Notas de "PERGUNTA DO LEITOR"

Neste ano de 2016 responderemos perguntas sobre ESCRITÓRIOS DE ENGENHARIA E ARQUITETURA, especificamente nos seguintes assuntos:

(1) Modelo de Negócio
(2) Composição de Sociedades
(3) Plano de Negócio
(4) Administração do Processo Produtivo
(5) Administração Financeira
(6) Administração de Recursos Humanos
(7) Administração do Mercado (Marketing)
(8) Diferencial Competitivo e Vantagem Competitiva

As respostas serão publicadas no nosso site, nesta seção PERGUNTA DO LEITOR.

Mande sua pergunta:
* campos obrigatórios

01/04/2013

ESCOLAS DE ENGENHARIA (...)

(Publicado em 01/04/2013)

Bom dia, Ênio.
Vou contar um pouco de minha história aqui.
Quando eu tinha 18 anos pensei em fazer uma faculdade, sempre quis fazer alguma Engenharia e acabei optando por fazer Engenharia mecânica. Acabei optando por estudar num faculdade privada porque, naquele momento uma universidade de renome parecia estar inatingível para mim.
Enfim, comecei a estudar, (aulas de segunda à quinta, noturno, 9 semestres). Tudo bem, parecia fraco, mas é o que eu tinha no momento, comecei a trabalhar em uma empresa grande como desenhista onde vários engenheiros da (aqui o leitor cita três grandes e importantes universidades do país) trabalham e comecei a cair na real do quão fraco era a minha graduação. Para você ter ideia, na minha grade não continha cálculo vetorial (III) e séries (IV). Além de uma carga horária muito fraca, a faculdade nunca exigiu nada de mim. Nunca estudei em casa, apenas assisti aulas e sempre passei. (não, eu não sou um gênio!).
De qualquer maneira isto começou a me incomodar demais porque eu quero ser um bom engenheiro. Ano passado, no intuito de mudar a situação, prestei vários vestibulares, (aqui o leitor cita duas importantes universidades do seu estado)... para Engenharia mecânica.
Acabei passando na (uma das duas universidades importantes do seu estado), mas agora eu me pergunto, tenho 23 anos já, no último ano de graduação em mecânica, vale a pena começar mecânica de novo em uma universidade renomada, haja vista que eu gosto muito de pesquisa e carreira acadêmica?

Se puder me ajudar com alguns conselhos, ficarei grato.

Genésio Pedreira | Guará do Norte-MG
(Nesta seção, o nome e a cidade são trocados sempre que solicitado pelo leitor)



RESPOSTA:
Prezado Genésio
Primeiro, parabéns pela sua percepção e humildade.
Infelizmente a maioria dos profissionais formados em escolas ruins não têm esta capacidade de perceber que fizeram a coisa errada...

Leia a resposta completa:

23/10/2012

SE EU FIZER ARQUITETURA CORRO O RISCO
DE FICAR DESEMPREGADA OU GANHAR POUCO?

(Publicado originalmente no dia 08/03/2012)

Professor Ênio
Gostaria muito de saber como anda o mercado de trabalho para Arquitetura, pois terminei recentemente o curso de segurança do trabalho e gostaria de prestar vestibular para ARQUITETURA... li muitas coisas dessa profissão que me deixaram feliz e triste ao mesmo tempo. Mas, a minha maior preocupação é encarar 5 anos de faculdade, sendo que li muitos relatos de arquitetos desistindo da profissão por falta de trabalho e por muitos acabarem na área de vendas, ganhando um valor baixíssimo.
Aguardo ansiosa a sua resposta.

Desde já,
Grata!

Priscila Pinheiro | Salvador-BA
(Nesta seção, o nome e a cidade são trocados sempre que solicitado pelo leitor)

Resposta de Ênio Padilha

Priscila,
É o seguinte: eu conheço centenas, milhares de arquitetos no Brasil inteiro. E não conheço NENHUM arquiteto ou arquiteta que...



(Publicado originalmente no dia 08/03/2012)

Leia a resposta completa de Ênio Padilha

14/07/2012

YOU ARE NOT SPECIAL (David McCullough)



(discurso do professor David McCullough na cerimônia de graduação dos alunos da Wellesley High School, em Massachusetts)

"Dr. Wong, Dr. Keough, Mrs. Novogroski, Ms. Curran, members of the board of education, family and friends of the graduates, ladies and gentlemen of the Wellesley High School class of 2012, for the privilege of speaking to you this afternoon, I am honored and grateful. Thank you.

