Notas de "GESTÃO DE CARREIRA"

20/02/2020

O CONHECIMENTO ESTÁ NOS LIVROS



(Publicado em 20/02/2020)



Sabe quem ainda lê livros?
Com tantas telas, telinhas e telões oferecendo distração imediata e conhecimento em gotas, sabe quem ainda abre um livro em busca de alguma coisa? Eu vou dizer:

Quem lê livros são as pessoas que entenderam que NÃO EXISTE MANEIRA MELHOR DE OBTER CONHECIMENTO CONSISTENTE QUE NÃO SEJA ATRAVÉS DE LIVROS.

Ler um livro significa dedicar-se algumas horas, alguns dias, semanas... a um determinado assunto, acompanhando a visão, a linha de pensamento e os argumentos de um determinado autor.

Dias. Semanas. Não alguns minutos entre um meme, um vídeo e uma lista das 14 coisas sobre um determinado assunto que você precisa saber.

Isso causa um impacto no seu entendimento que nenhum post do Facebook é capaz de conseguir.





O brasileiro lê muito pouco. O Brasil tem poucas bibliotecas capazes de atrair e alimentar leitores e muitas coisas acontecem e contribuem para um quadro cada vez mais desanimador:

Arquitetos e engenheiros projetam e constroem casas (estou falando só daquelas com mais de 200 m²) com piscina, academia, adega, stúdio... mas "esquecem" de projetar (ou de sugerir aos clientes) uma sala, uma parede ou um nicho que seja, para que a casa tenha uma biblioteca. Se Arquitetos e Engenheiros, que fazem parte da elite intelectual do país, não fazem um esforço para estimular a leitura de livros, a coisa tá feia mesmo.

O livro ainda está longe de ser "TOP 10" das listas de presentes de natal, aniversários, formaturas e outras ocasiões especiais. Principalmente pelo receio de estar dando um presente "inútil".

Mesmo profissionais que dependem do seu conhecimento para obter valorização profissional ainda acreditam que LER é uma coisa para ser feita "quando sobra um tempo", no intervalo entre atividades importantes, nas horas vagas.

A primeira coisa que eu tento mudar na maneira de pensar dos profissionais que participam do Protocolo 89 é justamente isso: LER É TRABALHO. Ler é uma atividade essencial do engenheiro ou do arquiteto. Portanto, é preciso ler DURANTE O HORÁRIO DE TRABALHO.





Posts nas redes sociais e artigos de blog (como este aqui) são guloseimas, tira-gostos, aperitivos. O alimento de verdade está nos livros. Eu sei disto porque escrevo artigos aqui no site, escrevo textos em redes sociais e escrevo livros. E eu sei muito bem a diferença de conteúdo entre uns e outros.

Um livro é uma construção muito mais complexa. Dá muito mais trabalho. Exige muito mais empenho e responsabilidade.

Um livro precisa preencher lacunas, trazer respostas. E tem de ser preciso, correto.

Num artigo ou post não existe o compromisso com a precisão absoluta. Num livro tudo precisa ser visto, revisto, avaliado, checado... o que vai para um livro é muito mais sério. O autor não pode se dar ao luxo de ser desacreditado pelo que escreveu num livro. E é por isso que tanta gente acaba desistindo de concluir aquele livro que "está pronto, na gaveta, só esperando para ser publicado". Porque é muita responsabilidade.

Então, se você só lê posts em redes sociais, você só está lendo rascunhos. Ideias em primeiro tratamento. Conversa de bar.

O que um professor fala num bar, entre rodadas de cerveja, não é o que ele diz numa sala de aula. O que um palestrante fala numa conversa informal, entre amigos, não é o que ele fala numa palestra, diante de 500 pessoas. Numa sala de aula ou numa palestra o conteúdo precisa ser muito mais refinado.

Se você não lê livros você não terá acesso ao que de mais importante os autores têm pra dizer. O conhecimento está nos livros.




www.eniopadilha.com.br

PADILHA, Ênio. 2020







Clique sobre a imagem acima e visite a nossa loja

Deixe aqui seu comentário

11/02/2020

MARCA PESSOAL

(Publicado em 22/03/2018)



MARCA é, etimologicamente falando, alguma coisa capaz de marcar. Tornar algo identificável, único. É o traço que, através da sua presença (ou ausência) permite distinguir uma determinada coisa de outras semelhantes.

O termo é frequentemente usado como referência de empresa ou de produtos dessas empresas. Mas o conceito de marca pode ser utilizado também quando tratamos de uma pessoa. Pode-se dizer, nesse caso, que O NOME DA PESSOA representa alguns significados para as outras pessoas e, portanto, é sua MARCA PESSOAL.





MARCA PESSOAL é o nome de uma pessoa quando ele representa um patrimônio imaterial mensurável social ou comercialmente, pela capacidade de, por si só, aglutinar apoios sociais ou alavancar resultados comerciais.

Em outras palavras o nome de uma pessoa atinge o status de MARCA PESSOAL quando a simples menção do nome ou a associação dele a uma causa ou produto resulta de ganhos mensuráveis. Significa que o nome da pessoa possui valor comercial, influenciando de forma marcante as relações mercadológicas desse indivíduo, seja do ponto de vista da sua carreira profissional ou mesmo na comercialização de produtos (bens ou serviços) associados.

Uma MARCA PESSOAL é algo que um indivíduo pode construir para usufruir os benefícios (em termos pessoais e de mercado) dos conceitos de Marketing e da Administração inteligente da sua Imagem Pública. A MARCA PESSOAL, portanto, tem algumas coisas do marketing e algumas coisas da Administração da Imagem Pública.

