Notas de "COPA DO MUNDO"

15/07/2018

COPA DO MUNDO FIFA 2018



16/07/2018 - 18h00



EM 2022 SERÁ NO QATAR





A próxima Copa do Mundo Fifa, em 2022, será realizada no Qatar, entre 21 de novembro e 18 de dezembro.

O Mundial será realizado em oito estádios — quatro deles são em Doha (Khalifa International Stadium, Qatar Foundation Stadium, Ras Abu Aboud Stadium e Al Thumama Stadium. Também haverá jogos em Lusail (palco da abertura e da final), Al Khor, Al Wakrah e Al Rayyan.

Ainda não sei quais serão os horários dos jogos, mas sabemos que o fuso horário do Qatar é o mesmo de Moscou. Portanto, é certo que os jogos serão realizados durante o dia (no horário de Brasília)



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br

Leia aqui todos os textos publicados sobre a Copa do Mundo Fifa 2018

23/05/2018

TEORIAS DE CONSPIRAÇÃO

(Publicado em 24/06/2014)



Fico preocupado quando vejo pessoas inteligentes (como os engenheiros e arquitetos, por exemplo) dando atenção a teorias de conspiração como as que procuram chifre em cabeça de cavalo nos resultados das Copas do Mundo.





Pra esse povo recomendo a leitura do livro O ANDAR DO BÊBADO, do Leonard Mlodinov, que trata da aleatoriedade sob a ótica da matemática (estatística e probabilidade). AQUI tem uma resenha muito bacana escrita pela Lígia Fascioni.

Então, matematicamente falando: em 19 Copas do Mundo o Brasil venceu 5. Ou seja, pouco mais de 25%. Significa que, à cada 20 anos espera-se que o Brasil vença uma Copa.

Mas alguns brasileiros (otimistas demais) acreditam que o Brasil só perde uma Copa do Mundo se houver alguma conspiração internacional por trás.
É muita arrogância, né não?

Outros (pessimistas demais) acham que o Brasil só pode ganhar uma Copa do Mundo (jogando em casa e com o apoio da torcida) se tiver uma maracutaia com a Fifa.

Nenhuma das duas coisas faz sentido.

Eu acompanho o Brasil em Copas do Mundo desde 1970 e, nesses 40 anos, a única vez que a seleção perdeu a copa com um time que merecia ganhar foi em 1982. Todas as outras vezes (em que o Brasil perdeu a Copa) a seleção era apenas um bom time, que poderia vencer ou não. Qualquer resultado seria razoável.

Na Copa do Mundo o Brasil é apenas um competidor. Um dos mais fortes, é verdade. Quase sempre um dos favoritos. Mas apenas um competidor. Ganhar ou perder faz parte do pacote.

Entretanto, o fator mando de campo pode pesar a nosso favor desta vez: de todos os países que já foram Campeões do Mundo (Uruguai, Italia, Alemanha, Brasil, Inglaterra, Argentina, França e Espanha) só a Espanha (em 1982) e o Brasil (em 1950) não venceram pelo menos uma vez em casa.

Se o Brasil perder, será a única seleção (campeã do mundo) a perder o título em casa duas vezes. Difícil, né?

E, no caso da Espanha (a teoria da conspiração corrente entre os espanhóis é de que havia uma armação da Fifa para o Brasil vencer a Copa) a coisa beira o ridículo: a Espanha venceu apenas UMA Copa do Mundo das 19 que foram disputadas até aqui. E venceu aos trancos e barrancos, ganhando as partidas (TODAS) por 1 x 0.
Tomou um "sapeca iáiá" na final da Copa das Confederações do ano passado...
... e os caras achavam mesmo que estavam com essa bola toda? Que só perderiam esta Copa se "algo muito estranho" acontecesse?
Ah, me economize!



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br



---Padilha, Ênio. 2014





(Publicado em 26/06/2014)



Você que acha que a Fifa manipula resultados para beneficiar A ou B? Pense um pouco. Raciocina comigo: o que é que move a Fifa? É o amor pelo Futebol? Claro que não. É o dinheiro.

