BLOG DA MARIA HELENA

A POLÊMICA DO METRO QUADRADO

(Publicado em 14/09/2016)




MARIA HELENA
www.farolarq.com.br





Assim que entrei na faculdade, em 2011, minha turma criou um grupo no MSN (saudades MSN). Todos calouros, tendo que comprar material escolar, com dúvidas de que canetinha Magic Color comprar, fundamos nosso próprio grupo de apoio ali, antes mesmo da primeira aula, onde sempre tentávamos nos ajudar e amenizar as dúvidas dos coleguinhas.

Evoluímos para uma comunidade do Orkut (saudades Orkut), onde combinávamos as festinhas de quinta feira e compartilhávamos resumos dos fichamentos que tínhamos que entregar na sexta. Não demorou muito para que o Orkut fosse esquecido e nos entregássemos aos Grupos do Facebook. Este ainda deve existir, mas há tempos que ninguém publica nada.

Temos um grupo do WhatsApp. Melhor que qualquer grupo de família que você pode ter por ai. Tem gente dando bom dia, mandando piada, dizendo “lembrei de vocês”, “vamo marcar um churrasco”, tudo como em qualquer grupo de família. E como em qualquer grupo da 2011/1, tem gente pedindo ajuda e gente ajudando a tirar dúvida.

No começo eram coisas sobre trabalhos da faculdade, dúvidas sobre TCC, qual o comando do Revit que faz isso, quem tem bloco daquilo, essas coisas. Mas, agora que somos todos arquitetinhos adultos, a dúvida mais frequente que está rolando por lá agora é: “quanto que cobra o m² de projeto arquitetônico /interiores /paisagismo /detalhamento de maçaneta?”.

Toda vez que alguém pergunta, chove um monte de resposta de “aqui na minha cidade cobra R$60”, “minha chefe fazia por R$45”, “a tia da prima da moça que limpava o escritório nem cobra, faz porque é querida mesmo”. E euzinha aqui, que tenho que dar preço pros meus serviços com frequência, penso: Gente, metro quadrado? Serião?

Já expliquei pra eles, no grupo, uma vez, hoje vou explicar pra vocês o porquê de eu não cobrar projeto por m²:

Comecei a trabalhar fazendo Stands para feiras e eventos, numa parceria com a minha ex-chefe queridíssima Luiza Schenk do LS Arquitetura em Florianópolis. No nosso acordo, eu receberia por m² do stand. Um stand desses, normalmente, tem 3m x 4m, ou as vezes até um 6m x 5m. A maioria tem 3m x 3m mesmo. 9m². Eu levava, normalmente, uns 4 ou 5 dias para entregar uma apresentação com 4 imagens e uma planta esquemática do stand.

Um dia eu ganhei na mega sena e recebi um briefing de um stand 10m x 11m. 110m². Uma loucura. Mal sabia o que fazer com tanto espaço. Pensei que ia me dar uma trabalheira descomunal lidar com um stand tão maior do que os que eu estava acostumada. Surpreendentemente, nos mesmos 5 dias, entreguei a apresentação. Sem sofrimento adicional nenhum que justificasse o fato de receber quase o triplo por este stand do que receberia por um de 18m². Deu o mesmo trabalho, levou o mesmo tempo, utilizei os mesmos recursos.

Mas ai ta bom, to falando de arquitetura efêmera, é outros quinhentos. Vamos falar de reforma de banheiro, então.

Cliente tem dois banheiros em casa: um deles ta lá, bonitão, espaço pra uma pia show de bola, um box delicioso que da pra tomar banho de braço aberto, a porta abre e fecha e a janela ta na melhor posição. Da até vontade de projetar, dá não? Já to até pensando nas ideias que eu vi no pinterest que to louca pra usar em algum projeto. Ai o outro banheiro, coitado, ta ocupando um cantinho que sobrou do corredor. Preciso nem falar que a porta não abre se tiver armário na pia, o box é tão estreito que tem que tomar banho de lado, a janela... ah, é, esqueci de falar, não tem nem janela. Imaginou a situação? Já passou por isso? Ta com raiva só de lembrar agora? Calma, respira.

Agora imagina que o banheiro "A" tem o dobro do tamanho do banheiro "B". O banheiro "A", o gostosão, o que você consegue projetar quase de olhos fechados, tem o dobro da área do banheiro "B", o sofrido, o que você tem que passar horas brincando de quebra cabeça pra conseguir encaixar tudo e ainda deixar bonito. Não faria mais sentido receber mais pelo banheiro B? Ele não deu muito mais trabalho? Não exigiu muito mais do profissional? Não merece ser muito mais valorizado?

E agora, faz sentido cobrar por metro quadrado?

(Querida 2011/1: To com saudades de vocês, vamos marcar um churrasco. Beijão.)





MARIA HELENA é arquiteta e urbanista formada pela UDESC, em 2015. Comanda o escritório Farol Arquitetura em Laguna-SC, que atua na área de projetos e obras de arquitetura, além de reformas comerciais.
(aos 9 anos, em 2002, foi premiada no concurso "Jornalista por um dia" do Jornal de Santa Catarina)



Visite o website: www.farolarq.com.br
Facebook: farol.arq
Faça um contato com a autora: helena@farolarq.com.br








VEJA OS OUTROS ARTIGOS DA SÉRIE

EU E O REVIT (1) (22/08/2016)

EU E O REVIT (2) (31/08/2016)

EMPOLGAÇÃO (07/09/2016)

Faça seu comentário

Favor, evite enviar links, pois seu comentário será recusado.

Seu IP: 54.224.200.104 (Identificação de seu computador na internet)

* campos obrigatórios
Compartilhe: 737