NA MINHA FRACA OPINIÃO

PIERRE BOULLE, SUAS PONTES E MACACOS.

(Publicado em 21/05/2015)



Os mais jovens talvez nunca tenham ouvido falar de Pierre Boulle. Os mais velhos dificilmente ligarão o nome à pessoa. Mas todos, provavelmente já tiveram contato com a sua obra. Ele é o autor dos livros que resultaram em dois grandes clássicos da história do cinema: "A Ponte do Rio Kwai" e "O Planeta dos Macacos".

Na semana passada estava numa livraria de aeroporto e me deparei com uma edição especial com o texto original do livro "O Planeta dos Macacos" escrito em 1963, contendo ainda uma entrevista do autor à revista Cinefantastique em 1972 e um artigo escrito por Hugh Schofield (para a BBC News Paris) sobre o grande sucesso do filme original (em 1968) e de suas sequências (nos primeiros anos da década de 1970). Comprei, evidentemente, com o entusiasmo de uma criança que encontra numa loja o boneco do seu super herói.

Para quem nunca viu os filmes originais, a coleção completa com os cinco filmes foi lançada em DVD pela Twentieth Century Fox em 1997. O sucesso dos filmes nos anos 1970 foi, talvez, equivalente ao do "Senhor dos Anéis" na década passada.

Não vou fazer uma resenha do livro pois nem tudo no filme seguiu o que estava escrito. E eu não quero dar spoilers para quem já tenha visto o filme. Alguns comportamentos dos macacos no livro foram atribuídos aos humanos do filme (e vice-versa). Além disso, pra começo de conversa, no livro, o personagem principal era francês, como o próprio Pierre (e não americano, como nos filmes). E era jornalista (e não um astronauta, como nos filmes).
O final da história também é muito diferente do filme original de 1968 (sendo mais parecido com a do final do filme de 2001).

E mais não conto... Aliás só uma coisinha: pra quem (como eu) achava que a personagem feminina humana (a namoradinha do personagem principal) era muito sonsa e sem expressão, espere até ver o livro: lá ela é muito mais sem inteligência ou qualquer traço de expressão humana. Por incrível que pareça, um personagem muito bem construído pelo autor, para dar conta da mensagem do livro.

Pierre Boule (surpresa! pelo menos para mim) era um engenheiro. E participou da segunda Guerra Mundial. Isso ajuda a explicar "A Ponte do Rio Kwai", um filme que está em todas as listas de "filmes que todo engenheiro deveria assistir".

Sobre "A Ponte", aliás, Pierre Boule afirma, na entrevista, que, quando o livro ficou pronto as editoras não o queriam porque achavam a história toda inverossímil demais. Depois do sucesso, muita gente se empenhou em tentar provar que a tal ponte existia de verdade é que a história era baseada em fatos. Não era. Era tudo ficção.

Ele escreveu mais de 20 livros. Muitos deles foram adaptados para o cinema.
Morreu em 1994. Nunca casou nem teve filhos. Deixou escrito uma continuação (inédita) do livro "O Planeta dos Macacos" que, talvez, ainda venha a ser utilizada no cinema, uma vez que essa obra só foi descoberta recentemente, por um sobrinho, que é seu herdeiro.

Aguardemos.



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br




---Artigo2015 ---Dica de Leitura




REFERÊNCIAS:
1) BOULLE, Pierre. O planeta dos macacos. São Paulo: Aleph, 2015.

Faça seu comentário

Favor, evite enviar links, pois seu comentário será recusado.

Seu IP: 54.162.168.187 (Identificação de seu computador na internet)

* campos obrigatórios
Compartilhe: 474