A Fifa é uma instituição dinheirista. E, pelo que se vê, rola corrupção também. Corrupção da grossa. Mas uma coisa não se pode negar: eles são inteligentes e têm estratégia muito bem definida. A estratégia da Fifa é "ampliar o mercado do futebol para muito além daqueles já dominados" que são Europa e América do Sul. É só olhar o que eles fizeram nos últimos 40 anos. A estratégia está muito clara.

Então, se a Fifa pudesse manipular os resultados da Copa do Mundo, quem você acha que seria beneficiado? Inglaterra? Espanha? Brasil? Costa Rica? Chile? Claro que não. O que é que a Fifa ganharia com isso? "Dar" a Copa do mundo a uma dessas equipes não representaria nenhum aumento do mercado de Futebol em nenhum desses países.

Agora, imagina se o futebol chegasse com força na China? Na India? nos Estados Unidos?

Neste ano, por exemplo, os jogos dos EUA na Copa alcançaram a espetacular audiência de 25 milhões de telespectadores (mais do que os 15 milhões da final da NBA, mas ainda distante dos 111 milhões do Superbowl - a final do campeonado de futebol americano). Então, para a Fifa o melhor que poderia acontecer seria que a Copa 2014 fosse vencida pelos EUA. Ou vocês acham que quadruplicar a audiência num pais com o potencial econômico como os EUA não é um bom negócio?



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br





(Publicado em 28/06/2014)



O Brasil tem de ir pro Procom. Venderam a copa pra gente mas esqueceram de avisar o México, o Chile, o juiz de hoje e o juiz do primeiro jogo (que cravou um cartão amarelo no nosso melhor jogador)

Os teóricos da Conspiração (aqueles que afirmam, com a certeza dos sábios, que esta Copa está comprada) devem ter passado um susto com este jogo entre Brasil e Chile.

O juiz deixou de dar um pênalti para o Brasil, anulou um gol do Brasil e a coisa acabou numa dramática disputa de pênaltis.

Acho que alguns deles devem estar revendo suas posições. Porque, de uma coisa temos certeza: eles tiveram de torcer desesperadamente pelo Brasil hoje (para que a teoria deles não fosse por água abaixo). E, vamos combinar, não tá fácil torcer por este time.

O que eu tenho dito sempre: na Copa do Mundo o Brasil é apenas um competidor. Um dos mais fortes, é verdade. Quase sempre um dos favoritos. Mas apenas um competidor. Ganhar ou perder faz parte do pacote.

Entretanto, nesta Copa, no Brasil, o fator mando de campo pode pesar a nosso favor: de todos os países que já foram Campeões do Mundo (Uruguai, Italia, Alemanha, Brasil, Inglaterra, Argentina, França e Espanha) só a Espanha (em 1982) e o Brasil (em 1950) não venceram pelo menos uma vez em casa.

Se o Brasil perder, será a única seleção (campeã do mundo) a perder o título em casa duas vezes. Difícil, né?



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br






(Publicado em 09/07/2014)



Um legado positivo que teremos desta Copa do Mundo 2014 é o enterro definitivo das Teorias de Conspiração envolvendo a Copa do Mundo.

É difícil imaginar que Alemanha x Argentina seja a final dos sonhos da Fifa ou do Governo do país sede. E, no entanto, é o que temos para domingo, dia 13/07/2014.

Depois dos 7 x 1 da semifinal contra a Alemanha fica mais fácil entender os 3x0 contra a França em 1998; fica mais fácil entender a eliminação para a Holanda em 2010; e o título conquistado em 2002 não parece nenhuma armação oculta.

É tudo normal. Tudo do jogo.

A Copa do Mundo é um evento tão sensacional, que qualquer que seja o resultado ela não perde o fascínio. A Fifa não precisa produzir nenhum resultado para melhorar interesse das pessoas pela competição



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br




---Padilha, Ênio. 2014

Deixe aqui seu comentário

22/05/2018

MEGA SALÁRIOS

(Publicado em 11/07/2014)



Atenção, você, que está compartilhando infográficos questionando os salários dos jogadores da seleção brasileira de futebol. Eu tenho uma reflexão para propor.