So here we are… commencement… life’s great forward-looking ceremony. (And don’t say, “What about weddings?” Weddings are one-sided and insufficiently effective. Weddings are bride-centric pageantry. Other than conceding to a list of unreasonable demands, the groom just stands there. No stately, hey-everybody-look-at-me procession. No being given away. No identity-changing pronouncement. And can you imagine a television show dedicated to watching guys try on tuxedos? Their fathers sitting there misty-eyed with joy and disbelief, their brothers lurking in the corner muttering with envy. Left to men, weddings would be, after limits-testing procrastination, spontaneous, almost inadvertent… during halftime… on the way to the refrigerator. And then there’s the frequency of failure: statistics tell us half of you will get divorced. A winning percentage like that’ll get you last place in the American League East. The Baltimore Orioles do better than weddings.)

But this ceremony… commencement… a commencement works every time. From this day forward… truly… in sickness and in health, through financial fiascos, through midlife crises and passably attractive sales reps at trade shows in Cincinnati, through diminishing tolerance for annoyingness, through every difference, irreconcilable and otherwise, you will stay forever graduated from high school, you and your diploma as one, ‘til death do you part.

No, commencement is life’s great ceremonial beginning, with its own attendant and highly appropriate symbolism. Fitting, for example, for this auspicious rite of passage, is where we find ourselves this afternoon, the venue. Normally, I avoid clichés like the plague, wouldn’t touch them with a ten-foot pole, but here we are on a literal level playing field. That matters. That says something. And your ceremonial costume… shapeless, uniform, one-size-fits-all. Whether male or female, tall or short, scholar or slacker, spray-tanned prom queen or intergalactic X-Box assassin, each of you is dressed, you’ll notice, exactly the same. And your diploma… but for your name, exactly the same.

All of this is as it should be, because none of you is special.

You are not special. You are not exceptional.

Contrary to what your u9 soccer trophy suggests, your glowing seventh grade report card, despite every assurance of a certain corpulent purple dinosaur, that nice Mister Rogers and your batty Aunt Sylvia, no matter how often your maternal caped crusader has swooped in to save you… you’re nothing special.

Yes, you’ve been pampered, cosseted, doted upon, helmeted, bubble-wrapped. Yes, capable adults with other things to do have held you, kissed you, fed you, wiped your mouth, wiped your bottom, trained you, taught you, tutored you, coached you, listened to you, counseled you, encouraged you, consoled you and encouraged you again. You’ve been nudged, cajoled, wheedled and implored. You’ve been feted and fawned over and called sweetie pie. Yes, you have. And, certainly, we’ve been to your games, your plays, your recitals, your science fairs. Absolutely, smiles ignite when you walk into a room, and hundreds gasp with delight at your every tweet. Why, maybe you’ve even had your picture in the Townsman! And now you’ve conquered high school… and, indisputably, here we all have gathered for you, the pride and joy of this fine community, the first to emerge from that magnificent new building…

But do not get the idea you’re anything special. Because you’re not.

The empirical evidence is everywhere, numbers even an English teacher can’t ignore. Newton, Natick, Nee… I am allowed to say Needham, yes? …that has to be two thousand high school graduates right there, give or take, and that’s just the neighborhood Ns. Across the country no fewer than 3.2 million seniors are graduating about now from more than 37,000 high schools. That’s 37,000 valedictorians… 37,000 class presidents… 92,000 harmonizing altos… 340,000 swaggering jocks… 2,185,967 pairs of Uggs. But why limit ourselves to high school? After all, you’re leaving it. So think about this: even if you’re one in a million, on a planet of 6.8 billion that means there are nearly 7,000 people just like you. Imagine standing somewhere over there on Washington Street on Marathon Monday and watching sixty-eight hundred yous go running by. And consider for a moment the bigger picture: your planet, I’ll remind you, is not the center of its solar system, your solar system is not the center of its galaxy, your galaxy is not the center of the universe. In fact, astrophysicists assure us the universe has no center; therefore, you cannot be it. Neither can Donald Trump… which someone should tell him… although that hair is quite a phenomenon.

