Notas de "COPA DO MUNDO"

02/07/2014

CONSTRUÇÃO CIVIL TEM IMPACTO MODERADO COM A COPA 2014

Redução nos investimentos em mobilidade urbana trouxe impacto menor que o desejado ao setor
Nos últimos sete anos a Copa 2014 foi responsável por grande parte dos investimentos em infraestrutura de mobilidade urbana, aeroportos, portos e os estádios que estão recebendo as partidas do Mundial. De acordo com dados do Sinaenco (Sindicato Nacional de Arquitetura e Engenharia) até agora já foram investidos mais de R$ 20 bilhões no setor para a realização do megaevento.
Principal insumo para construção civil e presente em 98% das obras do Mundial, a cadeia produtiva do concreto apresentou um crescimento de 80% nos últimos cinco anos e o aumento do concreto preparado em centrais foi de 180%.



Clique sobre a imagem ou AQUI para obter mais informações no site brasilengenharia

Comentários?

01/07/2014

HAVERÁ LEGADO, SIM (3) - O PADRÃO FIFA

(Publicado em 28/06/2014)



Leia também:
VAI TER LEGADO, SIM (1), que analisa a questão da construção dos estádios em Manaus, Cuiabá e Brasília;
VAI TER LEGADO, SIM (2), que fala do impacto que os novos estádios irão causar no futebol do país;



Uma das coisas que mais me incomodou nas discussões que aconteceram nesses últimos dois anos (2013 e 14) foi a maneira jocosa e com que as pessoas se referiam ao chamado "padrão Fifa".

O secretário geral da Fifa, Jérôme Valcke, em entrevista ao canal Sportv explicou o que é o Padrão Fifa: "trata-se de um alto padrão de qualidade e excelência em todos os níveis. A Copa do Mundo envolve muitas pessoas, de diversos países, e exige que seja entregue um produto de grande qualidade. O evento é organizado uma vez a cada quatro anos. São as 32 melhores equipes do mundo. Um bilhão de pessoas assistindo à final. Três milhões de pessoas nos estádios etc, etc. Quando temos estes números, temos que fazer o melhor. Não podemos desapontar as pessoas. Elas esperam o melhor tanto dentro do campo, quanto nas cidades. Querem se divertir quando vierem para o Brasil. Por isso pedimos muito, pedimos o melhor. Por isso nosso padrão é tão alto.

Quem aí pode negar que uma parte significativa do sucesso desta Copa do Mundo se deve justamente ao chamado "Padrão Fifa"? Limpeza, segurança, conforto, pontualidade e informação com qualidade pré estabelecida. Quem não quer isso?

Tratar o conceito do "Padrão Fifa" como se fosse apenas um capricho idiota é apenas a manifestação de imaturidade empresarial que, infelizmente, ainda encontramos em muitos compatriotas. A alegria do brasileiro parece ser o "sucesso" através do improviso, do atalho, do jeitinho. O "padrão Fifa pressupõe a excelência, que se obtém com o melhor planejamento e a melhor execução.

O "Padrão Fifa" é um legado que eu não tenho certeza se ficará ou não (o tempo nos dirá). Mas eu gostaria muito que isto ocorresse.

Trazendo para a realidade do nosso trabalho, seria muito bacana, por exemplo, se os nossos projetos fossem entregues nos prazos previstos, se todo o detalhamento fosse claro e suficiente para a execução na obra e tudo seguisse as Normas vigentes; Seria ótimo se as obras sob o comando de Arquitetos e Engenheiros tivessem canteiros limpos e organizados, utilizando material de qualidade e respeitando as normas de segurança no trabalho.

Seria assim, tipo "Padrão Fifa"



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br



(Este artigo está em construção. Nos próximos dias publicaremos outros tópicos desta análise)




---Artigo2014

01/07/2014

A COPA DE 1958 NA RÁDIO GUAÍBA
(Egydio Hervé Neto)

(Dedico este texto à Rádio Guaíba, ao Engenheiro Homero Carlos Simon e ao Radialista Mendes Ribeiro. Deus os abençoe!)



