenas por bolsas e nos trancos e barrancos conseguiam passar nas disciplinas. Teve alunos que passaram no processo de seleção após 16 chamadas sem se preparar nada, fazia a faculdade porque era de graça e a maioria deles não gostava nem se identificavam com o curso.

A situação dos professores também era mais ou menos a mesma. Apesar de haver excelentes professores, havia muitos sem didática alguma e eram aquelas pessoas que sabiam muito, mas só pra eles, alguns com diploma de doutor. O nível dos testes provas são os mesmos de uma universidade particular.

Outro ponto é a carga ideológica pesada da Universidade Federal que estudei e da maioria no país. Perde-se muito tempo em disciplinas que só servem pra “encher lingüiça”. No curso de exatas, muitas disciplinas de “humanas” que em nada contribuem para a formação profissional. Muitos professores estavam mais interessados em fazer propaganda ideológica do que formar profissionais preparados.

A - faculdade particular que estudo atualmente tem uma qualidade muito boa e com mais experiência e um amadurecimento digo sem medo de errar: O que faz o bom profissional é seu esforço pessoal pelo aprendizado, independente se uma faculdade é melhor ou nem tanto (as melhores ajudam um pouco mas no final não é o fundamental), seja Pública ou Privada. Hoje com o fácil acesso e quantidade de informação, consegue-se aprofundar em áreas de deficiência que o curso oferece.

Na minha empresa, também faço contratação e posso assegurar que em nada pesa o diploma ser de faculdade A ou B. O que conta é o desenvolvimento individual do profissional formado, sua capacidade de adequação ao trabalho, honestidade etc.

Um engenheiro ao ser contratado para um serviço, não lhe é perguntado: “deixe-me ver o diploma da faculdade que você cursou?”. O que conta é o quão bom profissional ele é, a credibilidade que tem, (entre outros vários fatores que o próprio Ênio explicita de forma brilhante em seus livros e vídeos), além do esforço pessoal para adquirir conhecimento sobre a área de atuação.

Para concluir, noto que o processo de prestígio está numa curva inversa, onde as universidades públicas estão causando muita frustração em quem estuda nelas. Na última federal que estudei conheço muitos (e bons) alunos frustrados com a faculdade, tanto em aspectos de estrutura e qualidade, migrando para as particulares.

Voltando na minha amiga do começo da conversa sobre a faculdade pública ser melhor do que a particular (onde até hoje ouço pessoas dizendo isso, pessoas que nunca entraram numa faculdade como ela), diria hoje o seguinte: não, isso não tem nada a ver, é uma bobagem que muitos falam sem saber e que você também está falando, olhe pra mim e para o meu amigo que começou a estudar junto comigo, que tinha condições financeiras melhores que a minha e mais facilidade do que eu. Já adentrei no mercado de trabalho a anos, cresci exponencialmente profissional e socialmente e ele só conseguiu se formar no ano passado, enquanto já tenho uma vasta experiência profissional, muito conhecimento teórico e prático em minha área. O que vale é o quanto você está disposto a se esforçar pra alcançar um objetivo, crescer na vida, sacrificar algumas coisas em detrimento de outras.

#24Icaro Santos, Estudante, Belo Horizonte

sábado, 01 de agosto de 2015 - 16h28min

Olá Professor Ênio,

Gostei muito do texto!

No momento estou em dúvida!!

Passei no processo seletivo (SISU) da UFMG para Economia, que é um curso que eu já tinha como opção realmente. Uma semana depois desse resultado recebi a notícia que passei também, dessa vez pelo PROUNI, na PUC-Minas para Engenharia de Produção. Bom, o senhor já deve imaginar meu dilema a essa altura pois apesar de estar feliz, estou em dúvida.

Sempre ouvi falar muito bem de universidades federais, e até fiz pré-vestibular onde não se falava em nada abaixo de federal, porém ao pesquisar sobre os cursos e oportunidades pude ver que existe um leque imenso de oportunidades nas duas áreas... o que dificulta um pouco mais minha decisão.
Gosto muito de estudar e tenho disponibilidade para fazer apenas isso durante o curso (apesar de já ter trabalho em duas grandes empresas por três anos), e gostaria de saber mais sobre a sua opinião como engenheiro e ex-alno de uma universidade pública.

Estou muito inclinado a UFMG, porém, ao pesquisar sobre a engenharia de produção vi muitas semelhanças e tenho receio de estar perdendo conteúdo e \"oportunidades\" por fazer a escolha mais óbvia.

P.S: Com relação a exigência de dedicação do aluno não se preocupe pois eu mesmo sei exigir de mim meus resultados.

Desde já, grato!

Comentário do Ênio Padilha

Prezado Icaro

Quando eu fiz vestibular, minha primeira opção foi Engenharia. Mas minha segunda opção foi Economia. Ainda hoje considero que as duas carreiras são equivalentes em termos de oportunidades e resultados pessoais.

Tanto a UFMG quanto a PUC são duas universidades qualificadas. Portanto, você pode até ficar em dúvida. Mas não precisa ter medo. Qualquer que seja a sua escolha, você estará muito bem.

