Notas de "ADMINISTRAÇÃO - GERAL"

16/08/2017

PATRIMÔNIO MATERIAL E IMATERIAL EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA

(Publicado em 16/08/2017)





Uma das coisas muito importantes de uma empresa prestadora de serviços é o seu Patrimônio Imaterial. Em alguns casos ele pode valer mais (muito mais) do que o patrimônio físico.

Pode-se dizer que o patrimônio total de uma empresa é o conjunto dos recursos que a empresa possui ou controla. Esses recursos podem ser

RECURSOS DE CAPITAL MATERIAL
● Instalações
• Equipamentos
• Ativos Financeiros

RECURSOS DE CAPITAL HUMANO
● Talentos
● Conhecimentos
● Habilidades
● Redes de Relacionamento

RECURSOS DE CAPITAL ORGANIZACIONAL
● Estrutura Empresarial
● Documentação e Registros
● Valor de Marca
● Capacidade Produtiva
• Capacidade Gerencial
• Capacidade Comercial

NESTE ARTIGO vamos nos deter nos talentos, conhecimentos e habilidades pessoais e de como isto pode resultar em Capacidades pessoais e empresariais.

Talentos, conhecimentos, habilidades e capacidades são conceitos nem sempre muito claros. Pode haver alguma confusão. Por isto vamos tentar esclarecer umas coisinhas abaixo:

TALENTO pode ser definido como uma habilidade natural para fazer algo melhor do que a maioria das outras pessoas. Essa habilidade pode ser específica, como jogar basquetebol, correr, cantar, desenhar, esculpir, falar em público, pilotar carros de corrida, compor músicas, fazer filmes, calcular... ou genérica como o talento para as artes plásticas, para os esportes, para a música, para línguas ou para a ciência.

Talento é inato. Nasce com a pessoa. E aparece cedo (como que pedindo para ser explorado e desenvolvido).
Não existe maneira de adquirir talento! Por isso é que o termo "Talento Natural" soa como uma redundância, posto que não existe "Talento Artificial" E é importante dizer que são raríssimas as pessoas totalmente desprovidas de qualquer talento. Todos temos algum tipo de talento. É preciso identificá-lo e desenvolvê-lo para que possamos capitalizar o nosso potencial.

Uma empresa de engenharia ou de arquitetura que tenha entre seus associados ou empregados uma ou mais pessoas com talentos extraordinários (carisma, criatividade, fluência verbal, sensibilidade artística, inteligência presente, senso estético, boa memória, domínio da lógica matemática) tem um patrimônio imaterial importante.


CONHECIMENTO é uma alternativa ao talento. Talento é sorte, conhecimento é resultado de dedicação e disciplina. Conhecimento é a conexão de conceitos, o entendimento aprofundado de técnicas e tecnologias.

O conhecimento se obtém com estudo (em cursos e palestras), leitura de livros e revistas técnicas, realização de pesquisas e experiências e compartilhamento de resultados com outros interessados.

O domínio do conhecimento é o domínio da teoria.


HABILIDADE é o domínio da prática. É o que se consegue ao fazer a mesma coisa muitas, muitas e muitas vezes.
Aristóteles dizia que "você é aquilo que você repetidamente faz. Excelência não é um evento. É um hábito". Isso vale para o exercício de qualquer profissão.
Um profissional que deseje se tornar um especialista numa determinada área e obter um desempenho diferenciado precisa praticar sistematicamente aquela atividade por muito tempo.

Mas, atenção, A EXPERIÊNCIA NÃO SE OBTÉM APENAS COM A PASSAGEM DO TEMPO E O EXERCÍCIO DA ATIVIDADE. Dois profissionais com o mesmo tempo de atividade na mesma área podem apresentar desempenhos muito distintos.

