TEM COISAS QUE SÓ ACONTECEM COM ENGENHEIROS, ARQUITETOS E AGRÔNOMOS!


Na semana passada o Senador Marcelo Crivella, do PRB-RJ, cravou uma faca nas costas dos profissionais do sistema, ao apresentar uma emenda ao Projeto de Lei nº 123/06.

Eu explico: o Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia é, essencialmente, um grupo de pessoas que representa TODOS os profissionais do país. Esse grupo se reúne, em Brasília, todos os meses, com o objetivo de deliberar sobre normatização das profissões e outros procedimentos previstos nos "estatutos" da instituição.

A grande maioria dos profissionais imagina que essa representação é federativa. Parece óbvio. Se o Brasil tem 26 estados, mais o distrito federal, é mais do que razoável que o Confea tenha, pelo menos, um conselheiro para cada unidade da federação.

Mas não é isso o que acontece. Ainda está em vigor a lei do tempo em que o Confea foi criado, de tal maneira que ele tem apenas 18 conselheiros. Isto significa que, pelo menos 9 estados brasileiros não são representados no Confea. Como alguns desses conselheiros representam Instituições de Ensino ou segmentos profissionais (e não unidades da federação), acaba ocorrendo que o plenário do Confea tem hoje a representação de apenas 17 das 27 unidades da federação, estando de fora Espírito Santo, Goiás, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Bahia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Amazonas e Pará.

O tal Projeto de Lei 123/06 foi proposto pelo deputado Edson Ezequiel do (PMDB-RJ) e estabelece um representante por Estado, três pelas instituições de ensino superior e um representante das escolas técnicas. Evidentemente, uma representação mais justa. Uma unanimidade entre os profissionais.
Já havia sido aprovado pela Câmara dos Deputados e pela Comissão de Assuntos Sociais do Senado. O próximo passo seria a apreciação pelo plenário do Senado e, se aprovado sem emendas, seguiria direto para a sanção presidencial.

Dada a simplicidade do tema e a indiscutível justiça que a Lei representaria, contava-se que não haveria nenhuma objeção no senado e a aprovação poderia ser comemorada por engenheiros, arquitetos, agrônomos e demais profissões ligadas ao Confea como uma grande conquista!

Aí, "do nada", surge essa novidade: o Senador Marcelo Crivella (que até agora foi um dos maiores apoiadores do projeto) apresentou uma emenda ao projeto de lei, provocando (de propósito) um grande atraso no processo pois, mesmo que seja aprovado pelo Senado, o projeto deverá voltar agora para a Câmara, que atuará como casa revisora para que o projeto possa seguir para a sanção.

Difícil de entender essa atitude do Senador. Essa manobra atrasa uma conquista dos profissionais, que foi uma das unanimidades no 6º Congresso Nacional dos Profissionais da Área Tecnológica, realizado em novembro do ano passado

Tendo em vista que a tal emenda do senador trata de um assunto que pode ser resolvido tranqüilamente por resoluções internas do próprio Conselho Federal, resta a dúvida sobre as verdadeiras motivações de Marcelo Crivella.

Com certeza o objetivo não foi contribuir positivamente para o desenvolvimento da Engenharia, da Arquitetura e da Agronomia bem como das demais profissões do sistema profissional.

Uma Lástima!

[IMG-71-E]

.


(artigo_ep)



Comentário #1 — 18/02/2008 15:44

Patricia Lins — Arquiteta — Rio de Janeiro - RJ

Quando será que os ditos "nossos representantes" , que na verdade não o são , irão honrar os votos dos cidadãos ? Quando será que o Senador Marcelo Crivella , vai honrar o salário que ganha , visando o crescimento do profissionalismo ,da justiça , e consequentemente da Nação Brasileira que o sustenta ?

Comentário #2 — 18/02/2008 20:17

wilson laredode — eng. civil — são paulo

esse povo são todos canalhas, o confea só com 18 representantes isso fica facil para manipular as irregularidades que tem no sistema confea crea.Enquanto os engenheiros arquitetos agronomos não se juntarem em forma de equipe isso só vai ficar na não desse tipo de gente. temos que fazer algo mas tem que ser logo antes que pertemos a dignidade do nome de engenharia arquitetura e agronomia.

