BLOG DA MARIA HELENA

PROCURA-SE O PROTÉTICO

(Publicado em 05/10/2016)




MARIA HELENA
www.farolarq.com.br





A sala em que montamos o escritório fica no centro histórico de Laguna, dentro da poligonal de tombamento, num prédio construído há algumas décadas. No térreo tem uma loja de doces e artigos para festas, no primeiro andar salas comerciais e em cima alguns apartamentos. Quando alugamos a sala, havia apenas uma sala no nosso andar que já estava ocupada. Um escritório de contabilidade, daqueles com cara de quem já está ali há bastante tempo. Na nossa sala, nada além de paredes brancas e nenhuma indicação do que acontecia ali.

Mas começou no primeiro dia da reforma. Estava eu acompanhando o trabalho enquanto pintavam a nossa parede amarela quando alguém deu uma batidinha na porta. O olhar confuso do senhor deixava bem claro que aquela bagunça que estava a sala não era o que ele esperava.

“Ué, aqui não é o protético?”

Não, não era. Expliquei que era um escritório de arquitetura. Ou melhor, seria, em alguns dias. Ok, vida que segue.

Nos dias seguintes esta cena se repetia pelo menos uma vez por dia. Não, não é o protético. Não, não sei onde o protético está. Não, não conheço ninguém que sabe dizer onde ele está. Mas se ta pensando em construir ou reformar, pega aqui meu cartão.

Essa semana, pouquinho depois do meio dia, a moça chegou, entrou no escritório e olhou confusa pra mim. Eu olhei confusa pra ela, e falei “Boa tarde”.

“Ué, aqui não é o protético?”

Segurei a risadinha.

“Não senhora, ele não trabalha mais aqui.”

“E onde trabalha agora?”

“Não sei dizer.”

“Não sabe? E quem sabe?”

“Não sei também. Não conheci ele, aluguei a sala depois que ele saiu.”

“E como que eu vou achar ele então?”

“Ah... Não sei... Eu não sei quem ele é.”

“Mas ele trabalhava aqui.”

E seguiu-se uns bons 5 minutos desta conversa. Eu dizendo que não sabia, e ela querendo ajuda para encontrá-lo. Até que se convenceu que eu estava, de fato, falando a verdade e não sabia do paradeiro do tal moço.

Voltei ao trabalho. Nem bem três minutos depois, surge a moça novamente.

“Perguntei aqui embaixo e me falaram que alguém aqui em cima ia saber me dizer.”

Respirei fundo. Protético é o cara que faz próteses dentárias, né não? Minha irmã é dentista. Será que serve?
Qualquer coisa pra essa moça me deixar trabalhar.

“Pergunta ali no escritório de contabilidade, acho que eles sabem.”

Pronto.





MARIA HELENA é arquiteta e urbanista formada pela UDESC, em 2015. Comanda o escritório Farol Arquitetura em Laguna-SC, que atua na área de projetos e obras de arquitetura, além de reformas comerciais.
(aos 9 anos, em 2002, foi premiada no concurso "Jornalista por um dia" do Jornal de Santa Catarina)



Visite o website: www.farolarq.com.br
Facebook: farol.arq
Faça um contato com a autora: helena@farolarq.com.br




VEJA OS OUTROS ARTIGOS DA SÉRIE

EU E O REVIT (1) (22/08/2016)

EU E O REVIT (2) (31/08/2016)

EMPOLGAÇÃO (07/09/2016)

A POLÊMICA DO METRO QUADRADO (14/09/2016)

O VALOR DE QUEM SABE O QUE ESTÁ FAZENDO (21/09/2016)

Faça seu comentário

Favor, evite enviar links, pois seu comentário será recusado.

Seu IP: 54.224.204.189 (Identificação de seu computador na internet)

* campos obrigatórios
Compartilhe: 232