Embora o conceito de MARCA PESSOAL possa ser utilizado para qualquer pessoa, ele é particularmente útil para Profissionais Prestadores de Serviços porque, nesse caso, a necessidade de estabelecer um valor comercial para o próprio nome parece ser muito mais evidente.

Hubert Rampersad, no livro "DNA da sua marca pessoal: um novo caminho para construir e alinhar uma marca" (2008) afirma que "as pessoas aceitam pagar um preço de 9% a 12% maior por uma marca conhecida e confiável, comparada a marcas que não são tão familiares", o que explica a importância do investimento pessoal no sentido de criar uma Marca Pessoal.

O mesmo autor chama atenção para o fato de que a criação da marca (pessoal ou não) acontece antes do marketing e das vendas. Portanto, todas as ações e estratégias do Marketing (empresarial ou Pessoal) devem sustentar a existência de uma marca, definida e estabelecia à priori. Ações de marketing sem uma marca a ser sustentada é pura perda de tempo, energia e dinheiro.

O NOME (A MARCA PESSOAL)
O nome da pessoa é o seu Rótulo de Identificação Social. É a sua MARCA PESSOAL. Todas as percepções (positivas e negativas) que as outras pessoas tenham do indivíduo são associadas ao seu nome. O objetivo da pessoa que quer fazer uma boa Administração da Imagem Pública (e construir uma Marca Pessoal forte) é fazer com que as pessoas se lembrem dela (e, principalmente, do seu nome).

Existem algumas considerações que o indivíduo precisa levar em conta se quiser que o seu nome seja facilmente lembrado.

O nome de uma pessoa tem duas componentes básicas: a morfoetimológica e a conceitual.
A componente morfoetimológica é o significado que o nome tem para o público quando o dono do nome ainda não foi apresentado. Que características você atribui a uma pessoa cujo nome é Raimundo Vinagre? ou Terezinha Tosse?
Agora, imagine uma pessoa chamada Cecília Drummond ou, Augusto Valente.
Veja que, mesmo sem conhecer nenhuma destas pessoas (acredite, os nomes são verdadeiros) você já construiu uma pré-imagem para cada uma delas, não é verdade?

Isto significa que essa componente do nome também deve ser analisada (não é por acaso que, no mundo artístico, é tão comum uma pessoa assumir um novo nome ou fazer uma simplificação ou ajuste no seu próprio nome). O nome de uma pessoa, assim como o nome de uma empresa ou de um produto pode (e deve) ser alterado em benefício dos objetivos pessoais.

• Nomes muito complicados apresentam natural dificuldade para serem absorvidos pelo público (demandam maior investimento na divulgação).
• Nomes com significados secundários devem ser omitidos ou trocados, pois acarretam desvios de energia para explicações e esclarecimentos, além de darem margem a eventuais piadinhas, charges e outras brincadeiras que podem desviar a atenção do público para os valores e características que se quer transmitir.
• Nomes que tanto podem ser de um homem quanto de uma mulher (Juraci, por exemplo) podem ser suprimidos ou trocados. E tudo isto pode ser feito sem burocracia, sem cartório, sem mexer nos documentos, nada. Basta decidir.
• Apelidos em geral, devem ser evitados (só admitidos em casos muito especiais)
Finalmente (mas muito importante), nomes muito compridos devem ser resumidos a duas, no máximo três palavras, para facilitar a fixação.
• Nomes (ou sobrenomes) naturalmente compostos (Ana Clara, João Pedro, José Mário, Maria Helena... Lins e Silva, Buarque de Holanda...) podem ser mantidos;
• Dois sobrenomes especiais (reconhecidamente especiais e com valor “de mercado”) podem ser mantidos

A componente conceitual do nome, por outro lado, é construída pelos valores que o público vai atribuindo à pessoa, em função de suas ações e omissões, gestos, posturas, palavras, conhecimentos, habilidades e outras características (ou seja, pela maneira como a pessoa faz a gestão da sua imagem pública)


ELEMENTOS DE SUSTENTAÇÃO DE UMA MARCA PESSOAL
Uma vez definido o nome da marca, alguns elementos são necessários para que esta marca possa se tornar valiosa, ou seja, capaz de ser, por si só, fator de motivação para que clientes potenciais do produto que ela representa disponham-se a pagar mais para obtê-los.

Baseado no livro "A marca chamada Você" (2010) de Peter Montoya e Tim Vanderhey, podemos considerar três coisas como determinantes para o sucesso de uma Marca Pessoal. São os três pilares que a sustentam:
1) Especialização Reconhecida
2) Garantias intrínsecas da marca
3) Identidade Visual e Visibilidade


ESPECIALIZAÇÃO RECONHECIDA
A especialização é essencial para a construção de uma Marca Pessoal. É virtualmente impossível construir uma Marca Pessoal sem que ela esteja ligada a algum tipo de produto que seja especializado. Para definir a especialização é preciso responder algumas questões básicas: o que você faz para ganhar dinheiro? qual é o seu produto? para quem você quer vender o seu produto? em que área de atuação geográfica seu produto será disponibilizado?

A especialização de uma Marca Pessoal pode estar ligada ao produto (exemplos: ortopedia, contabilidade financeira, advocacia criminal...) ou ao público ao qual o produto se destina (exemplos: pediatria, geriatria, educação infantil...)