Tome por exemplo você. Isso, você mesmo. Qual é a sua profissão? O que você faz para viver? Você é o melhor no que faz na sua empresa? Que ótimo! Parabéns.

Se houvesse uma competição entre todos os profissionais do seu ramo, na sua cidade (e a sua mãe não estivesse na banca de jurados) você seria considerado o melhor da sua cidade? Ótimo! Então já sabemos que você não ganha pouco.

E se for feita uma lista dos dez melhores da sua área, no Brasil, você estará nesta lista? Sério? Que bacana. Isto significa que muitas empresas querem você. E você já está podendo recusar propostas muito interessantes. Parabéns.

Agora vamos falar do Campeonato Mundial da sua atividade profissional. Você foi convocado? Você está no time dos grandes nomes da sua profissão? É conhecido e reconhecido no mundo inteiro pela qualidade do seu trabalho?

Então você deve saber quanto ganha o pessoal do topo. Diz aí: na sua área de atuação profissional, um profissional de qualidade mundial, com o trabalho reconhecido e desejado em qualquer país do mundo, líder no seu mercado (no mundo!) que produz resultado para os seus empregadores... diga lá, quanto ganha?

Quanto ganha qualquer um dos 20 melhores escritores do mundo? Quanto ganha qualquer um dos 20 melhores cirurgiões do mundo? Qualquer um dos 30 melhores arquitetos do mundo?

Você tem noção de qual é o salário do cinco executivos mais bem pagos no mundo? dá uma olhada:

1. Aubrey K. McClendon
-- Presidente da Chesapeake Energy: R$ 20,8 milhões/mês
2. Sanjay K. Jha
-- CEO da Motorola: R$ 19,3 milhões/mês
3. Lawrence J. Ellison
-- CEO da Oracle: 15,6 milhões/mês
4. Richard C. Adkerson
-- Presidente da Freeport McMoRan Copper & Gold: R$ 13,4 milhões/mês;
5. Bob R. Simpson
-- Presidente do Conselho da XTO Energy: 9,9 milhões/mês;
(Fonte: Revista Fortune/Infomoney)

É claro que esses números aí são extremos, de uma das áreas mais bem pagas do mundo. Mas dê uma olhada nisso:

• Na fórmula 1, um piloto de ponta, como o espanhol Fernando Alonso ou Lewis Hamilton recebem R$ 5,4 milhões/mês;
• Um astro do cinema pode ganhar (e geralmente ganha) mais de R$ 5 milhões/mês;
• Um jogador de futebol americano (como Peyton Manning, do Broncos) ganha entre R$ 4 e 7 milhões/mês;
• Uma top model como Gisele Bundchen fatura R$ 1 milhão/mês;
• Um neurocirurgião de ponta (nível de Copa do Mundo) ganha R$ 1 milhão/mês;
• Os principais apresentadores da televisão Brasileira ganham entre 1 e R$ 4 milhões/mês.

O foco, aqui, é o seguinte: NÃO É FÁCIL SER UM DOS MELHORES DO MUNDO, seja no que for. E os melhores do mundo costumam ter remuneração altíssima, principalmente se o seu trabalho produz algo de interesse público e de consumo de massa. E os jogadores da Seleção Brasileira de Futebol são profissionais desse nível. Não há como negar isso.

Portanto, você pode gritar e espernear à vontade. Mas não pode dizer que esses salários são injustos, fora da realidade e muito menos (como eu li por aí) imorais...



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br



---Artigo2014 ---CopadoMundo ---Administração


Comentário do Ênio Padilha

E, para sermos justos, se quiser comparar os salários de professores com salários de jogadores de futebol, seria interessante utilizar o raciocínio proposto pelo artigo acima e ver em que divisão esse professor jogaria, se tivesse o mesmo desempenho como jogador de futebol.