Comentário #3 — 19/02/2008 10:33

José Roberto Scarpetta Alves — Engenheiro Civil — Florianópolis -SC

O pior é que esse cara se formou em Engenharia Civil. Quer dizer, o idiota, no mínimo deveria saber a necessidade do projeto que se votava. Alguma força "do além" deve ter assistido o "$enador" para votar contra sua classe. Qual a intenção para um incompetente desses atrasar o processo que já estava quase liquidado? Só pode ser por dinheiro, por que, por motivação honesta não foi. Por ironia do destino esse imbecil tem um título de engenheiro.

Comentário #4 — 19/02/2008 14:20

Alberto Belchior — Engenheiro Mecânico — Fortaleza

Enio, por favor informa qual foi o teor da emenda?

Comentário #5 — 19/02/2008 16:53

Guilherme Bezerra — engenheiro civil — Curitiba

Realmente, mas isso vem da falta de união da nossa classe profissional que vem de anos.Politicamente, e historicamente somos pouco influentes quando se trata de impormos nossa força. Enquanto engenheiros e arquitetos(Que são mais ousados) não buscarem lideranças que realmente preocupam-se com a engenharia(seja ela qual for)e que da mesma forma tenham esse potencial politico, estaremos a mercê de situações como essas.

Comentário #6 — 19/02/2008 23:09

Ênio Padilha — Engenheiro Eletricista — Brasília-DF

Alberto
A emenda apresentada pelo senador diz que não está explicitado no Projeto de Lei 123 a participação dos Tecnólogos no rodízio de conselheiros federais.
Ocorre que nenhuma das profissões é explicitada no PL 123 que, na verdade, trata apenas da federalização do Conselho, ou seja: garante que cada uma das unidades da federação seja representada, SEMPRE.
Além disso, a participação dos tecnólogos seria assegurada por resoluções do próprio Conselho, como aconteceu com os Técnicos de Nível Médio.

Comentário #7 — 19/02/2008 23:20

Ênio Padilha — Engenheiro Eletricista — Brasília-DF

Guilherme
Nos últimos anos tem havido uma intensa "ação parlamentar" que, inclusive, produziu a chamada "Frente Parlamentar pela Engenharia, Arquitetura e Agronomia".
Essa força, ainda incipiente já está produzindo seus resultados. Um deles era justamente este Projeto de Lei 123, que seguia um curso legal, num ritmo muito bom. A ação ainda inexplicada desse Senador (ele se recusa a dar entrevistas para prestar esclarecimentos sobre a sua atitude) foi um balde de água fria nesse nascente progresso.

Comentário #8 — 20/02/2008 09:12

José Luiz Costa — Engenheiro Civil — Cruzeiro/SP

Aos meus colegas, é realmente incrível que situações como esta, ainda prevalecem. Sabedores nós que boa parte do PIB deste país, "passa" por nossas mãos, ainda não sabemos a força que temos...Mas dias melhores virão !

Comentário #9 — 20/02/2008 23:06

antonia aparecida — eng. civil — são paulo

analisando a fala dos colegas wilson laredode - eng. civil - são paulo do José Roberto Scarpetta Alves - Engenheiro Civil - Florianópolis -SC, Ênio Padilha - Engenheiro Eletricista - Brasília-DFquando diz "A ação ainda inexplicada desse Senador (ele se recusa a dar entrevistas para prestar esclarecimentos sobre a sua atitude) foi um balde de água fria nesse nascente progresso",a do engenheiro José Luiz Costa - Engenheiro Civil - Cruzeiro/SP não sei se vocês aconpanhavam mas vi pela enternet esse tal de Senador Marcelo Crivella, do PRB-RJ,não saia do confea. Isso mostra que os interesses são maiores mas para eles.
E ai vocês foram convidados para essa tal wec2008 onde vai correr o nosso dinheiro de profissional.Então é melhor ficarmos espertos enquanto é tempo vem ai as eleições do confea, é só começãr fazer um balanço onde vai o seu dinheiro.