É importante observar que, para um profissional de nível superior a sua atividade profissional (definida pela sua graduação) nem sempre (quase nunca) define uma especialização capaz de caracterizar uma boa Marca Pessoal.
Medicina, Arquitetura, Advocacia, Engenharia, Administração, Psicologia... não são especializações capazes de diferenciar uma boa Marca Pessoal. Definem apenas o ramo de negócios no qual a Marca Pessoal irá atuar. É preciso ser especializado (e, se possível especializado dentro da especialidade). É preciso representar algo realmente único para as pessoas e para o mercado. Veja, por exemplo os seguintes níveis de especialização:

1 Trabalhar no ramo de construção civil;
1.1 Trabalhar com projetos
1.1.1 Trabalhar com projetos de interiores
1.1.1.1 Trabalhar com projetos de interiores comerciais
1.1.1.1.1 Trabalhar com projetos de interiores para escritórios

1.2 Trabalhar com administração de obras
1.2.1 Trabalhar com administração de obras residenciais
1.2.1.1 Trabalhar com administração de obras residenciais de alto padrão

1.3 Trabalhar com execução de obras
1.3.1 Trabalhar com execução de edifícios comerciais
1.3.1.1 Trabalhar com execução de edifícios comerciais de grande porte (acima de 12 pavimentos)

É muito natural (especialmente no início da carreira) que o indivíduo não assuma atividades profissionais especializadas. Em outras palavras, que seja um "clínico geral". Isto é perfeitamente aceitável para o recém-formado. No entanto, é preciso ter em mente que a construção de uma Marca Pessoal forte depende muito da capacidade de se apresentar com uma especialização muito bem definida.


GARANTIAS INTRÍNSECAS DA MARCA PESSOAL
Garantia intrínseca de uma Marca é a certeza que o cliente tem ao comprar um produto de estar adquirindo determinados resultados.

Por exemplo, se você envia uma encomenda pela Federal Express você tem a CERTEZA de que a encomenda chegará ao destino no tempo previsto. Observe que essa "certeza" é subjetiva e psicológica. É claro que a Fedex, em alguns casos, já deve ter extraviado alguma encomenda ou não ter entregue no tempo devido, mas... Mas as pessoas continuam acreditando que isso não acontece, porque esta é a reputação da empresa, seu ativo mais precioso, construído por anos e anos de excelência dos seus 290 mil empregados no mundo todo)
Se a empresa cometesse erros frequentemente, com certeza não teria esse atributo reconhecido.

As Garantias Intrínsecas são as coisas com as quais uma Marca Pessoal está inteiramente comprometida e identificada. São as características operacionais imediatamente associadas à marca por todas as outras pessoas. Representam as Promessas que podem ser cumpridas em 99,999% dos casos (ou seja: uma falha, no máximo, a cada três anos).

Por exemplo: se um profissional sistematicamente cumpre os prazos de entrega dos seus serviços, depois de algum tempo as pessoas no mercado assumem essa característica como sendo um atributo dessa marca pessoal. Assim, quando um cliente contrata esse profissional ele não só espera receber o serviço no prazo combinado. Ele tem certeza de que isto acontecerá. pode-se dizer, nesse caso, que o cumprimento de prazos é uma Garantia Intrínseca da Marca Pessoal desse profissional;

Observe que os atributos permanentes da marca não são, necessariamente, positivos. Se uma falha ou problema acontece (é observado) com frequência no desempenho de um profissional, aquela falha ou problema pode se incorporar à marca pessoal, como atributo permanente.

É necessário e vital, portanto, que a pessoa não apenas desenvolva seus diferenciais competitivos (seus atributos positivos valiosos) mas também se preocupe em eliminar as falhas e problemas.

Os atributos permanentes mais importantes de uma Marca Pessoal são o que chamamos de Diferenciais Competitivos.

Nos estudos empresariais DIFERENCIAL COMPETITIVO é tudo aquilo que torna a sua empresa ÚNICA ”aos olhos do cliente”. É um recurso que uma empresa possui ou controla e que é percebido pelo mercado como positivamente destacado. Mas isto só não basta. É preciso também...

1) Que este recurso seja raro. Ou seja, muito difícil (trabalhoso, demorado ou caro) para ser adquirido ou controlado pelo concorrente;

2) Que este recurso seja idiossincrático. Ou seja, que este recurso se combine com outros recursos da em-presa de forma única (isto é, de maneira diferente da possível combinação com recursos do concorrente) e que essa combinação permita à empresa conceber e implementar estratégias que produzam vantagem competitiva;

3) Portanto, que esse recurso produza vantagens e benefícios para os clientes e que eles (os clientes) con-sigam perceber claramente essas vantagens e benefícios.

Diferencial Competitivo, portanto, não é apenas "ter qualidade no que faz", ou "ter preço baixo" ou "ter bons clientes no currículo". É preciso um pouco mais de esforço para ter um verdadeiro Diferencial Competitivo.

Possuir ou controlar um recurso positivo só constitui um diferencial se o mercado perceber de forma inequívoca as vantagens e benefícios decorrentes. Do contrário, possuí-lo ou controlá-lo não aumenta as suas vendas, não gera indicações importantes pra a empresa.

Pode-se dizer, com outras palavras, que Diferencial Competitivo é algo que sua empresa tem, que as outras não tem, que vão demorar a ter (ou nunca terão) e que os clientes gostam.

Do ponto de vista de Marca Pessoal, tudo o que se diz sobre Diferencial Competitivo para empresas pode-se dizer de Atributos Permanentes. E com os mesmos efeitos.


IDENTIDADE VISUAL E VISIBILIDADE
A identidade visual de uma Marca Pessoal é o conjunto de signos que identificam inequivocamente essa marca: os símbolos gráficos (ícones), as cores, o logotipo, e outros elementos visuais.

Embora o uso de ícones gráficos para identificar marcas pessoais não seja proibido ou desaconselhável, recomenda-se dar preferência ao logotipo, que é o nome da pessoa escrito de maneira especial (sem a utilização de tipos convencionais). Corresponde a um desenho do próprio nome.

