BLOG DO ÊNIO PADILHA

DEVAGAR COM O ANDOR!

(Publicado em 21/09/2008)



O assunto é inevitável. É a pauta da hora: está faltando engenheiros no Brasil!

Todos os dias algum veículo da grande mídia traz esse assunto à baila. Engenheiros e estudantes de Engenharia não poderiam estar mais felizes. Tudo parece muito bem.

Eu não quero ser o estraga-festas, mas tenho de falar umas coisinhas. Fazer umas perguntinhas: O que nos levou a isto? O que levou o Brasil a, "de repente" ficar sem engenheiros? Que parcela da responsabilidade cabe aos próprios engenheiros? Como esta questão será resolvida? O que vai acontecer quando essa questão for resolvida? A quem interessa resolver essa questão?

A Engenharia Brasileira, cuja história remonta ao final do século XVIII viveu seu período de ouro entre a década de 1920 e o final da década de 1970. Foi um período marcado pela liderança brasileira no desenvolvimento da tecnologia de concreto armado; de forte desenvolvimento do setor elétrico nacional; de muito investimento em infra-estrutura, especialmente em rodovias, eletricidade, saneamento básico, abastecimento de água e telecomunicações... um período, enfim, de grandes obras de engenharia.

Foi o período em que as entidades de classe da Engenharia cresceram e se fortaleceram econômica e políticamente. Tornar-se engenheiro representava garantir-se na vida. Engenheiros tinham poder econômico e social, que resultava em grande influência política.

Nos últimos dois anos da década de 1970, com o fim daquilo que era chamado de "Milagre Brasileiro", uma crise sem precedentes atingiu o país, com consequências particularmente severas para a Engenharia. Entramos no que se convencionou chamar de "A década Perdida". Engenheiros foram do paraíso ao inferno de uma hora pra outra (nenhuma outra categoria profissional sentiu tanto os efeitos da crise). Acabaram-se os investimentos em obras de infra estrutura; houve o fechamento (desativação) dos grandes escritórios de projetos e consultoria; não havia uma Política Nacional de Desenvolvimento e, como resultado, o engenheiro “Virou Suco”.

No início dos anos 90 a crise já não estava tão severa, mas outros fatores contribuiram para amarrar o processo de renascimento da Engenharia como profissão interessante: entraram em cena os programas de computador (CAD), a Internet e o telefone celular. Três novas tecnologias que obrigavam os profissionais a rever seus métodos de produção e relacionamento com o mercado.

O Marketing, ferramenta indispensavel para enfrentar aqueles tempos difíceis ainda era uma prática renegada pelos profissionais e pelas entidades de classe. Iniciou-se um processo de aumento (alguns chamam de proliferação) no número de Escolas de Engenharia e, na virada do século havia um renascimento da Engenharia Brasileira, porém, num mundo completamente desconhecido. Poucas obras, poucos clientes e um número crescente de profissionais novos no mercado. E todo mundo sem experiência mercadológica, pois não haviam referências. Os mais antigos não sabiam lidar com um mundo muito novo e os mais novos não tinham experiência necessária para fazer frente às dificuldades que apareciam.

Resumo da ópera: tivemos uns 25 anos de vacas magras. Vacas muito magras!

Este período não pode ser esquecido. Essa experiência precisa ser analisada para que não se cometa os mesmos erros do passado: por parte dos profissionais, a alienação política, a arrogância com o mercado e o descuido com a qualidade do serviço; por parte das escolas com uma postura encastelada que se isolou do mercado de trabalho e tornou o curso de engenharia completamente desinteressante para os jovens estudantes. O Brasil ficou sem engenheiros porque os jovens não são tolos. Quem é que quer fazer um dos cursos mais difíceis da universidade para depois enfrentar um mercado que não dá respostas satisfatórias à esse investimento pessoal? (os cursos de Medicina, Odontologia e Direito por exemplo, estão entre os que menos reprovam alunos nas universidades federais)

Hoje eu vejo dirigentes da Engenharia abordando essa questão da falta de engenheiros no Brasil apenas como uma grande oportunidade. Eu vejo a coisa com um pouco mais de cuidado. Não quero que essa nova geração de engenheiros pratique uma Engenharia insustentável. Uma Engenharia que apenas explora o mercado disponível.

É nossa responsabilidade não apenas explorar mas também (e principalmente) desenvolver o mercado. prepará-lo para a estabilidade, que virá, não tenham dúvidas.