Voltando um pouco no tempo e em nossa vida, lembramos a Copa de 58. Eu nasci em 48, a Copa de 50, graças a Deus, não lembro de nada... A de 54, com 6 anos, não lembro também. Mas na de 58 eu tinha 10 anos, gostava de futebol, torcia pelo INTER e adorava ouvir a Guaíba, a melhor Rádio que já conheci!

A Guaíba foi a responsável pelos brasileiros entrarem em uma Copa ao vivo. Dr. Homero Carlos Simon era o Engenheiro responsável pelos aspectos técnicos das transmissões e teve uma ideia que foi exclusiva e permitiu à Guaíba ser a primeira Rádio brasileira a transmitir direto o som da Copa de 1958, que foi na Suécia, para todo o Brasil.

Foi um trabalho fantástico! Como não haviam satélites e o som se propaga apenas em linhas retas, para dar a volta ao mundo da Suécia ao Brasil, foi necessário montar antenas bem altas, ao redor do planeta. E o caminho? Não era em linha reta, lógico! Afinal, no menor percurso tinha mais oceano e água do que terra e, óbvio, as antenas só podiam ser montadas em terra firme! Então imaginem descobrir os locais, pedir licença aos países, contratar as obras... ufa!

E depois testar tudo isto! Mas o melhor de tudo: sentar ao lado do rádio, no frio gostoso do inverno gaúcho e ouvir as transmissões dos jogos, com a voz do Grande Locutor Mendes Ribeiro! Ouvir que Pelé, o menino prodígio, abriu caminhos, passando pelos grandes jogadores da época! França, Inglaterra..., Rússia que se curvou aos dribles de Garrincha! Didi e sua " folha-seca" o percurso impossível e certeiro da bola desde seu pé, na marca da falta, até a rede, sem chances para o goleiro adversário, ao lado dos demais craques imbatíveis: Gilmar, Belini e De Sordi; Nilton Santos, Zito e Djalma Santos; Garrincha, Didi, Vavá, Pelé e ... Zagalo!
E a final contra a Suécia, donos da casa! Começamos perdendo! 1 a 0! Mas viramos! Espetaculares 5 gols, vitória por 5x2!

E o chiado da transmissão...? Pano de fundo brigando com o troar do Minuano, perfeito, para a tensão, a torcida, os gritos de "silêncio, silêncio!" seguidos do inesquecível, maior e mais importante berro que todos queríamos ouvir: "Gooooooollll..., do Brasiiiill!".

A chegada dos heróis ao Brasil e claro, a inesquecível taça Jules Rimet!



EGYDIO HERVÉ NETO
Engenheiro Civil - UFRGS/1971

Deixe AQUI seu comentário:

30/06/2014

HAVERÁ LEGADO, SIM (2) - OS NOVOS ESTÁDIOS / ARENAS

(Publicado em 30/06/2014)



Leia também:
VAI TER LEGADO, SIM (1), que analisa a questão da construção dos estádios em Manaus, Cuiabá e Brasília



Quando a Copa do Mundo acabar a Fifa não vai levar com ela os estádios. As novas arenas ficarão aqui e serão utilizadas pelos clubes brasileiros na disputa dos campeonatos estaduais e no Brasileirão (A e B), na Copa do Brasil, na Libertadores, etc.

E não há como negar: está estabelecido um novo nível de qualidade, conforto e beleza para o entendimento de arquitetos, engenheiros, dirigentes e torcedores sobre como deve ser uma praça esportiva. O Brasil não vai voltar ao que era. Tenho certeza de que todos os demais grandes estádios brasileiros a serem construídos, reformados ou reconstruídos terão esses estádios como referência.

Sou torcedor do São Paulo, que, até ontem tinha um dos maiores e melhores estádios do Brasil. Agora vejo torcedores do São Paulo (de alto quilate, até sócios e conselheiros) já falando em demolir o Morumbi para construir "um estádio de verdade!".

Cadeiras numeradas, ver o jogo a seis metros do campo, lanchonetes de qualidade, acessos confortáveis, cobertura das arquibancadas, acústica caprichada, iluminação de primeira, são só algumas das "novidades" que nos foram apresentadas de forma absolutamente impactante.

Escrevam o que eu estou dizendo: daqui a 5 anos, os grandes clubes brasileiros (que não foram beneficiados pelas 12 arenas atuais) já terão construido ou estarão projetando ou construindo novos estádios no padrão dos atuais

Alguém quer apostar?