Ou seja, a pergunta é: Qual é o salário médio dos 11 melhores professores do Brasil?

Deixe AQUI seu comentário:

09/07/2014

MUITA MOTIVAÇÃO, MUITA EMOÇÃO... E POUCO FUTEBOL.

(Publicado em 29/06/2014)



Nossos jogadores estão muito motivados, muito emotivos... mas o futebol, que é bom, não está aparecendo. Parece que o Felipão é adepto das técnicas consagradas de alguns desses gurus da motivação e auto ajuda. Isto está me lembrando de 2000, nos Jogos Olímpicos de Sidney, quando o COB contratou um famoso palestrante de auto ajuda para trabalhar na preparação dos atletas. O fracasso da delegação brasileira foi tão retumbante que, alguns dias depois, eu escrevi o seguinte artigo:





AMARELOU, SIM SENHOR!



(Publicado em 29/09/2000)



Depois desse fracasso retumbante da delegação brasileira em Sidney, parece não haver dúvidas: sobrou para o Shinyashiki. Aliás, não só para ele. Sobrou para todo mundo que ganha dinheiro fácil explorando esse verdadeiro flagelo nacional que é a onda de palestras e livros de motivação pessoal e auto ajuda.

O desempenho pífio da delegação brasileira em Sydney serve, ao menos, para demonstrar que no esporte, assim como na vida, não existe mágica, nem milagres. E que medalhas olímpicas não se conquistam apenas com a força do pensamento positivo.

O amigo leitor me responda, por favor. O que é mais difícil: caminhar, literalmente, sobre brasas ou vencer um adversário que já o enfrentou muitas vezes e perdeu sempre?

Você, com certeza, já sabe do que estamos falando: na primeira semana de agosto, pouco antes de a delegação brasileira iniciar viagem para a Austrália, Roberto Shinyashiki (um consagrado autor brasileiro de livros de auto-ajuda e motivação pessoal) deu uma palestra para os atletas, por sugestão do COB. O tema foi “Transformando o Sonho em Medalhas”. No final, ele pediu que os atletas andassem sobre brasas. E os atletas andaram sobre brasas. O resto da história você conhece bem. Deu na televisão, nos jornais e na Internet:

Futebol Masculino, Tênis, Volei de praia (masculino e feminino), Volei de quadra (masculino e feminino) e Futebol Feminino, além de alguns “destaques” individuais na natação e no atletismo foram eliminados dos jogos ou obtiveram resultados muito abaixo do esperado, enfrentando adversários historicamente inferiores. Acabaram mostrando que, quando o assunto é Jogos Olímpicos” a conversa é muito mais séria. Não adianta ter uma preparação ineficiente, dar aos atletas uma atenção inadequada durante quatro anos e depois querer resolver tudo com uma pirotecnia de motivação pessoal.

O Doutor Shinyashiki deu entrevistas afirmando que “o Brasil não amarelou”. E analisou cada caso, dando explicações sobre os “verdadeiros” motivos das derrotas.

Sobre o volei masculino, por exemplo, ele disse que “a explicação é simples: hoje, todos os times têm estatísticas sobre os adversários. Por causa disso é cada vez mais difícil jogar. Se você não tiver jogo sobrando, vai ter problemas. É triste constatar isso, mas, do ponto de vista estratégico, a Argentina esteve perfeita. Eles mapearam todas as nossas possibilidades de ataque e se prepararam.”

Ah, bom. Quer dizer então que o negócio não é “acreditar no improvável”? (tese de Shinyashiki que justificou a ideia das brasas na palestra de agosto). Quer dizer, então, que continua valendo a velha tese de que o melhor mesmo é estar preparado (bem preparado) para o “provável”?

Bom, se é assim, continua valendo a teoria de que “a melhor preparação psicológica que um atleta pode receber são as condições físicas (alimentação, moradia digna, acompanhamento médico e odontológico) para enfrentar o treinamento. Muito treinamento”. A certeza de estar bem preparado para um desafio é muito mais eficiente do que qualquer recurso mágico transcendental.