“But, Dave,” you cry, “Walt Whitman tells me I’m my own version of perfection! Epictetus tells me I have the spark of Zeus!” And I don’t disagree. So that makes 6.8 billion examples of perfection, 6.8 billion sparks of Zeus. You see, if everyone is special, then no one is. If everyone gets a trophy, trophies become meaningless. In our unspoken but not so subtle Darwinian competition with one another–which springs, I think, from our fear of our own insignificance, a subset of our dread of mortality — we have of late, we Americans, to our detriment, come to love accolades more than genuine achievement. We have come to see them as the point — and we’re happy to compromise standards, or ignore reality, if we suspect that’s the quickest way, or only way, to have something to put on the mantelpiece, something to pose with, crow about, something with which to leverage ourselves into a better spot on the social totem pole. No longer is it how you play the game, no longer is it even whether you win or lose, or learn or grow, or enjoy yourself doing it… Now it’s “So what does this get me?” As a consequence, we cheapen worthy endeavors, and building a Guatemalan medical clinic becomes more about the application to Bowdoin than the well-being of Guatemalans. It’s an epidemic — and in its way, not even dear old Wellesley High is immune… one of the best of the 37,000 nationwide, Wellesley High School… where good is no longer good enough, where a B is the new C, and the midlevel curriculum is called Advanced College Placement. And I hope you caught me when I said “one of the best.” I said “one of the best” so we can feel better about ourselves, so we can bask in a little easy distinction, however vague and unverifiable, and count ourselves among the elite, whoever they might be, and enjoy a perceived leg up on the perceived competition. But the phrase defies logic. By definition there can be only one best. You’re it or you’re not.

If you’ve learned anything in your years here I hope it’s that education should be for, rather than material advantage, the exhilaration of learning. You’ve learned, too, I hope, as Sophocles assured us, that wisdom is the chief element of happiness. (Second is ice cream… just an fyi) I also hope you’ve learned enough to recognize how little you know… how little you know now… at the moment… for today is just the beginning. It’s where you go from here that matters.

As you commence, then, and before you scatter to the winds, I urge you to do whatever you do for no reason other than you love it and believe in its importance. Don’t bother with work you don’t believe in any more than you would a spouse you’re not crazy about, lest you too find yourself on the wrong side of a Baltimore Orioles comparison. Resist the easy comforts of complacency, the specious glitter of materialism, the narcotic paralysis of self-satisfaction. Be worthy of your advantages. And read… read all the time… read as a matter of principle, as a matter of self-respect. Read as a nourishing staple of life. Develop and protect a moral sensibility and demonstrate the character to apply it. Dream big. Work hard. Think for yourself. Love everything you love, everyone you love, with all your might. And do so, please, with a sense of urgency, for every tick of the clock subtracts from fewer and fewer; and as surely as there are commencements there are cessations, and you’ll be in no condition to enjoy the ceremony attendant to that eventuality no matter how delightful the afternoon.

The fulfilling life, the distinctive life, the relevant life, is an achievement, not something that will fall into your lap because you’re a nice person or mommy ordered it from the caterer. You’ll note the founding fathers took pains to secure your inalienable right to life, liberty and the pursuit of happiness–quite an active verb, “pursuit”–which leaves, I should think, little time for lying around watching parrots rollerskate on Youtube. The first President Roosevelt, the old rough rider, advocated the strenuous life. Mr. Thoreau wanted to drive life into a corner, to live deep and suck out all the marrow. The poet Mary Oliver tells us to row, row into the swirl and roil. Locally, someone… I forget who… from time to time encourages young scholars to carpe the heck out of the diem. The point is the same: get busy, have at it. Don’t wait for inspiration or passion to find you. Get up, get out, explore, find it yourself, and grab hold with both hands. (Now, before you dash off and get your YOLO tattoo, let me point out the illogic of that trendy little expression–because you can and should live not merely once, but every day of your life. Rather than You Only Live Once, it should be You Live Only Once… but because YLOO doesn’t have the same ring, we shrug and decide it doesn’t matter.)