#25Geová de Freitas , Engenharia de Pesca , Ipojuca

segunda-feira, 26 de outubro de 2015 - 23h52min

Boa noite.
Sou aluno da UFRPE, aluno do curso de Engenharia de pesca , por tanto não estou gostando do curso e pretendo trocar de graduação.
A minha pergunta é vale apena trocar de engenharia de uma federal para engenharia em faculdade particular? me desloco da minha casa todos os dia ( 4:30 da manha ) e trabalho pela tarde , sinceramente estou super cansado e penso que não vale o esforço por uma engenharia dessa . pretendo trocar de curso para engenharia civil ou arquitetura para a UFPE, ou migrar para engenharia em uma particular na modalidade EAD , ..... O que acha a respeito ??

Comentário do Ênio Padilha

Então, Geová de Freitas.
Penso que "o que eu acho a respeito" já ficou bem claro no meu artigo. Concorda?

#26João , Estudante, Salvador

domingo, 10 de janeiro de 2016 - 01h36min

Professor, eu queria sua ajuda por meio da sua opinião. Eu irei fazer engenharia de produção em 2016, porém ainda estou em dúvida em qual faculdade cursar. Estou entre a tradicional UFRJ e a recente Univasf, no interior da Bahia e Pernambuco(é uma federal mas engloba os dois estados). Minha nota no enem me permitirá passar nas duas. A Univasf é Pq minha família toda já mora lá e minha mãe pretende fzr o mesmo, logo eu estaria em casa, numa federal, não teria q enfrentar o estresse e a perda de tempo que eu teria no trânsito, pois estaria no interior, e eu nao teria custos extras por estar fora de casa. Porém a Ufrj é uma faculdade muito mais conceituada e valorizada, ainda mais qndo se fala no curso de producao de lá. Portanto o senhor acha que vale a pena ir pro rio pra fazer o curso lá ?

#27João , Estudante, Salvador

domingo, 10 de janeiro de 2016 - 07h25min

Professor, eu queria sua ajuda por meio da sua opinião. Eu irei fazer engenharia de produção em 2016, porém ainda estou em dúvida em qual faculdade cursar. Estou entre a tradicional UFRJ e a recente Univasf, no interior da Bahia e Pernambuco(é uma federal mas engloba os dois estados). Minha nota no enem me permitirá passar nas duas. A Univasf é Pq minha família toda já mora lá e minha mãe pretende fzr o mesmo, logo eu estaria em casa, numa federal, não teria q enfrentar o estresse e a perda de tempo que eu teria no trânsito, pois estaria no interior, e eu nao teria custos extras por estar fora de casa. Porém a Ufrj é uma faculdade muito mais conceituada e valorizada, ainda mais qndo se fala no curso de producao de lá. Portanto o senhor acha que vale a pena ir pro rio pra fazer o curso lá ?

#28Nayara Mendonça, Publicitária , Fortaleza

terça-feira, 12 de janeiro de 2016 - 03h28min

Olá! É cada vez mais comum ver essas dúvidas entre vestibulantes e universitários. Eu cursei Publicidade e Propaganda na Federal UFC, foi a melhor coisa que fiz? Não, não foi! A instrutora é precária demais, não tínhamos equipamentos como câmeras fotográficas em bom estado para uso, não tínhamos bons laboratórios e muitas nem funcionavam, professores faltavam, era matéria pela metade, não tínhamos computadores, greves.. Passei 5 semestre cursando na Federal, isso em 3 anos e meio por conta das greves, acabei perdendo tempo. Larguei a Federal e hoje estou concluindo meu ensino superior numa Universidade Privada de um ensino excelente, cobram muito dos alunos, instrutora muito boa, equipamentos ótimos, laboratórios ótimos, professores excelentes. A própria universidade te incentiva a estudar, a se dedicar. Universidade Federal é bom? Claro que é! Universidade particular é bom? Claro que também é! Assim como existe Universidades Particulares não tão boas, também existe Universidades Federais também não tão boas. Hoje faltando apenas 2 semestres para me formar, sou ganhadora de 3 prêmios estaduais que competir inclusive com alunos da Federal, tenho campanhas vinculadas em grandes jornais aqui do estado, um currículo extenso e positivo... Eu sempre amei meu curso, amo o que faço e me dedico demais e por amor. Consigo trabalhar e ganhar muito bem e conciliar meus estudos. Por tanto, o que faz de você um excelente profissional não é o nome da instituição superior e sim a sua dedicação para com os seus estudos. Estudem sempre, se dediquem e faça por amor. Que Deus abençoe a todos e sucesso!