Eu fui atleta (atletismo) durante 10 anos. Acompanho os Jogos Olímpicos pela TV e pelos jornais desde 1972 (Munique). Sou apaixonado pelos jogos e sempre fui o primeiro a defender os atletas contra as cobranças injustas que a imprensa e a torcida brasileira fazem.

Este ano, porém, junto-me ao coro dos descontentes. É duro ver os atletas brasileiros com um retrospecto altamente positivo, competindo contra adversários reconhecidamente inferiores e perdendo as disputas decisivas por puro “amarelão”.

É preciso que se faça alguma coisa. Precisamos nos preparar direito. E eu digo isto incluindo todos nós, não apenas os atletas.

A torcida, os jornalistas, os dirigentes todos nós precisamos aprender a conviver com o favoritismo. Precisamos aceitar a ideia de que podemos ser melhor (de verdade) em muitas coisas. Precisamos parar com essa bobagem de supervalorizar as conquistas casuais, as vitórias inesperadas, o campeão que surpreendeu a todos. O atleta que vence uma grande competição quando ninguém esperava nada dele é, potencialmente, um atleta que vai “amarelar” quando estiver na condição de favorito absoluto.

Precisamos aceitar sem ressalvas a aparente arrogância dos atletas auto suficientes, que se garantem e que (isto é importante) vencem, sempre que são favoritos.

Joaquim Cruz, Nelson Piquet, Michael Johnson, Romário e tantos outros já foram discriminados pela imprensa e pela torcida apenas por que apresentam esta importantíssima característica.

Mas se você prefere aqueles atletas bonzinhos, sorridentes, “humildes” e nunca dizem “eu sou o melhor”, contente-se com medalhas de “honra ao mérito” e compartilhe com eles as dores das derrotas, quando o desafio for realmente grande.



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br



---Artigo2014

Deixe AQUI seu comentário:

09/07/2014

ALEGRIA ALEMÃ

Vídeo produzido pela Federação Alemã e publicado no dia 06/07/2014 para comemorar os primeiros 28 dias no Brasil - na Bahia!



Vídeo proibido pelos autores da música utilizada




Fonte:
site da Federação Alemã de Futebol: https://tv.dfb.de/video/28-tage-brasilien/8891
Música: Tieta (Caetano Veloso)
Artista: Margareth Menezes.

Comentário do Ênio Padilha

O vídeo que a Federação Alemã de Futebol publicou (e que foi festejado por milhões de internautas em todo o Brasil) foi tirado do ar porque a música utilizada (Tieta, cantada por Margareth Meneses) é do Caetano Veloso. A empresária do artista, Paula Lavigne questionou o fato de não terem sido consultados.

IMPORTANTE: é justo que o autor da música reclame os seus direitos sobre o uso da sua obra. Isto não pode ser questionado.

Não sabemos em que termos a empresária Paula Lavigne interpelou a Federação Alemã de Futebol. Se, por exemplo, ela pediu (exigiu) que o nome do compositor e da cantora apareçam no vídeo, considero muito justo.

Se, por outro lado, ela pleiteou remuneração financeira pelo uso da música, vejo aí, não apenas uma manifestação de mesquinharia como também uma falta de senso de marketing.

Mesquinharia porque está evidente que a Federação Alemã não está embuída do espírito de explorar o Brasil ou os brasileiros. Basta ver como eles abriram a mão, os corações (e os bolsos) em favor da comunidade que os recebeu na Bahia.

Falta de senso de marketing porque numa relação de quem ganha mais nesse episódio é claro que Margareth Meneses e Caetano Velozo ganham muito mais por ter sua obra mostrada para bilhões de internautas no mundo inteiro, embalados pelo sucesso que o time da Alemanha está fazendo.