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br



(Este artigo está em construção. Nos próximos dias publicaremos outros tópicos desta análise)




---Artigo2014

27/06/2014

HAVERÁ LEGADO, SIM (1) - OS ELEFANTES BRANCOS (?)

(Publicado em 27/06/2014)



Muito bem. Acabou a primeira fase da Copa do Mundo. Não resta mais dúvidas de que a coisa está indo bem. A turma do "Não vai ter Copa" teve de engolir a derrota e aceitar o fato de que o adversário, dessa vez, era cachorro grande. (sim, estou falando da Fifa. Voltaremos a este assunto mais tarde)

Mas essa turma não se dá por vencida. Agora trocaram o "Não vai ter Copa" pelo "Não vai ter legado!" Pois eu digo: VAI TER LEGADO, SIM. Quem apostar no contrário estará engolindo o próprio discurso daqui a um ano.

Não será o legado prometido, mas ele não será desprezível. O Brasil (e os brasileiros) vão ver que a Copa do Mundo não foi só "dinheiro jogado fora".

Haverá não só legados materiais. Também teremos os legados imateriais.

Vou aqui analisar algumas questões interessantes. Você, amigo leitor, poderá concordar ou discordar. Mas depois não diga que eu não avisei.


1 ELEFANTES BRANCOS (?)
Já escrevi antes, vou repetir aqui, o que eu penso sobre a escolha das cidades sedes da Copa do Mundo, especialmente Manaus, Cuiabá e Brasília

Eu nunca fui contra a construção dos estádios em Manaus, Cuiabá e Brasília. Da mesma forma que eu sempre defendi que realizar a Copa do Mundo no Brasil é um bom negócio, no sentido de que é um investimento que poderia facilmente produzir muitos benefícios. A questão do Legado entra aí: melhorias permanentes no transporte público, construção de hospitais, treinamento de pessoas para a indústria do turismo, ampliação e qualificação da rede hoteleira, ampliação e melhorias significativas nos aeroportos, etc, etc, etc... (se você nunca viu a questão por este ângulo, sugiro ler o Relatório da Ernst & Young Brasil sustentável – Impactos Socioeconômicos da Copa do Mundo 2014 publicado na minha coluna no portal2014.org.br em 2010.)

A maioria dos que são contra a Copa do Mundo só pensa nos estádios. Mas estádios deveriam ser apenas a ponta do iceberg. E deveriam ser privados. Não com essa montanha de dinheiro público como estamos vendo. Portanto, colocar dinheiro público nos estádios é um desvio da ideia original. Que era, sim, muito boa.

De qualquer forma é importante observar que a Copa do Mundo não se realiza numa cidade. Não existe a Copa do Mundo de Manaus. Não existe a Copa do Mundo de Cuiabá. O que existe é a Copa do Mundo do Brasil. Ponto.

A Amazônia e o Pantanal são duas coisas importantes do Brasil. Se há Copa do Mundo no Brasil, tem de ter jogo na Amazônia e na região do Pantanal. É assim que o mundo vê. Essa parte do negócio pode não ser a mais lucrativa, mas, certamente, poderia ser compensada pelos lucros obtidos por outras partes do negócio. O negócio é do Brasil. O ganho tem de ser global. Não precisa ser pontual.

Acontece que, quem tem a mente pequena, não consegue ver o negócio "Copa do Mundo" de maneira global. Quer que os lucros sejam iguais em todas as operações. Isso não existe em nenhum grande negócio. Quando uma grande empresa compra uma empresa menor ela espera obter lucros em algumas operações. E, por isso, aceita que haverá prejuízo em outras. É simples assim.

Nem falei do estádio de Brasília. Porque era só o que faltava, fazer uma Copa do mundo no Brasil e não ter jogo na capital do país. Lembrem-se de que Berlin (a capital da Alemanha) também não tem nenhum grande time de futebol. Nem por isto a Copa do Mundo deixou de ter jogos por lá (no estádio Olímpico, cuja reforma custou R$ 1 bilhão).

Portanto, a questão não é saber se os estádios de Manaus e Cuiabá serão ou não lucrativos. É preciso avaliar se o pacote "Copa do Mundo" foi lucrativo. E reconhecer que a construção desses estádios foi um preço que precisava ser bancado.