Comentário #10 — 20/02/2008 23:41

sueli fonseca — Arquiteta — rio de janeiro

Analisando todos os depoimentos aqui exposto constatei que os colegas já estão começando a se preocupar com a nossa classe profissional. Mas para quem não viu estava navegando pelo sitio do CONFEA em ENCONTRO de LIDERANÇAS fui até súmulas entrei em “Súmula da segunda reunião do GT-Ética O encontro foi realizado no dia 11 de fevereiro de 2008, na sede do CONFEA.
"Na Ação 11 mostra o tal Senador Marcelo Crivela lá no CONFEA se mostrando que agora ele é bonzinho, mas é um safado, será que ele não tem vergonha na cara” “Na atividade 1 do dia 25 de fevereiro de 2008, referente ao “Encontro de Lideranças”, será incorporada à palestra sobre o PAC o debate da CBIC (desde que o Ministro confirme a presença), além da inserção da Frente Parlamentar pela Engenharia, convidando o Coordenador Senador Marcelo Crivela e o Deputado Federal Tadeu Filipeli. O tempo de 1h15min será distribuído em partes iguais para os dois temas. Responsável pelos contatos: Alceu”. E ai vocês acham que ele vai lá fazer o que?

Comentário #11 — 23/02/2008 11:31

José Luiz Costa — Engenheiro Civil — Cruzeiro - SP

E pensar, meus colegas que o senador/"bispo" Crivela é Eengenheiro Civil, formado no Rio/RJ...

Comentário #12 — 24/02/2008 23:06

Marcio Duarte — Engenheiro Civil — rio de janeiro

É bom pensar mesmo pois quem esta pagando a festa somos nos profissionais do Sistema Confea/Crea, e o Senhor senador bispo e engenheiro civil diz que é o da tal Frente Parlamentar pela Engenharia, que até agora não se viu nada de bom para os profissionais do sistema só esão ali mamando no sistema é uma vergonha, na hora de resolver as coisas para o bem ds categoria é essa vergonha. Sera que os profissionais não vão se unirem as eleições para presidente do confea e presidentes de creas sera de 4 de junho, sera que não vamos tomar vergonha na nossa cara e lutar pelo que é nosso?????????????? ACORDA PRFISSIONAIS DA ENGENHARIA ARQUITETURA E AGRONOMIA AGORDA.

Comentário #13 — 28/02/2008 18:00

Moacir de Souza — eng civil e segurança no trabalho — Petrolina PE

Infelizmente esses engepones e politicos são todos farinha do mesmo saco.

Comentário #14 — 05/03/2008 20:00

katarina marcia fleury — Engenheiro Civil — são paulo

É as eleições estão ai dia 4 de junho e nos profissionais podemos mostrar o nosso descaso pelos presidentes de creas e do confea. E mostrar que o dinheiro deste sistema tem dono não é só deles não então plha bem onde poe a mão.

Comentário #15 — 06/03/2008 15:33

Frederico Gonçalves — Engenheiro de Telecomunicações — Rio de Janeiro

É visível que o problema não é o Crivela, ou a mudança no número de conselheiros que é uma questão de tempo mas ocorrerá, e sim as eleições do CONFEA.

Dessa forma vamos observar quem são os candidatos e votar corretamente para mudar esse quadro e termos um sistema CONFEA de verdade.

Comentário #16 — 06/03/2008 16:46

Rafael Amorim dos Santos — Técnico Edificações — Rio de Janeiro

Faço das minhas palavras ao do amigo frederico...


é visível que o problema não é o Crivela e sim as eleições do nosso CONSELHO FEDERAL ( CONFEA ) que na atual gestão se enconta inoperante e excludente!! vamos avaliar os candidatos ao CONFEA, assim como os candidatos aos respectivos creas..é de suma importância avaliarmos as propostas e a Origem dos candidatos... e gostaria de que a classe de técnicos também seja lembrada pelo nosso "querido presidente do CONFEA..."

DEIXE AQUI O SEU COMENTÁRIO

(todos os campos abaixo são obrigatórios

Nome:
E-mail:
Profissão:
Cidade-UF:
Comentário:

www.eniopadilha.com.br - website do engenheiro e professor Ênio Padilha - versão 7.00 [2020]

powered by OitoNoveTrês Produções

4444249

5