Enfim, aguardemos notícias

05/07/2014

SOBRE O USO POLÍTICO DAS TRAGÉDIAS

(Publicado em 05/07/2014)



Fato 1: um viaduto em fase final de construção caiu em Belo Horizonte;

Fato 2: era uma obra da Copa do Mundo

Fato 3: contratada pelo RDC (o Regime Diferenciado de Contratação), a obra estava atrasada e (muito provavelmente, por causa disso) não estava cercada de todos os cuidados que a técnica e a segurança exige.

Fato 4: no dia seguinte os jornais publicaram manchetes, afirmando, basicamente, o seguinte: "Obra inacabada da Copa do Mundo cai e duas pessoas morrem em Belo Horizonte"

Fato 5: imediatamente a "tropa de choque" do governo entrou em cena, falando em "Canalhice da Mídia Golpista" e do "uso político da trajédia" e uma tentativa de "acabar com a imagem da Copa do Mundo". E mais, chamando atenção para o fato de que o prefeito de BH é do PSB e que o governador de Minas Gerais é do PSDB;



MINHA OPINIÃO:
Não importa se o prefeito, o governador ou o presidente é desse ou daquele partido (e isto não está dito nem insinuado nas capas dos jornais mostrados).

Mas o pessoal que defende o governo quer o que? Que a mídia não diga o que está sendo dito nas manchetes dos jornais mostrados na ilustração? Que a mídia seja desonesta? Que tenhamos um Brasil cheio de "Cartas Capitais"?

Onde estão as mentiras nas capas dos jornais mostrados?

O governo quer virar todos os fatos à seu favor. Deveria haver limites.

IMPORTANTE: Nesses sete anos, Vi muitas matérias, artigos e reportagens à favor da Copa do Mundo publicadas na Folha, no Estadão, Na Globo, na GloboNews, na Veja...

Não sei de onde tiraram essa de que essa mídia SÓ falou contra a copa? Queriam que nunca fosse publicado NADA contra a Copa do Mundo? Acreditam mesmo que os estádios teriam ficado prontos se não tivesse havido pressão da imprensa e da Fifa? Acreditam que a segurança nos estádios teria esse nível de cuidado se não tivesse havido os alertas da imprensa?

Eu, por exemplo (que certamente já estou sendo considerado um coxinha reacionário). Olha quantas vezes eu escrevi no meu site defendendo a Copa do Mundo.

E eu escrevi, em 2010, que os estádios iriam ficar prontos e a Copa em si (os jogos e a festa) seria ótima. Nesse caso, como eu sou parte dos coxinhas manipulados pela mídia golpista, o meu apoio de sete anos à Copa do mundo não é considerado?

Muito conveniente, né?

OUTRA COISA: acho mesmo que o governo e seus defensores deveriam estar envergonhados. A organização da Copa falhou, sim. E muito!

Obras atrasaram. Obras foram superfaturadas. Obras ficaram inacabadas.
Os estádios ficaram prontos aos 49 do segundo tempo. Os aeroportos (e nem todos) ficaram prontos aos 49 do segundo tempo. Alguns, como em Fortaleza, estão funcionando com vergonhosos puxadinhos (eu vi pessoalmente. Não li na tal "mídia reacionária"); A maioria das obras de mobilidade urbana não ficaram prontas. Muitas delas nem foram iniciadas...

O sucesso da copa se deve, fundamentalmente aos fatores sobre os quais o governo não tem nenhum poder ou responsabilidade: a qualidade dos jogos, a segurança nos estádios, a hospitalidade dos brasileiros e os interesses econômicos das empresas de comunicação que compraram os direitos de cobertura do evento no mundo inteiro.

O governo está pegando uma carona vergonhosa nisso. E tentando fazer de conta de que fez a sua parte. Não fez! Não fez!

Este terrível acidente de Belo Horizonte é consequência direta disso: o RDC criado por conta dos atrasos na organização resulta em obras com pouca (ou nenhuma) fiscalização. Isso é criminoso! Além de ser um terreno fértil para a corrupção.