O exercício da prática precisa ser sustentado pela boa teoria (o conhecimento). Imagine que dois jogadores de futebol com o mesmo nível de talento, treinem cobranças de faltas durante uma hora, todos os dias. Depois de um ano, com certeza os dois serão cobradores de falta melhores do que a média dos jogadores. Porém, digamos que o jogador A cobre 20 faltas por dia e o jogador B cobre 50; O jogador A cobra as faltas sempre com a mesma posição da bola e da barreira, enquanto o jogador B cobra as faltas de posições diferentes tanto da bola quanto da barreira; O jogador A apenas cobra a falta e verifica se a bola entrou ou não. O jogador B, auxiliado por um treinador, registra cada cobrança e, antes de cada treino faz uma avaliação das cobranças do dia anterior, definindo novos parâmetros para as cobranças daquele dia (distância da corrida até a bola, posição do pé no chute, força na bola)… é claro que, ao final do ano, o jogador B obtém melhor performance, você não concorda?

No exercício profissional da Engenharia ou da Arquitetura, cada dia, cada novo cliente, cada novo serviço deve ser registrado, analisado, e servir de base para o ajuste da performance seguinte. É assim que se faz um campeão.

Se você quer ficar (realmente) bom em alguma coisa, se quer atingir o nível de excelência, precisa aceitar o fato de que precisa praticar diariamente. Repetir os gestos e práticas por mais vezes do que o confortável. E preciso ir muito além da zona do prazer. É preciso ter disciplina. É claro que se a repetição disciplinada de uma determinada atividade é contemplada com o talento o efeito é a excelência total.


Talento é dom. Conhecimento é teoria. Habilidade é prática.

CAPACIDADE = Talento + Conhecimento + Habilidade + Estrutura

Esta nova variável introduzida na nossa equação (estrutura) nos remete a uma conclusão importante: capacidade é sempre um recurso do escritório (e não das pessoas). A manifestação das capacidades dependem de ambiente, instrumentos, equipamentos, organização, enfim, estruturas. As capacidades do escritório são sempre combinações de recursos de natureza física, organizacional e humana. E, o mais importante: são as capacidades que geralmente representam Recursos Valiosos e que resultam em Diferenciais Competitivos

Um profissional pode ser excelente em programação de computadores, mas, para desenvolver um software ele precisa de um bom computador, ambiente adequado, internet de qualidade e outros recursos da organização. Assim como o melhor cirurgião não poderá fazer um trabalho de excelência sem os instrumentos, o ambiente e os auxiliares adequados.

Quando talento, conhecimento, habilidade e estrutura se encontram as capacidades se manifestam. Mas isso, infelizmente, não é uma coisa que se vê todo dia ou em qualquer lugar.

Na próxima semana vou publicar aqui outro artigo, com alguns exemplos de recursos que representam patrimônio imaterial em escritórios de Engenharia



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br



---Artigo2017

Deixe AQUI o seu comentário

14/08/2017

COMO DELEGAR SEU TEMPO?

Poucas coisas são tão preciosas quanto nosso tempo. Afinal, como disse uma vez Napoleão Bonaparte, territórios, instrumentos, poder, tudo isso se pode recuperar. Tempo, não. Por isso, é fundamental saber organizar bem o uso que você faz do seu. E isso passa por uma questão primordial: delegar. Concentrar atividades prejudica o andamento de qualquer negócio e cria entraves sérios às carreiras de empreendedores e executivos ao redor do mundo.

"Você tem tempo? Se não tem, está precisando delegar mais", afirma Marisabel Ribeiro, que voltou ao meuSucesso.com nesta semana, dessa vez dedicado ao tema "gestão do tempo". Ela ressalta na aula que existem vários ladrões do tempo e cita alguns: interrupções, reuniões, atividades paralelas, não saber dizer não, ambiente de trabalho agitado, visitas, telefonemas, e-mails. Nenhum, no entanto, é tão feroz quanto a dificuldade de delegar.

Mas por que não delegamos?



Clique sobre a imagem ou AQUI para obter mais informações no site administradores

Comentários?

11/08/2017

ALGUNS MOTIVOS QUE LEVAM A SOCIEDADE EMPRESARIAL
A NÃO DAR CERTO
André França

Recentemente me atrevi a começar um negócio e quatro meses depois perdi um amigo, parte do investimento e as esperanças de que um negócio pode dar certo.