Temos de agir de forma estratégica para tirar o máximo proveito possível dessa circunstância positiva de mercado, que deverá durar ainda alguns anos, mas sem descuidar do futuro. Do mercado de trabalho que deixaremos de herança para os engenheiros que hoje ainda estão nos berçarios por este Brasil a fora.



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br



---Artigo2008 ---Valorização

Comentários

#1JOSÉ PICCOLI, Engenheiro Civil e de Segurança, Balneário Camboriú / SC

domingo, 21 de setembro de 2008 - 16h53min

Formado em 1975 ainda curti o fim do Milagre Brasileiro. Com ele tive a oportunidade de participar da maior obra de engenharia dos meus 33 anos de profissão. Fui Engenheiro do METRÔ do RJ. Depois de ter vivenciado grandes problemas desta obra faraônica é que me dei conta que com apenas 27 anos de idade, comandava uma equipe de mais de 1700 homens, envolvendo Mestres, um contingente de Técnicos de Edificação (meus verdadeiros braço direito) e mais um de jovens com o 2º grau completo e que nunca tinham visto obra na vida.
Este era o cenário, mas como vc mesmo diz há que se ter muito cuidado, pois naquela época nosso estudos de informática eram de FORTRAN BÁSICO e ninguém tinha programas de cálculo ou Auto Cad para projetar. Portanto muito cuidado é pouco!Some-se a isto a falta de objetividade dos Mestrados e Doutorados por aí, tipo "Qual a influência da oscilação da cauda do crocodilo africano em relação a maré do Siriú".

#2Antônio Ananias Ripardo Filho, Engenheiro Civil Administrador de Empresa, Fortaleza Ceará

segunda-feira, 22 de setembro de 2008 - 11h48min

Prezado Ênio,
Acho muito cedo, para avaliarmos que realmente falta engenheiros no Brasil. Baseado na circunferência da trigonometria, 360º está vizinho ao 0º, podendo logo mais, o cenário atual voltar o que era antes. Portanto, atualmente ainda encontramos muitos engenheiros sem perspectivas, exercendo as seguintes profissões: a) caixas de bancos, b)Trabalhos burocráticos principalmente em repartições públicas, c) Encaminhador de documentos, d) comerciantes em outras áreas, e) professor de nível médio, f) corretor de veículos, e uma grande gama de outras atividades, totalmente distanciadas da área da engenharia. Vale salientar que, realmente está faltando no Brasil, são profissionais do ramo de engenharia que estejam preparados e capacitados para gerenciar e resolver problemas com iniciativas lógicas,aplicando os conhecimentos obtidos na época de estudante.

Atenciosamente,

#3Ênio Padilha, Engenheiro, Brasília - DF

segunda-feira, 22 de setembro de 2008 - 14h28min

Prezados Pícoli e Antônio Ananias

Suas considerações são procedentes e nos levam a reflexões importantes e necessárias.
Obrigado por nos ajudar nessa discussão que eu considero muito importante neste ponto da história da Engenharia no Brasil.

Abraços

#4Prof Ms BENITES., professor, uruguaiana com mto orgulho rsrrs

segunda-feira, 22 de setembro de 2008 - 23h20min

Boa noite quanto tempo!Li, rimos e comentamos(Benites e ZEDA)nao so o artigo como a pessoa "PADILHA", e tomei a liberdade de registrar aqui uma pequena lembrança do amigo Benites. ABRAÇOS A FLIA prometo comentar seus artigos bem criticamente ate(... to bem craque nisso) rsrsr. valeu.

#5Ênio Padilha, Engenheiro, Brasília - DF

terça-feira, 23 de setembro de 2008 - 00h20min

Grande Benites. Que alegria recebê-lo aqui.
Mando um grande beijo pra Ieda e pras "crianças" que já devem estar formadas e bem maiores do que o pai e a mãe. Tenho ouvido falar muitas coisas boas a seu respeito. Sinto muito orgulho em dizer pra todo mundo que sou amigo desse grande professor que tantos aplaudem com entusiasmo.
Apareça sempre por aqui.
Grande abraço

Faça seu comentário

Favor, evite enviar links, pois seu comentário será recusado.

Seu IP: 18.206.13.39 (Identificação de seu computador na internet)

* campos obrigatórios
Compartilhe: 2273