ARQUITETURA

O QUE CONSIDERAR AO PROJETAR PARA CRIANÇAS

(Publicado em 19/09/2018)



Le Corbusier declarou em seu texto seminal, Towards a New Architecture, que “... o homem olha para a criação da arquitetura com seus olhos, que estão a 1,70 metros do chão”. Códigos lógicos e racionais como esse configuram os padrões para grande parte da produção arquitetônica - mas, é claro, essas "normas" são tão construídas quanto a própria arquitetura. Esse padrão em particular é especialmente irrelevante ao projetar para crianças, em que as premissas arquitetônicas centradas em adultos não se aplicam e nem devem ser aplicadas.

A partir de 2018, as crianças (ou seja, pessoas com 15 anos ou menos) passarão a representar 26% da população global, uma estatística que devemos apreciar, uma vez que os 100% foram, evidentemente, crianças em algum momento da vida. Embora haja uma infinidade de fatores que moldam o tipo de adultos que nos tornamos, a arquitetura que nos deparamos quando crianças - seja nas estantes de uma biblioteca onde brincávamos de esconde-esconde ou na maçaneta da porta em que ficávamos na ponta dos pés para alcançá-la - pode ter um grande impacto na nossa perspectiva do mundo. Ao projetar a arquitetura especificamente para crianças, estamos moldando essas perspectivas futuras e, portanto, torna-se vital tratarmos o processo com rigor e empatia.



Para obter mais informações visite archdaily

Faça seu comentário

Favor, evite enviar links, pois seu comentário será recusado.

Seu IP: 54.224.118.247 (Identificação de seu computador na internet)

* campos obrigatórios
Compartilhe: 8