None of this day-seizing, though, this YLOOing, should be interpreted as license for self-indulgence. Like accolades ought to be, the fulfilled life is a consequence, a gratifying byproduct. It’s what happens when you’re thinking about more important things. Climb the mountain not to plant your flag, but to embrace the challenge, enjoy the air and behold the view. Climb it so you can see the world, not so the world can see you. Go to Paris to be in Paris, not to cross it off your list and congratulate yourself for being worldly. Exercise free will and creative, independent thought not for the satisfactions they will bring you, but for the good they will do others, the rest of the 6.8 billion–and those who will follow them. And then you too will discover the great and curious truth of the human experience is that selflessness is the best thing you can do for yourself. The sweetest joys of life, then, come only with the recognition that you’re not special.

Because everyone is.

Congratulations. Good luck. Make for yourselves, please, for your sake and for ours, extraordinary lives."

David McCullough

12/03/2012

É NORMAL TER VONTADE DE DESISTIR DO CURSO DE ENGENHARIA?

(Publicado em 12/03/2012)

Olá caro amigo engenheiro Ênio Padilha.
Eu estou fazendo o curso de Engenharia Civil em Minas Gerais, mas não estou dando muita sorte, as provas estão indo mal, ou melhor, so tive uma né, mas ja deu para tirar experiência. Mas gostaria de saber de você, que ja passou por tudo isso, o que eu tenho que fazer para superar todas essas dificuldades.
Este é meu sonho e nao vou deixar passar por água a baixo não. Me dê uma dica por favor. Abraços

Salomao Brumano Madureira | Coronel Fabriciano - MG
(Nesta seção, o nome e a cidade são trocados sempre que solicitado pelo leitor)

Resposta de Ênio Padilha

Prezado Salomão

Sei muito bem o que é isso. Nunca fui um aluno brilhante no curso de Engenharia! Tive muitas dificuldades. Sofria muito para tirar notas mínimas e decepcionantes. Era uma tristeza!
Mas de uma coisa posso me orgulhar:

Leia a resposta completa do Ênio Padilha

10/02/2012

ENGENHEIRO CIVIL PRECISA MUDAR DE CIDADE O TEMPO TODO?

(Publicado em 10/02/2012)

Caro Eng. Ênio: Vou prestar vestibular este ano, mas ainda estou em dúvida sobre qual curso escolher. Um dos cursos que cogitei é Engenharia Civil, porém andei pesquisando sobre a profissão e percebi que a maioria dos engenheiros muda de cidade a todo instante, coisa que eu não gostaria de fazer. Teria como eu me tornar engenheiro e desempenhar outras funções na área sem precisar viajar o tempo todo ou isso faz parte da profissão e não tem como mudar?

João Pedro Linhares | Umuarama-PR
(Nesta seção, o nome e a cidade são trocados sempre que solicitado pelo leitor)

Leia a resposta de Ênio Padilha

09/02/2012

FIZ SUPLETIVO. QUERO FAZER ENGENHARIA!

(Publicado em 09/02/2012)

Oi Ênio, descobri o seu site recentemente e acessá-lo só fez aumentar meu interesse pela Engenharia. Pretendo entrar em breve para a faculdade e fazer este curso.
Minha dúvida é a seguinte: Como durante o ensino médio interrompi meus estudos por três anos, quando voltei a estudar tive que fazer o programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA).
Fiz o segundo e o terceiro ano em apenas um, por isso o ensino ficou muito comprometido. Estou receioso, não sei como me preparar, tenho medo de enfrentar muita dificuldade no curso. Como me preparar para não entrar na faculdade e ficar perdido?
Grato pela atenção.
Abraço.

Mário Sabino | Uberlândia-MG
(Nesta seção, o nome e a cidade são trocados sempre que solicitado pelo leitor)

Leia a resposta de Ênio Padilha:

07/02/2012

ANGÚSTIA DE RECÉM-FORMADO

(Publicado em 07/02/2012)

Prezado Ênio Padilha
Sou recém formada em Engenharia de Produção. Peço alguns conselhos de como não se desesperar na busca de uma colocação no mercado, no qual se mostra altamente competitivo, lidando com a existência do preconceito subliminar contra as mulheres em áreas antes dominadas por homens.
Estou passando por uma das piores fases da minha vida, onde vem a frustração de não alcançar o sonho constituído apenas de uma oportunidade para me desenvolver e além disso tendo que lidar com as cobranças cruéis da sociedade, sofrendo insinuações diárias sobre a minha capacidade já que não consigo a tão almejada oportunidade de trabalho.
Como lidar com essa pressão social e familiar? Venho ressaltar que de minha parte não existe falta de atitude estou fazendo de tudo ao meu alcance e no momento só me resta o conforto espiritual.
Obrigada!

