AS CRISES EM PROGRESSÃO GEOMÉTRICA

(Publicado em 08/04/2020)





Imagine um cenário fictício em que um reino esteja sendo invadido por forças alienígenas.

A situação é a seguinte:

(a) O planeta invasor deixou apenas um guerreiro às portas do reino. E esse guerreiro, todas as manhãs, consegue se multiplicar gerando outro guerreiro, ou seja: no 1ª dia é um guerreiro, no 2ª dia são 2, no 3ª dia são 4, e assim por diante.

(b) O ataque inimigo começará assim que houver pelo menos 200 guerreiros

(c) O reino poderá resistir ao combate de até 800 guerreiros invasores. Um ataque inimigo com mais de 800 guerreiros conseguirá invadir o reino imediatamente.

(d) O reino possui arqueiros de elite que podem eliminar 30 guerreiros invasores por dia (não mais do que isso). Este é o número máximo de baixas que o reino poderá impor, por dia, ao exército inimigo

A pergunta é: quantos dias o comandante do reino pode esperar até iniciar a resposta à ameaça de invasão inimiga?




Se você aprendeu a calcular progressão geométrica (no meu tempo isso era ensinado no segundo ano do ensino médio) já sabe que o comandante tem apenas 6 dias para iniciar o ataque com chance de sucesso.

No sétimo dia o exercito inimigo já contará com 64 guerreiros e, mesmo que todos os arqueiros acertem seus alvos, ainda restarão 34. E no dia seguinte, serão 68.

Se, no dia seguinte, outros 30 guerreiros inimigos forem eliminados, ainda restarão 38, o que resultará em 76 no dia 9 e aí, como você já percebeu, a derrota é apenas uma questão de dias.

O que podemos aprender com o exemplo acima?
(1) Toda crise é (de alguma maneira) anunciada. Existe um tempo de resposta para praticamente qualquer problema anunciado;

(2) O fato de o inimigo ainda não estar atacando ou não estar causando danos visíveis não quer dizer que ele não existe ou que a ameaça não seja real;

(3) Resistir ao problema e manter as coisas como estão pode protelar a derrota, mas, se a resposta veio atrasada, a derrota é inevitável.

(4) O tempo de resposta efetiva pode ser muito curto ou muito confortável, Mas sempre existe. E existe uma diferença entre não saber o que fazer e não fazer o que precisa ser feito no tempo certo.

(5) Saber o que fazer e saber como fazer exige experiência e o conhecimento da teoria sobre o assunto, pois somente esse conhecimento profundo permite responder de maneira correta dentro do prazo correto;

E isto (é bom entender) embora se aplique à atual crise da Covid19, vale para todas as outras situações do seu negócio.





PADILHA, Ênio. 2020



DEIXE AQUI O SEU COMENTÁRIO

(todos os campos abaixo são obrigatórios

Nome:
E-mail:
Profissão:
Cidade-UF:
Comentário:

www.eniopadilha.com.br - website do engenheiro e professor Ênio Padilha - versão 7.00 [2020]

powered by OitoNoveTrês Produções

4448209

3