Alguns meses depois de analisar tudo o que aconteceu, quais foram os erros, que atitudes tomar na hora das adversidades, dentre outros, percebo que alguns pontos importantes são comuns para que uma sociedade não dê certo.

Um dos pontos a se observar é o de que deve-se começar um negócio que tenha amplo conhecimento ou, caso não tenha, é bom buscar tais informações antes de começar a fim de planejar com cuidado cada passo a ser dado.

O planejamento errado, ousado demais ou a falta de ousadia são fatores negativos para o sucesso de qualquer empreendimento, não só o desta modalidade.

A falta de um contrato ditando direitos e deveres, valor de investimento dentre tantos outros detalhes de cada parte, pode acabar com um negócio antes mesmo de ele começar. Um exemplo claro disso seria um apontar que a obrigação por determinada tarefa é de tal pessoa, e não sua.

As obrigações e responsabilidades devem ficar sempre claras e não precisam ser relembradas a todo momento. Cada um deve saber o que é de sua responsabilidade.



Continue a leitura clicando sobre a imagem ou AQUI.

Comentários?

10/08/2017

5 DICAS PARA TURBINAR SUA EMPRESA COM MELHOR
PLANEJAMENTO FINANCEIRO

Manter a estrutura financeira organizada e equilibrada é o primeiro e o mais importante desafio do empreendedor. Para isso, ele deve contar não apenas com as ferramentas tradicionais de controle e planejamento, mas também com a tecnologia e estratégias de negociação.

Esses fatores, quando combinados, fazem com que o planejamento aconteça de forma mais simples e barata que o imaginado por muitos. Impor disciplina nos gastos e atenção a toda movimentação financeira é o segredo das empresas saudáveis.

O Administradores selecionou 5 maneiras de melhorar o planejamento financeiro da empresa e evitar problemas futuros. Confira:



Clique sobre a imagem ou AQUI para obter mais informações no site administradores

Comentários?

19/07/2017

VOCÊ TEM FOME DE QUÊ?

(Publicado em 19/07/2017)



THE FOUNDER (FOME DE PODER) - Vi o filme ontem, no Netflix. Eu tinha lido tantas críticas negativas que já estava preocupado. Porém, muitas dessas críticas vinham de gente que se enquadra bem no perfil tratado no meu artigo EXCELÊNCIA APEDREJADA, publicado no meu blog em 2014.





Bom, pra começo de conversa, Ray Kroc (interpretado por Michael Keaton) não é nenhum santo. Mas não é pior do que a maioria dos empreendedores capitalistas de sucesso mundial que conhecemos. É só ler as biografias. Nenhum deles tem uma história intocável.

Richard e Maurice McDonald, fundadores do primeiro restaurante da marca (interpretados por Nick Offerman e John Carrol Lynch) desenvolveram com perfeição um processo produtivo excelente, seguindo cada milímetro da Teoria da Administração Científica de Frederick W. Taylor. É bom lembrar que esses conhecimentos estavam amplamente disseminados nos EUA na primeira metade do Século XX e muitas empresas os utilizavam. Eles foram os primeiros a fazerem isso no ramo de restaurantes. Mas eles não tiveram a visão do valor do que haviam criado. Isto é muito comum: as pessoas têm um produto excelente mas não conseguem transformar isso em um bom negócio. Porque o mundo dos negócios não é um conto de fadas. Não é um jardim de infância.

O grande mérito de Ray Kroc foi ter tido essa visão e ter feito todos os sacrifícios para concretizá-la. Richard e Maurice McDonald jamais teriam feito isso. Seu sistema teria sido copiado por outros concorrentes e certamente eles teriam sido engolidos antes dos anos 1970.

Ray Kroc teve exatamente o que faltava aos irmãos McDonald: visão, coragem, persistência, disposição para assumir riscos e capacidade de liderança.