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br



(Este artigo está em construção. Nos próximos dias publicaremos outros tópicos desta análise)



---Artigo2014

Deixe AQUI seu comentário:

25/06/2014

QUATRO COISAS SOBRE A COPA DO MUNDO NO BRASIL QUE POUCOS SABEM, TODOS DEVERIAM SABER E TÊM POUCO A VER COM FUTEBOL

Apesar das controvérsias sobre a realização da Copa do Mundo no Brasil, um fato que é certamente positivo - e pouquíssimo divulgado - é que quatro dos estádios construídos para o evento esportivo somam 5,4 MW de produção de energia elétrica proveniente de células fotovoltaicas.



Clique sobre a imagem ou AQUI para obter mais informações no site archdaily.com.br

Comentários?

24/06/2014

A INSPIRAÇÃO DOS ESTÁDIOS MODERNOS

(publicado em 24/06/2014)



Stephanie Sartori, na coluna DESIGN MODERNO, do site noo.com.br Apresenta uma versão muito divertida sobre o que poderia ter sido usado como inspiração para alguns dos estádios "modernos" da Copa do Mundo.
Dá uma olhada:


Deixe AQUI seu comentário:

23/06/2014

SE ARREPENDIMENTO MATASSE...

(Publicado em 23/06/2014)



A oposição ao governo está pagando um preço alto por ter feito uma oposição burra à realização da Copa do Mundo no Brasil.
Desde 2009 eu estou dizendo (pode conferir): realizar a Copa do Mundo no Brasil é um bom negócio. E é um bom negócio sob vários aspectos. Inclusive econômico.
O problema não é fazer a Copa. É perder algumas das oportunidades de ouro que a Copa nos deu.

O Brasil hoje está cheio de gente arrependida de não ter se entusiasmado. De não ter comprado ingressos. De não ter tirado férias para curtir a festa. Arrependido de ter ficado de mimimi na hora errada (como se declarou Mariliz Pereira Jorge em sua coluna da Folha).

O governo brasileiro cometeu muitos erros na organização dessa copa. Perdeu muitas oportunidades. Mas a oposição resolveu apontar suas armas para o alvo errado. Ficou naquela bobagem de "Não vai ter Copa" ou de comparar os custos dos estádios com os investimentos em escolas e hospitais (e se achando muito inteligente!).

Foi um erro estratégico (mostrou que essas pessoas não entendem nem de economia nem de sociologia).
Talvez essa oposição, feita da forma como foi, acabe produzindo algo que nunca aconteceu na história política do país: que um governo efetivamente se beneficie dos resultados de uma Copa do Mundo.



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br



---Artigo2014

Deixe AQUI seu comentário:

22/06/2014

NUNCA ANTES NA HISTÓRIA DA COPA DO MUNDO

(Publicado em 22/06/2014)



Lula levou o "nunca antes na história desse país" a um outro nível, ao afirmar que "a Inglaterra não estava acostumada a jogar em um campo da qualidade dos que temos aqui, e por isso perdeu os jogos e foi desclassificada da Copa do Mundo"

Foi uma falta de educação com os jogadores e torcedores ingleses.

Ele deveria saber que, na condição de líder máximo do partido que governa o país, ele não é um brasileiro qualquer e deveria ter cuidado com o que diz.

Além disso, a afirmação é de uma infelicidade absurda. É importante lembrar que, recentemente, Londres foi sede dos Jogos Olímpicos.

Um ano antes da abertura do evento o Comitê Organizador dos Jogos (presidido pelo ex-atleta Sebastian Coe) anunciou uma revisão no orçamento total do evento. Para baixo! Os gastos foram reduzidos em 850 milhões de libras (R$ 2,1 bilhões).
Talvez por isso os estádios da Inglaterra não cheguem aos pés dos brasileiros, né?

Nossos estádios (ainda que sejam isso tudo o que o Lula diz) estão mergulhados em suspeitas de superfaturamento e encharcados de dinheiro público que não deveria estar ali.

Mas, parece que ninguém no governo liga pra isso.



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br



---Artigo2014

21/06/2014


« 1 2 3 4 5 6 7 »