Eu já disse, diversas vezes: se a Copa do Mundo fosse realizada no Governo do Fernando Henrique o resultado teria sido igual. Porque os problemas que nós tivemos não são problemas do PT ou do PSDB. São problemas do Brasil. Infelizmente, nós, os brasileiros não temos o senso do planejamento e da responsabilidade.

Não deveríamos estar politizando estas questões. Deveríamos, isto sim, fazer uma mea culpa nacional.

A Copa do Mundo é um Sucesso? Imagina se a gente soubesse fazer as coisas direito.

Se esta corrente de OBA-OBA de que essa é a "COPA DAS COPAS" vencer essa parada, nós continuaremos a chegar apenas no resultado mínimo. Continuaremos a ser o país que nunca explora completamente o seu potencial, Porque se contenta com o "mais ou menos".

Nós podemos mais. Poderíamos ter feito uma Copa do Mundo excepcional. Mas estamos felizes com uma Copa do Mundo ótima.

E ainda queremos tirar partido político disso. Coisa triste!



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br



---Artigo2014 ---CopadoMundo ---Política

Deixe AQUI seu comentário:

03/07/2014

A QUEDA DO VIADUTO E A COPA DAS COPAS

(Publicado em 03/07/2014)



A queda do Viaduto em obras na cidade de Belo Horizonte certamente irá baixar, em parte, o fogo das pessoas que estão empolgadas com a tese da COPA DAS COPAS.

Eu disse aqui, no dia 19 de junho (no artigo "COMEÇOU O OBA-OBA"): "A Copa do Mundo está acontecendo (e, cá pra nós, está sensacional!). E já começaram a pipocar os posts com tese de que "Deu tudo certo. Vencemos! Estavam errados os que duvidaram de nós".

Devagar com o andor, gente!

Este terrível acidente vai fazer com que as pessoas não esqueçam que muitas obras da Copa do Mundo (como era o caso desta) não só não ficaram prontas como também, por terem demorado demais para serem iniciadas, não foram cercadas de todos os cuidados recomendados pela técnica e pela segurança.

Esta obra, que integra uma das linhas do BRT criadas para a Copa, é financiada pelo Governo Federal através do PAC da Copa.



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br




---Artigo2014

Deixe AQUI seu comentário:

03/07/2014

ARQUITETURA E ENGENHARIA NOS ESTÁDIOS BRASILEIROS PARA A COPA DE 2014 EM LIVRO

Reunir em uma única obra o histórico da modernização e da construção dos 12 estádios para o Mundial de 2014, desde a concepção dos projetos. Esta é a proposta do livro Arenas do Brasil - Arquitetura e engenharia nos estádios brasileiros para a Copa de 2014, publicado pela Editora Mandarim.

Os projetos dos 12 novos estádios brasileiros construídos para a Copa do Mundo são apresentados neste livro, que conta com artigos, entrevistas, desenhos técnicos e dezenas de fotos. O lançamento acontece amanhã, 03 de julho, no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo. Em 292 páginas, o livro documenta as ideias, as histórias e os problemas por trás do desafio de erguer as 12 modernas arenas que são hoje palcos dos movimentados jogos da Copa no Brasil. A edição inclui textos, memoriais descritivos, desenhos técnicos, dezenas de imagens, além de entrevistas com arquitetos e engenheiros responsáveis por projetar e gerenciar as obras desses equipamentos esportivos.

Arenas do Brasil dedica ainda uma seção à história dos estádios desde a primeira Copa do Mundo, no Uruguai, em 1930, até os dias atuais; e outra seção às primeiras ideias para os novos estádios nas 17 cidades candidatas a sediar a Copa de 2014 no Brasil.



Clique sobre a imagem ou AQUI para obter mais informações no site archdaily

Comentários?