Ray Kroc deu cotoveladas em adversários, como Pelé. Atirou o carro sobre o concorrente, como fez Ayrton Senna. Deu água batizada aos adversários, como Maradona. Sua biografia poderia não conter esses pecados. Mas esses pecados não definem a sua realização. Uma roseira produz folhas, espinhos e flores. Julgar a roseira apenas pelos espinhos que ela tem é fazer um julgamento limitado, pra dizer o mínimo.

Mas, enfim… é possível aprender algumas coisas com o filme (com a história fascinante desses três personagens):

Com os irmãos McDonald aprendemos que é preciso ter foco: quando eles tinham um restaurante convencional perceberam que 87% das vendas vinham de apenas 3 produtos: hamburguer, fritas e refrigerante. O primeiro “segredo” do sucesso do McDonalds era o portfólio restrito a esses três produtos. É preciso se especializar para alcançar a excelência. E isso foi a primeira coisa que eles fizeram.

Eles também provaram que a sistematização dos processos produtivos pode ser levada ao extremo, seja qual for o seu ramo de negócio. Sistematizar processos significa ganhar tempo, qualidade e produtividade. Mas nenhum restaurante do mundo, até 1948, tinha se dado conta disso. E muitos escritórios de Engenharia ou de Arquitetura ainda acha que isso é impossível de se aplicar ao seu ramo de negócio.

Sua empresa não é apenas uma oficina, um local de trabalho. Ela é um negócio. Essa visão, introduzida por Kroc, foi fundamental para transformar uma ótima idéia em um negócio de sucesso. Controle financeiro, gestão dos recursos humanos e administração do mercado (marketing) são as outras três pernas da mesa chamada NEGÓCIO. O que os irmãos McDonald estavam tentando fazer era administrar uma mesa que só tinha uma perna (ainda que essa perna fosse muito forte).

Pra finalizar: o título original do filme é “The Founder” (o fundador). No Brasil recebeu o enviesado título “Fome de Poder”. Isso diz mais sobre os brasileiros do que sobre o filme (ou sobre Ray Kroc ou a própria McDonald’s.)



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br




A imagem que ilustra este artigo é um detalhe do cartaz oficial do filme, nos EUA.
- http://thefounderfilm.com



---Artigo2017

Deixe AQUI o seu comentário

17/07/2017

VOCÊ PLANEJOU SUA CARREIRA OU APENAS SEGUIU TRABALHANDO, ESPERANDO QUE ALGO ACONTECESSE?
Denilson Giungi

Gerenciamento de carreira não é uma ciência exata e um bom planejamento contribui bastante para conseguir alcançar seu objetivo, além de preparar você para superar eventuais "fracassos"

Tudo em sua vida é sua responsabilidade, inclusive sua carreira!

Você é o que merecer ser!

Você tem o que merece ter!

Você está onde merece estar!

As afirmações acima são duras e, inicialmente, há uma certa resistência em você aceitá-las. Entretanto, se analisar racionalmente, verá que não há do que reclamar. Se planejou e está satisfeito, precisa continuar planejando. Se planejou e os resultados não foram os esperados, precisa rever o planejamento com urgência. Se não planejou, apenas trabalhou contando com a sorte na esperança de que algo acontecesse e precisa começar a planejar com urgência. Nos dois últimos casos, ainda há tempo!

Continue a leitura...



Clique sobre a imagem ou AQUI para obter mais informações no site administradores

Comentários?

21/06/2017

09/05/2017

PROTOCOLO 89

O principal problema relatado por profissionais que buscam ajuda para organizar e administrar seus escritórios está no fato de que a maioria dos Consultores e Agências disponíveis no mercado NÃO CONHECEM A REALIDADE DOS ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA.



O mercado de Engenharia e Arquitetura enfrenta dificuldades típicas da prestação de Serviços:
• Intangibilidade dos produtos;
• Inseparabilidade entre fornecedores e clientes;
• Variabilidade no processo produtivo;
• Inarmazenabilidade da produção;
• Improtegibilidade das tecnologias produzidas;
• Precificação Subjetiva;

Além disso, ainda enfrenta dificuldades que são próprias da Arquitetura e da Engenharia:
• Produto de Consumo Restrito (muito pouca gente compra, poucas vezes na vida);
• Produto com alto componente intelectual agregado;
• Produto Intermediário (não é produto final, portanto, não desperta interesse imediato do cliente);
• Produto com vantagens e benefícios não evidentes para o cliente.