A escolha de cores que serão utilizadas para a escrita do nome (logotipo) ou do fundo/moldura também faz parte da definição da identidade visual da Marca Pessoal.

O slogan também compõe a identidade visual da Marca Pessoal. Slogan é uma frase curta (duas a dez palavras) que sintetiza as garantias intrínsecas e os atributos permanentes de uma marca ou produto.

É importante observar que, enquanto o slogan de uma grande empresa (marca construída com o aporte de milhões em comunicação) pode ser uma frase curta que depois será exaustivamente explicada pelos comerciais de TV e anúncios em jornais e revistas, o slogan correspondente a uma Marca Pessoal deve ser mais esclarecedor por si só.

Montoya e Vanderhey lembram (na página 119 do livro "A marca chamada Você" -2010) que, enquanto empresas como a BMW, Apple, Sedex, Gilette, por exemplo, podem ter slogans como "Puro prazer de dirigir", "Pense Diferente", "Mandou, Chegou" e "A sua melhor Imagem", a frase escolhida como slogan de uma marca pessoal deve dizer às pessoas o que você faz e para quem você faz. Em outras palavras, seu slogan deve contemplar a sua ESPECIALIZAÇÃO bem como a principal GARANTIA INTRÍNSECA da sua Marca Pessoal.


Visibilidade
A definição da Identidade Visual de uma Marca Pessoal (aí incluído o slogan) deve levar em conta todas as possibilidades de uso da marca nas diversas mídias disponíveis para comunicação com o mercado.

Uma Marca Pessoal, para se tornar importante (e produzir resultados) precisa ser exposta ao seu público potencialmente interessado (os clientes potenciais). Existem diversos veículos de comunicação da marca e é necessário fazer uma combinação inteligente dessas opções;

Cartão de Visitas
Os engenheiros e arquitetos (pequenas empresas prestadoras de serviços em geral) precisam se dar conta da função estratégica que o cartão de visitas desempenha nas suas relações com o mercado. Será fornecido um material extra de leitura com maiores detalhes e instruções sobre como conceber e utilizar o Cartão de visitas.

Folder ou Portifólio
Portifólio ou portfolio (com ou sem acento, segundo os dicionários) é um termo que define a coleção de trabalhos realizados por uma empresa ou por um profissional. Existem duas interpretações para esta definição. E as duas estão corretas:
1) O portifólio é a relação dos produtos representados por uma marca. Isto é, a lista dos produtos disponi-bilizados para o mercado;
2) O Portifólio é a relação dos trabalhos já realizados pela empresa (ou pessoa) dona da marca.

Fisicamente o portifólio é um instrumento de promoção com a forma de um catálogo. Geralmente bem produzido, com boa qualidade gráfica e de acabamento. Tem por finalidade não só apresentar a marca e seus produtos como também causar uma percepção positiva.

website, e-mail, redes sociais
A internet representa o mundo virtual no qual todos os profissionais precisam ter uma base de operações. Embora as coisas importantes (contratações, pagamentos, construções...) ocorram no mundo real, é no mundo virtual que a maior parte dessas coisas se originam, nos dias de hoje.



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br




DIVULGAÇÃO



---Artigo2014 ---Administração ---GestaodeCarreira ---MarcaPessoal

Deixe AQUI o seu comentário:

31/01/2020

CREDIBILIDADE É UM RECURSO VALIOSO



CREDIBILIDADE é, de fato, um recurso valioso (é raro, é idiossincrático e é percebido pelo cliente como algo positivo). No entanto, é muito difícil para um individuo (ou uma organização) afirmar categoricamente que possui credibilidade, ou que a sua credibilidade é maior do que a dos seus concorrentes à ponto de constituir-se um diferencial competitivo.

Nos meus cursos, por exemplo, quase todos os profissionais afirmam ter dificuldades para convencer seus clientes a fechar os negócios. Mas depois, na hora de fazer o exercício sobre seus próprios recursos e diferenciais competitivos, colocam lá em letras maiúsculas: CREDIBILIDADE.

Eu fico me perguntando: “que tipo de credibilidade é essa, que na hora de fazer a diferença simplesmente não funciona?”

A credibilidade é a característica de quem é digno de ser acreditado. Para negociar e vender serviços é importante (fundamental) a credibilidade, construída pelo comportamento e performance no mercado ao longo dos anos.

Ter credibilidade significa que as suas previsões e promessas são aceitas como verdade pelos seus interlocutores.

Se uma pessoa diz que tem credibilidade mas, na hora de negociar com o cliente não consegue nada, então uma de duas coisas está acontecendo: ou a pessoa não está argumentando corretamente (não esta prometendo ao cliente alguma vantagem diferenciada ou, o que parece ser o mais comum, não tem tanta credibilidade quando acha que tem.

Além do mais, a estatística está contra essa legião de engenheiros e arquitetos que afirmam ter credibilidade no mercado, pois todos os levantamentos feitos junto aos clientes (eu mesmo fiz um, para um trabalho do mestrado) apontam o descumprimento dos prazos como uma das principais reclamações dos clientes em relação aos profissionais.

Ora, um prestador de serviços que não cumpre seus prazos e não tem disciplina para lidar com os seus compromissos (chega atrasado às reuniões, demora um dia a mais para enviar aquele relatório ou proposta, vive dando explicações sobre seus descumprimentos de prazos e horários (trânsito, computador, funcionários, fornecedores....) não consegue passar segurança para seu cliente. Não pode dizer que tem credibilidade.

Credibilidade é conseqüência. A causa é o comportamento profissional no mercado.



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br




DIVULGAÇÃO



Deixe AQUI seu comentário:

05/12/2019

ORGULHO E VAIDADE

(Publicado em 01/07/2007)



Implementar estratégias de marketing pessoal, muitas vezes, implica mudar hábitos, costumes, práticas e “tradições pessoais”. Significa, em última análise, romper com alguma crença ou convicção que já faz parte do seu ideário público.