02/07/2014

CURIOSIDADES DA COPA DO MUNDO


A MÉDIA DE GOLS



Confira o número de gols marcados em Copas do Mundo

1930 - Uruguai
70 gols em 18 jogos (3,89 por partida)

1934 - Itália
70 gols em 17 jogos (4,12 por partida)

1938 - França
84 gols em 18 jogos (4,67 por partida)

1950 - Brasil
88 gols em 22 jogos (4,00 por partida)

1954 - Suíça
140 gols em 26 jogos (5,38 por partida)

1958 - Suécia
126 gols em 35 jogos (3,60 por partida)

1962 - Chile
89 gols em 32 jogos (2,78 por partida)

1966 - Inglaterra
89 gols em 32 jogos (2,78 por partida)

1970 - México
95 gols em 32 jogos (2,97 por partida)

1974 - Alemanha Ocidental
97 gols em 38 jogos (2,55 por partida)

1978 - Argentina
102 gols em 38 jogos (2,68 por partida)

1982 - Espanha
146 gols em 52 jogos (2,81 por partida)

1986 - México
132 gols em 52 jogos (2,54 por partida)

1990 - Itália
115 gols em 52 jogos (2,21 por partida)

1994 - Estados Unidos
141 gols em 52 jogos (2,71 por partida)

1998 - França
171 gols em 64 jogos (2,67 por partida)

2002 - Japão e Coréia do Sul
161 gols em 64 jogos (2,52 por partida)

2006 - Alemanha
147 gols em 64 jogos (2,30 por partida)

2010 - Africa do Sul
145 gols em 64 jogos (2,27 por partida)

2014 - Brasil (em andamento. Até o final das oitavas de final)
154 gols em 56 jogos (2,75 por partida)

Clique AQUI para ver outras curiosidades
e deixe seus comentários:

02/07/2014

HAVERÁ LEGADO, SIM (4) - OS AEROPORTOS

(Publicado em 01/07/2014)



Leia também:
VAI TER LEGADO, SIM (1), que analisa a questão da construção dos estádios em Manaus, Cuiabá e Brasília;
VAI TER LEGADO, SIM (2), que fala do impacto que os novos estádios irão causar no futebol do país;
VAI TER LEGADO, SIM (3), que fala de um legado possível (mas não garantido): o Padrão Fifa;



É preciso ter muita má vontade para não admitir que os aeroportos brasileiros (especialmente os das cidades sedes) tiveram melhorias consideráveis.

E, para os que defendem a tese de que "isso é apenas um dever do estado" e que "essas melhorias deveriam ser feitas independentemente de haver ou não a Copa do Mundo" eu digo o seguinte: ok, deveria ser assim. Mas... se vamos falar de sonhos, eu também tenho um sonho: que o Camboriú FC consiga a vaga para a série A do Campeonato Brasileiro!

Ou seja: sem a urgência produzida pelo evento Copa do Mundo os investimentos feitos nos aeroportos brasileiros seriam feitos à conta-gotas ao longo, talvez, dos próximos 15 ou 20 anos. Então, no mínimo, antecipamos essas melhorias em 15 anos. Não deixa de ser bom (quem usa aeroportos com certa frequência certamente sabe do que eu estou falando).

Vamos ver, por exemplo, quanto tempo vai levar até ficar pronto o novo terminal e o acesso ao aeroporto de Florianópolis, que não era uma das obras da Copa do Mundo.

A ampliação e modernização dos aeroportos brasileiros é, sem dúvida, o maior legado da Copa do Mundo no país. Foram cerca de 8,5 bilhões de reais investidos. A capacidade foi ampliada em 70 milhões de passageiros por ano (aumento, nada desprezível, de 32,6%).

A nota negativa, no caso dos aeroportos, vai para o "puxadinho" do aeroporto de Fortaleza, onde as obras do terminal de passageiros sequer foram iniciadas.

Nesses últimos três anos estive em todos os aeroportos das cidades sedes. E todos estavam envolvidos em grandes obras. Agora, no segundo semestre, quando retomarei as viagens, espero encontrar menos obras e mais aeroportos tinindo de bons. E as informações que eu tenho recebido são muito positivas.



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br



(Este artigo está em construção. Nos próximos dias publicaremos outros tópicos desta análise)




---Artigo2014

Deixe AQUI seu comentário:


1 2 3 4 5 6 »