Maria do Carmo | Itabira-MG
(Nesta seção, o nome e a cidade são trocados sempre que solicitado pelo leitor)

Com a resposta completa, depois dos esclarecimentos prestados pela leitora...

Leia a resposta de Ênio Padilha

19/01/2012

ENGENHEIRO E ADVOGADO (é bom isso?)

(Publicado em 19/01/2012)

Boa noite Sr. Ênio.

Sou engenheiro civil há mais de 6 anos e estou cursando o último ano do curso de direito.
Pretendo atuar em uma grande empresa de engenharia na área de gerência de contratos ou até mesmo na área jurídica.
Gostaria de uma dica de como conseguir uma vaga nessa área. Me parece que o mercado não reconhece bem essa combinação de formação, até porque não é muito comum. Ou estou equivocado?

Desde já, obrigado pela atenção.

Bruno Souza | Manhuaçu-MG
(Nesta seção, o nome e a cidade são trocados sempre que solicitado pelo leitor)

Leia a resposta de Ênio Padilha

19/09/2011

PRA QUE ESTUDAR TANTO CÁLCULO E FÍSICA?

(Publicado em 19/09/2011)

Caro Sr. Engº Enio Padilha,
Lendo alguns de seus artigos, percebi que o Senhor é uma das pessoas que poderia me dar alguns conselhos.
Estou concluindo o Curso de Engenharia Civil mas estou preocupado, pois nao estou confiante com a qualificação e instruções que recebi ao longo dos 4,5 anos de curso, ou seja, Estou prestes e me tornar Engenheiro Civil e TODAS aquelas aulas de Cálculo etc.. não me serviram para nada. NÃO SEI O QUE FAZER.
Quais são, hoje, os requisitos BÁSICOS necessários para um Engenheiro Civil recem formado?

Mateus Pereira | xxx
(Nesta seção, o nome e a cidade são trocados sempre que solicitado pelo leitor)


Resposta de Ênio Padilha

Prezado Mateus...

Leia a resposta de Ênio Padilha

05/04/2011

AINDA HÁ TEMPO PARA SER ENGENHEIRO?

;

(Publicado em 18/02/2011)

Boa tarde, Enio

Vi um dos seu artigos na Internet e gostei muito. Tenho uma duvida cruel: sou funcionário efetivo da prefeitura e também já sou formado em Licenciatura em Matemática. Tenho 34 anos queria ingressar na faculdade de Engenharia Civil, mas tenho receios de ser "velho para o mercado" e também largar minha ''Estabilidade"... ilusória ganhando mal...

Penso em ingressar nesta área mas tenho esse receio... tem campo? será que sou velho? faço certo largar meu serviço efetivo? Aguardo sua sugestão.

Marcelo Coelho de Amorim - São Paulo-SP
(Nesta seção, o nome e a cidade são trocados sempre que solicitado pelo leitor)


RESPOSTA

Marcelo.
Vários colegas, estudantes de Arquitetura ou de Engenharia, já me fizeram esta mesma pergunta. A minha resposta é sempre a mesma:

1) O mercado de trabalho está cada vez menos restritivo a pessoas de mais idade, especialmente quando a atividade envolve conhecimentos técnicos.
Portanto, siga em frente que as chances são muito boas.

2) Se você estivesse com 40 ou 50 anos a minha resposta seria a mesma: não existe essa história de "muito tarde". A profissão de engenheiro não exige juventude para ser exercida. Não precisa de força fisica ou resistência aeróbica. Precisa de energia mental, inteligência, criatividade e muita, muita vontade. Iniciar uma carreira de engenheiro aos 40 ou 50 anos não será problema nenhum, acredite.
Estarei aqui na torcida. E na certeza de que a sua vida terá uma mudança muito grande.
E para muito melhor!

Abraço!



Leia as minhas respostas aos comentários abaixo e também o artigo VELHO DEMAIS PARA CURSAR ENGENHARIA OU ARQUITETURA? com mais detalhes sobre este tema.

Leia a resposta de Ênio Padilha e os comentários dos leitores


« 1 2 3 4 5 6 7 8 »