Isso quase nunca é uma coisa fácil. Mudar não é fácil, porque implica aceitar que aquilo que estava sendo feito não estava certo ou podia ser feito de outra forma. É uma coisa do tipo “Eu sempre fiz desta maneira”... Isso bate no orgulho de não admitir que “eu estou errado. Fulano tem razão: alguma coisa precisa ser mudada no meu modo de agir”.

Uma das reações mais bonitas (por ser absolutamente rara) que uma pessoa pode ter é a de, no meio de uma discussão sobre pontos de vista, dizer com sinceridade “É verdade, você tem razão, eu estava errado. Nunca tinha observado esse assunto por esse ângulo que você apresentou.”

A maioria absoluta das pessoas entra em uma discussão (seja sobre política, trabalho, educação, esporte, arte ou comportamento) movida apenas pelo interesse de apresentar e defender seus argumentos. Não têm a menor disposição para aprender ou aceitar novos pontos de vista ou novas alternativas para a sua “maneira de ver as coisas”.

Eu tenho um grande amigo (o engenheiro e professor do CEFET-PR, Marcos Vallim) que é uma dessas raríssimas exceções. Ele é desconcertante. Apesar da inteligência aguda e dos pontos de vista solidamente defendidos “com unhas e dentes”, ele não espera pelo dia seguinte ou pela próxima oportunidade para admitir que está errado ou que está enganado ou desinformado.

Muitas vezes, no meio de uma discussão de alta temperatura, onde as partes apresentam e defendem suas teses, ele interrompe a discussão para admitir, em alto e bom som, que o outro atingiu o ponto. Que o argumento do outro é perfeito. Que o outro está certo e que ele (Marcos) está errado... E não se trata apenas de aceitar o argumento do outro para encerrar a conversa. É uma manifestação sincera de entendimento da razão da outra parte.

Para as outras pessoas, acostumadas a discussões que nunca têm um ponto final com entendimento entre as partes, chega a ser “constrangedor” uma atitude tão humilde que contraria o comportamento comum de “lutar” até o fim para “enfiar na cabeça do outro” o seu ponto de vista.

O seu comportamento, com certeza, deve nos servir de exemplo. Vencer a vaidade e o orgulho é meio caminho para iniciar um processo de renovação. Uma estratégia de marketing pessoal, muitas vezes passa pela necessidade da renovação de conceitos e comportamentos.



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br




DIVULGAÇÃO



---Artigo2007 ---Gestão de Carreira


Deixe AQUI o seu comentário

29/11/2019

INSEGURANÇA x MARKETING PESSOAL

(Publicado em 25/10/2006)



A insegurança é um dos obstáculos que encontramos em nós mesmos para a implementação de uma estratégia positiva de Marketing Pessoal. É uma trava interna que “não deixa” você agir. O medo e a completa incerteza do sucesso se transformam em barreiras tão grandes que se tornam intransponíveis.

A insegurança tem uma ação interna que é devastadora para o indivíduo porque vai aos poucos impedindo de enfrentar desafios e conquistar posições.
Mais devastadora ainda, para a imagem pública, é a ação externa. Alguém que demonstre estar inseguro, muito rapidamente perde a confiança das pessoas que o cercam. Ninguém mais espera dele uma performance digna de admiração. Ninguém mais conta com essa pessoa para nada que seja, realmente, importante. Em palavras bem simples. Essa pessoa passa a ser percebida, pelas outras, como um “inútil”.
A pessoa pode até ser amada, ter o carinho e a compreensão das pessoas, mas não será admirada. Não será considerada importante. Não será, em última análise, interessante.

Assim, sendo, depois do que foi visto acima, pense duas, três ou mais vezes antes de dizer “eu não consigo” ou “eu não dou conta”. Veja se é mesmo verdade. Confirme consigo mesmo se você não está dando uma desculpa para não assumir uma tarefa ou uma obrigação.

E observe o seguinte: você não precisa fazer tudo o que lhe pedem. Nem precisa assumir todas as tarefas que passam pela sua frente. Apenas deve assumir claramente os motivos de não fazê-lo.
“Eu não vou redigir o relatório da festa do clube porque eu prefiro ajudar na devolução dos materiais e equipamentos que foram tomados por empréstimo a outras entidades...” e não “por que eu não sei escrever direito e não consigo escrever um relatório.”

A insegurança é a filha mais velha da incompetência. Uma pessoa insegura transmite a imagem de incompetente.
E o melhor antídoto contra a insegurança continua sendo o conhecimento e o desenvolvimento de habilidades específicas e gerais.



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | ep@eniopadilha.com.br




DIVULGAÇÃO


Leia o artigo completo de Ênio Padilha

25/11/2019

IMAGEM PESSOAL E IMAGEM PROFISSIONAL




Se você é advogado (ou engenheiro, arquiteto, médico, dentista, contador, ou coisa parecida) você precisa saber que a imagem pessoal é inseparável da imagem profissional.
Não existe essa coisa de que “a vida pessoal não interfere nas questões profissionais”.

Interfere sim senhor. Um advogado pode ter o melhor desempenho técnico. Seu escritório pode fazer o melhor trabalho, seus clientes conseguem sempre os melhores resultados em função de suas orientações ou intervenções profissionais. Ele pode até ser amável e simpático com os seus clientes. Mas se eles souberem que nos finais de semana este advogado bebe. E que, quando bebe, fica agressivo e bate na mulher e nos filhos... Não tenha dúvida de que a carteira de clientes dele tende a diminuir.