#29Daniela, Recepcionista veterinária, São Paulo

domingo, 17 de janeiro de 2016 - 00h33min

Olá Enio, achei o seu site no acaso e me caiu como uma luva... Adorei o seu texto! O meu dilema é o seguinte, fui aprovada em uma universidade federal (outro estado e período integral), e possivelmente tambem ganharei bolsa de 100% na Anhembi Morumbi pelo o prouni. Ambas no curso de medicina veterinária! Meu medo de ir para a federal é não conseguir ganhar experiência em atendimento clínico com o meu trabalho atual ajudando os vets pela manhã para estudar a noite na Anhembi, e consequentemente, por morar em outra cidade para a Federal eu não ter uma rede de contato assim que me formar? Será que estou vendo pelos em ovo?
Gratidão

#30Renan, Engenheiro, São Paulo

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016 - 04h09min

O que é mais interessante, é observar como as coisas mudam, pois o mercado não é estático, ele é dinâmico, e em pleno 2016 eu posso garantir que muitas ideias do passado, ficaram no passado.
Cursei engenharia elétrica numa federal por alguns anos, vendo que não saia muito do lugar, que vivia patinando e o tempo passando, resolver largar e ir para um particular.
Arrumei estágio, depois disso consegui trabalhar numa área ligada a minha formação, fiz cursos técnicos, aprofundei meu inglês e com a internet assistia aulas complementares de outras universidades para complementar o que já vinha aprendendo numa particular.
Resultado disso, terminei meu curso, e fui efetivado como engenheiro nessa empresa que eu já trabalhava. Saí e fui para outra empresa maior, multinacional francesa e aqui estou exercendo minha carreira, sendo respeitado e mesmo diante da crise não fui mandado embora devido a minha experiência e profissionalismo, sempre buscando me atualizar e aperfeiçoa.
Resultado, hoje tenho um excelente emprego com um salário acima da média, e tem um amigo que conseguiu terminar o curso de elétrica, levou, acredite se quiser, 12 anos para sair da universidade federal. Um outro conseguiu sair mais cedo, saiu com 7 pra 8. Eu terminei em 3 anos e meio, pois aproveitei as disciplinas que consegui pagar na federal naquele tempo.
Ou seja, me formei, trabalhei, construi uma carreira, e os que terminaram ainda tão tentando arrumar emprego, e os que conseguiram foram na área de venda técnica.

Me desculpe senhor Ènio Padilha, mas a realidade do que eu vivi e do que eu vejo HOJE, não coaduna em NADA com o que vossa senhoria prega.
E como se não bastasse, ouço de colegas, que se formaram na federal justamente reclamando disso, que a falta de conexão das instituições públicas com o mercado, faz com que gere distorções na formação com exigências desnecessárias, currículos exageradamente inflados, além de remontar a grade curricular do final da década de 70, inicio de 80.
Não conheço 1, nem 2 ou 3, mas vários que depois que se depararam com a realidade se deram conta que as coisas não eram como estavam pensando.
Não se arrependeram de ser formar, isso eles deixam claro, mas viram que não era necessário ter passado pelo que muitos passaram para chegar aonde gostariam de ter chegado, pois viram que outros, assim como eu, mesmo não tendo abandonado uma federal e ter partido para outra, chegou aonde eles queriam estar, sem que para isso precisasse passar anos e anos a fio, noites em claro e engolir muito sapo de professores como engoliram.
E eu sempre alerto as pessoas quando vem me perguntar sobre isso, digo logo para desconfiar de papo de professor de cursinho ou de universidade que nunca trabalhou no mercado, não exerceu cargo de comando, não gerenciou ou tocou projeto, não participou de estratégia ou mesmo planejou uma, nunca negociou absolutamente nada com fornecedores e credores e que não sabe nem o que é gestão na prática, não sabe o que significa \"fazer política\" dentro de uma empresa, e o pior, acha que vai ser promovido por saber calcular a vazão de um fluído viscoso em um duto ou a perda de carga, e que isso ainda é feito com papel, lápis e borracha.
Não estou dizendo que seja vosso caso, porque não o conheço, mas sei que são maioria em muitas universidades públicas por ai.
Não digo isso desmerecendo essas instituições, pois tenho plena consciência da sua importância para pesquisa no país. Mas quando se trata de ingressar no mercado de trabalho, não é mais essa coisa toda, aliás, as grandes empresas que são responsáveis para fazer a seleção de possíveis candidatos já dizem isso.
E só uma observação, visite uma média e grande empresa, procure os cargos de média gerência, alta gerência e diretoria, e pergunte aonde se formaram, garanto que vossa senhoria terá uma surpresa, aqui em sp mesmo a surpresa pode ser ainda maior. :)

#31Aline Martinho, Estudante, Rio de Janeiro - Japeri

sexta-feira, 15 de julho de 2016 - 18h28min

Olá meu nome é Aline Martinho, estudo em um colégio particular e estou cursando o meu 7º ano, mas desde já me preocupo com o meu futuro.. Por isso gostaria de saber se para entrar em uma faculdade Federal tem que ser apenas o diploma do colégio publico? ou pode ser do particular também? A faculdade Federal investe bem no curso de medicina cardiológica ? Quais são as dicas para passar em medicina cardiológica em uma faculdade Federal? Vale apena todo o esforço para passar em Cardiologia? Agradeço desde..

#32Jonatas, Engenheiro Civil, Rondonopolis

sexta-feira, 09 de dezembro de 2016 - 23h06min

Faça seu comentário

Favor, evite enviar links, pois seu comentário será recusado.

Seu IP: 54.92.155.160 (Identificação de seu computador na internet)

* campos obrigatórios
Compartilhe: 61250