Quem contrata um prestador de serviços está contratando uma pessoa. Está fazendo negócios com uma pessoa. É pessoal. Ponto final.

Ninguém gosta de fazer negócios com pessoas que não tenham valores pessoais positivos. Mesmo que isto não interfira nos resultados do negócio.
O cuidado com a Imagem Pública (que geralmente as pessoas chamam de Marketing Pessoal) é uma disciplina essencial para o exercício comercial das profissões liberais. É uma atividade que concorre fortemente (decisivamente) para a aceitação ou não do seu produto no mercado.

Isso vale para o lado negativo (como o que foi visto acima) mas também vale com as coisas positivas. Muitas ações pessoais positivas podem (e devem) ser incorporadas com o objetivo de cristalizar a sua imagem pessoal. E os mecanismos de transferência de créditos devem ser utilizados para agregar ao marketing empresarial. A melhor alternativa é investir na administração inteligente da sua Imagem Pública e associá-la sempre à imagem do seu trabalho.

Mas não se pode pensar que “fazer marketing pessoal” é aparecer muito. É estar em evidência. É ser visto e ser lembrado por todos, o tempo todo. Nem achar que essas práticas, ensinadas em pequenos manuais de auto-ajuda, ou em palestras e cursos divertidos, podem ser a solução de todos os problemas, na busca incessante e paranóica pelo sucesso. O tal do marketing pessoal não é só estar permanentemente na vitrine. Nem é tão simples.
Se você quer apenas aparecer, vista-se espalhafatosamente, fale alto, agrida as pessoas, provoque um tumulto qualquer... Você vai chamar atenção, com certeza. E, quando todo mundo estiver prestando atenção em você, no que você faz e no que você diz... bom daí pra frente entram em cena outras variáveis como o talento, a criatividade, a disciplina, o caráter, os conhecimentos e as habilidades.

Quanto maior o barulho que você tiver feito para aparecer, maior será a expectativa criada e maiores serão as cobranças do seu “público”.

Talvez você nunca tenha se dado conta, mas a primeira impressão não é a que fica. Ainda bem, porque, se fosse assim, não haveria estratégia eficiente de marketing pessoal, ou seja lá o que fosse, que pudesse consertar uma primeira impressão acidentalmente ruim.

Olhe em sua volta. Veja quantas pessoas que hoje você gosta e admira e que, no primeiro contato causaram uma impressão bem negativa. E veja que o contrário também é verdadeiro.
Observe que essas pessoas alteraram a percepção que você tem delas com coisas bem mais importantes do que técnicas de “aparecer”.

A autopromoção é apenas uma das etapas do marketing pessoal. É uma parte importante do processo, não resta dúvida. Mas não pode ser tomada como o objetivo em si. Uma estratégia inteligente de marketing pessoal não pode dispensar os benefícios de uma eficiente carga de autopromoção.
Mas não se pode achar que apenas aparecer resolve o problema da conquista de espaços ou do sucesso.

Por mais óbvio que pareça, é preciso repetir, pela milésima vez: “não existe marketing eficiente para um produto ruim”. Uma forte carga de autopromoção para alguém que não esteja preparado pode acelerar e tornar irreversível o seu próprio fracasso.

Os interessados na mágica do marketing pessoal precisam saber que o milagre do sucesso, mesmo para pessoas muito talentosas, é sempre resultado de muito trabalho, disciplina e dedicação.
Não existem “segredos” no Marketing Pessoal.



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | ep@eniopadilha.com.br




DIVULGAÇÃO

Comentários?

15/11/2019

POSSIBILIDADES NA CARREIRA PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS



Desde 2009 tenho apresentado um curso de 16 horas sobre GESTÃO DE CARREIRA E MARCA PESSOAL (para Arquitetos e Engenheiros), que também é uma aula em curso de pós graduação (que já foi ministrada para mais de 70 turmas).

Um dos tópicos abordados nesta aula discorre sobre as alternativas de exercício profissional que se apresentam aos arquitetos, assim que eles terminam a faculdade. Sempre percebo uma certa surpresa (principalmente dos mais jovens). Eles não imaginam que tem tanto mundo e tantas oportunidades pela frente.

Eu divido a coisa em duas abordagens: (1) o “modelo de negócio” e a especialidade ou área de atuação.

O MODELO DE NEGÓCIO
Por “modelo de negócio” vamos entender a maneira como o profissional se aplicará no exercício profissional, não importando, aqui, em que especialidade ele estará atuando.

O profissional, uma vez formado, poderá…

(1) FAZER UM CONCURSO PARA O SERVIÇO PÚBLICO, nas muitas vagas que existem para engenheiros ou arquitetos e urbanistas nas prefeituras, nos governos estaduais e nas instituições do governo federal.
Para isso ele deverá
• ter uma boa formação universitária;
• ter uma boa cultura geral;
• estudar muito para obter uma boa nota no concurso;
• ter as características necessárias para o exercício profissional no serviço público;

Outras possibilidades são

(2) TRABALHAR EM ALGUMA EMPRESA PRIVADA, escritórios de Arquitetura ou de Engenharia, Construtoras ou qualquer outra empresa comercial ou industrial que empregue engenheiros, arquitetos ou urbanistas.
Para isso ele deverá
• ter uma boa formação universitária;
• ter uma boa cultura geral;
• ter uma boa rede de relacionamentos
• ter um bom marketing pessoal (gestão da imagem pública);
• ter um bom domínio dos conhecimentos técnicos;
• ter conhecimentos e habilidades pessoais diferenciadas

(3) ABRIR, SOZINHO, UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURAOU DE ENGENHARIA
Para isso ele deverá
• ter uma boa formação universitária;
• ter uma boa cultura geral;
• ter uma boa rede de relacionamentos
• ter um bom marketing pessoal (gestão da imagem pública);
• ter um bom domínio dos conhecimentos técnicos;
• ter conhecimentos e habilidades pessoais diferenciadas;
• ter conhecimentos de administração e de gestão
• ter algumas características de empreendedor
• ter diferenciais competitivos profissionais

(4) ABRIR UM ESCRITÓRIO DE ENGENHARIA OU DE ARQUITETURA EM SOCIEDADE COM COLEGAS
Para isso ele deverá
• ter uma boa formação universitária;
• ter uma boa cultura geral;
• ter uma boa rede de relacionamentos
• ter um bom marketing pessoal (gestão da imagem pública);
• ter um bom domínio dos conhecimentos técnicos;
• ter conhecimentos e habilidades pessoais diferenciadas;
• ter conhecimentos de administração e de gestão
• ter algumas características de empreendedor
• ter diferenciais competitivos profissionais
• ter habilidades para se relacionar com pessoas

(5) ABRIR UMA EMPRESA DE CONSTRUÇÕES
Para isso ele deverá
• ter uma boa cultura geral;
• ter uma boa rede de relacionamentos
• ter um bom domínio dos conhecimentos técnicos;
• ter conhecimentos de administração e de gestão
• ter algumas características de empreendedor
• ter diferenciais competitivos para a área de construção civil
• ter habilidades para se relacionar com pessoas

(6) ABRIR UMA FÁBRICA (de materiais de construção, de componentes ou equipamentos, de móveis, lustres ou qualquer outra coisa)
Para isso ele deverá
• ter uma boa cultura geral;
• ter uma boa rede de relacionamentos
• ter um bom domínio dos conhecimentos técnicos;
• ter conhecimentos de administração e de gestão
• ter algumas características de empreendedor
• ter diferenciais competitivos para a área de construção civil
• ter habilidades para se relacionar com pessoas

(7) ABRIR UM ESCRITÓRIO DE ASSESSORIA OU CONSULTORIA TÉCNICA
Para isso ele deverá
• ter uma boa formação universitária;
• ter cursos de especialização, mestrado e doutorado;
• ter uma boa cultura geral;
• ter uma boa rede de relacionamentos
• ter um bom marketing pessoal (gestão da imagem pública);
• ter um bom domínio dos conhecimentos técnicos;
• ter conhecimentos e habilidades pessoais diferenciadas;
• ter conhecimentos de administração e de gestão
• ter algumas características de empreendedor
• ter diferenciais competitivos profissionais
• ter habilidades para se relacionar com pessoas


ESPECIALIDADE OU ÁREA DE ATUAÇÃO PARA ARQUITETOS
Com relação à especialidade ou área de atuação as possibilidade são muitas e variadas. O profissional, uma vez formado, poderá atuar numa das seguintes áreas…

URBANISMO
• Elaboração de Planos Diretores
• Projetos de revitalização
• Estudos de Impacto Urbanístico
• Estudos de Impacto Ambiental
• Projetos de Loteamentos
• Projetos de Paisagismo
• Avaliação e Perícias

CONSTRUÇÃO CIVIL
• Projetos residenciais
• Projetos de Edifícios Residenciais
• Projetos de Edifícios Comerciais
• Projetos de Reforma que incluem
exteriores.
• Avaliação e Perícias
• Administração de obra

ARQUITETURA EFÊMERA
• Vitrines
• Decoração de Shoppings Centers
• Palcos para Shows musicais
• Cenários para Teatro
• Parques de Diversão (itinerantes)

INTERIORES
• Projetos de Lojas
• Projetos de interiores Res.
• Projetos de interiores Com.
• Projetos mobiliários
• Projeto de iluminação
• Aeronaves, Navios, Motor Home
• Administração de obra

ILUMINAÇÃO
• Iluminação comercial
• Iluminação Cênica
• Iluminação de Arquitetura
• Iluminação residencial
• Iluminação Industrial
• Iluminação de Igrejas
• Iluminação de Museus
• Iluminação de Plantas
• Iluminação Pública
• Iluminação Esportiva

ÁREAS ESPECÍFICAS
• Projetos para a Área da Saúde (Hospitais, Clínicas, Consultórios, Ambulatórios, Farmácias, Postos de Saúde...)
• Projetos para a Área de Educação e Cultura (Escolas, Teatros, Centros Culturais, Museus...)
• Restauração
• Magistério
• Pesquisa e Desenvolvimento
• Empreendedorismo
• Segurança no Trabalho
• Avaliação e Perícias


ESPECIALIDADE OU ÁREA DE ATUAÇÃO PARA ENGENHEIROS
Geralmente isto já está vinculado à sua área de formação (Civil, Elétrica, Mecânica, Química, Sanitária, Alimentos, Produção, etc)



Portanto, se você é um jovem engenheiro ou arquiteto recém-formado, em busca de algum destino para a sua formação, ponha "fé em Deus e pé na tábua..." O que não falta é possibilidades.

E é claro que existem ainda outras alternativas que não foram listadas acima. Se você já trabalhou ou trabalha em algo diferente de tudo o que foi descrito ou se conhece alguém que faz alguma coisa que não está na lista deste artigo, por favor, escreva nos comentários, abaixo. no futuro essas informações serão incorporadas ao artigo original.



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br



DIVULGAÇÃO




Para copiar e reproduzir este artigo, conheça nossas REGRAS PARA PUBLICAÇÕES





---Artigo2015 ---Carreira ---MarcaPessoal



Deixe AQUI seu comentário:

04/11/2019

TALENTO, ORGANIZAÇÃO E DISCIPLINA

(Publicado em 16/11/2011)



Há muitos anos tenho insistido, nos meus cursos e palestras, que não existem segredos para o sucesso. Que todos os casos de pessoas bem sucedidas são resultados da combinação adequada de três elementos essenciais: Talento, Organização e Disciplina.





TALENTO é uma habilidade natural para fazer algo melhor do que a maioria das outras pessoas. Essa habilidade pode ser específica, como jogar basquetebol, correr, cantar, desenhar, esculpir, falar em público, pilotar carros de corrida, compor músicas, fazer filmes, calcular... ou genérica como o talento para as artes plásticas, para os esportes, para a música, para línguas ou para a ciência.

Talento é inato. Nasce com a pessoa. E aparece cedo (como que pedindo para ser explorado e desenvolvido).

Não existe maneira de adquirir talento! Por isso é que o termo "Talento Natural" soa como uma redundância, posto que não existe "Talento Artificial"

É importante dizer que são raríssimas as pessoas totalmente desprovidas de qualquer talento. Todos temos algum tipo de talento. É preciso identificá-lo e desenvolvê-lo para que possamos capitalizar o nosso potencial.

Pesquisadores no mundo inteiro, no entanto, concordam que, mesmo as capacidades que dependem de talento podem ser desenvolvidas com a aplicação de técnicas apropriadas (caso haja motivação). Assim, qualquer pessoa está, por exemplo, potencialmente apta a aprender música, desde que tenha vontade e use as técnicas apropriadas ao estudo de música. Mas aí entra em cena um dos outros dois componentes do sucesso: a Organização.

O senso de ORGANIZAÇÃO consiste em ter a capacidade de definir o lugar, o tempo e a maneira de executar tarefas ou guardar coisas.

O processo de organização define um lugar para cada coisa, um momento para cada tarefa, uma ferramenta para cada trabalho.

A organização (da sua mesa de trabalho, da sua casa e até mesmo da sua vida) pode ser obtida com ajuda externa de profissionais específicos, como professores, treinadores, assessores e consultores. O talento é o material de construção; a organização é o projeto; a execução da obra traz ao palco a terceira força capaz de produzir o sucesso: a disciplina!

Aquilo que a maioria das pessoas chama de desorganização tem, em 99% dos casos, outro nome: chama-se indisciplina.
Pense naquele escritório todo bagunçado, com todas as coisas fora de lugar, papel pra todo lado, desordem geral. Nossa primeira reação é dizer "nossa! que escritório desorganizado." Mas, na verdade, em 99% dos casos, se começarmos a perguntar para o proprietário do escritório onde é o lugar daquela caneta que está jogada no chão, daqueles contratos sobre uma cadeira, daqueles livros empilhados num canto ou mesmo dos lixos jogados sobre a mesa... é muito provável que ele saiba dizer o lugar de cada coisa.
Ora, se cada coisa tem um lugar (pré-definido) então já existe organização. E por que as coisas estão fora de lugar? Porque faltou disciplina para a manutenção da ordem.

Assim é na vida!

A DISCIPLINA pode ser definida como a característica de quem é capaz de fazer o que deve ser feito (aquilo que foi definido previamente no processo de organização). Aristóteles dizia que a disciplina é uma qualidade da alma e que é a força que diferencia o homem dos animais, pois a disciplina é a vitória da razão sobre a paixão. Sem a disciplina a vontade de crescer e se desenvolver nunca passará de sonho.

A relação entre essas três forças (Talento, Organização e Disciplinas) tem uma potência incomensurável. Mas é importante observar a seguinte conclusão:

Talento é natural. Não há mérito individual em possuí-lo. Ter talento é um dom que pode ser atribuído ao divino (se você for religioso) ou apenas à genética (se você for mais cético). Mas nunca é algo que, por si só mereça aplausos;

Buscar a organização para capitalizar o talento é resultado da determinação. E a organização pode ser individual, ou obtida por ajuda externa (até mesmo contratada)

A disciplina é, portanto, a grande virtude, capaz de capitalizar o talento e a organização, produzindo o sucesso.

O mundo está cheio de atletas, artistas e profissionais com grandes talentos que nunca chegaram nem nos pedestais do reconhecimento, simplesmente porque nunca se organizaram e nunca estiveram dispostos a pagar o alto preço imposto pela disciplina.

Empresas gastam fortunas organizando seus procedimentos (contratando consultores, comprando softwares e equipamentos) e tudo vai por água abaixo por falta de disciplina dos seus diretores, gerentes e empregados;

Indivíduos talentosos perdem-se pelo caminho não por falta de potencial (talento) ou de oportunidades (a organização) e sim, por falta dessa coisinha simples chamada disciplina, que depende unicamente da determinação individual para fazer a razão vencer as paixões.





DIVULGAÇÃO



PADILHA, Ênio. 2011

Deixe AQUI seu comentário:

04/11/2019

SUPLETIVO: FAZER OU NÃO

(Publicado em 04/11/2019)






Para copiar e reproduzir este artigo, conheça nossas REGRAS PARA PUBLICAÇÕES




PADILHA, Ênio. 2019

Deixe aqui seu comentário

25/10/2019

NA DÉCADA DE 1950 FOI O MARKETING. AGORA É A GESTÃO.



(Publicado em 15/05/2019)



QUANDO O MARKETING CHEGOU AO BRASIL, no início da década de 1950, ele foi logo apropriado por professores, autores, consultores e outros senhores que mal tinham lido a orelha de um ou dois livros e já se apresentavam como especialistas no tal do marketing.
E foi nessa tocada que o marketing, no Brasil, se resumiu a comunicação, propaganda e publicidade...

Leia o artigo completo aqui no Blog do Ênio Padilha


1 2 3 4 5 6 »

Desenvolvido por Área Local