Entender isso e construir soluções que enfrentem e resolvam esses problemas não é nada fácil. E isto é (modéstia à parte) exatamente o que nós fazemos.




Depois de muitos anos trabalhando na sua formatação, finalmente encontrei um formato de solução que pode, efetivamente, ajudar os colegas engenheiros e arquitetos.



Protocolo 89 é o nome do serviço de consultoria oferecido pelo engenheiro e professor Ênio Padilha para pequenos escritórios de Engenharia ou de Arquitetura.

Trata-se de um processo de autointervenção orientada desenvolvido especificamente para escritórios de Arquitetura ou de Engenharia com até 15 pessoas (entre sócios e empregados e terceirizados regulares).

Consiste num conjunto de passos assumidos pelo proprietário ou pelos sócios do escritório durante 21 semanas (aproximadamente 5 meses) com o objetivo de fazer um reconhecimento (análise e diagnóstico) da empresa e do ambiente no qual ela atua, bem como estabelecer novos padrões de funcionamento, gestão, e administraçao estratégica, orientados pelas teorias da administração e, particularmente, pela Visão da Empresa Baseada em Recursos (Teoria dos Recursos ou RBV).




Baseado no meu mais recente livro "ADMINISTRAÇÃO DE ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA" e sustentado pelas mais recentes perspectivas teóricas da Administração, este trabalho é desenvolvido em duas frentes: a análise e recomposição das estratégias de administração da empresa e a sistematização dos processos de gestão, através da implementação de um ERP (Enterprise Resource Planning, no Brasil também conhecido como SIGE: Sistemas Integrados de Gestão Empresarial) desenvolvido especialmente para pequenos escritórios de Arquitetura e de Engenharia (até 10 empregados)




A consultoria/assessoria é por tempo determinado (de 21 semanas) e, ao final desse período, espera-se que o o titular do escritório obtenha conhecimento e autonomia para que o escritório possa alcançar uma nova posição no mercado e buscar novos desafios




Faça agora o Download do documento com a
PROPOSTA DETALHADA DE CONSULTORIA/ASSESSORIA DE ADMINISTRAÇÃO PARA ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA
(incluíndo as informações comerciais
e condições de contratação)



Faça contato: professor@eniopadilha.com.br

Comentários:

01/05/2017

ADMINISTRAÇÃO DE ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA
(3ª Edição - Janeiro de 2017)

Os bastidores dos negócios bem sucedidos: do processo de escolha dos sócios à determinação dos preços (passando pelo treinamento dos empregados, sistematização de processos,controle financeiro e Marketing)

ÊNIO PADILHA
3ª ed. 2017 - 200 páginas
ISBN 978-85-62689-80-2 - OitoNoveTrês Editora

Apresentação: Ricardo Meira (Arquiteto, Quadrante Arquitetura, Brasília)
Prefácio: Rodrigo Bandeira-de-Melo (Engenheiro e Professor da FGV, SP)




POR QUE LER?



Este livro foi produzido durante 9 anos (entre 2004 e 2012). Contém o resultados de pesquisas e estudos feitos pelo autor em escritórios de Arquitetura e de Engenharia em todo o Brasil e também a experiência de colegas arquitetos e engenheiros debatidas no curso "Como Organizar e Administrar Escritórios de Arquitetura e de Engenharia" que foi apresentado em mais de 30 cidades de quase todos os estados brasileiros entre 2005 e 2011 (a partir de 2012 o curso recebeu novo conteúdo e passou a ter o título de "Administração de Escritórios de Arquitetura e de Engenharia").

Nesta terceira edição o livro recebeu um tratamento especial. Foi eliminado um capítulo e acrescentado outros três. O livro ganhou 25 páginas e foi totalmente revisado, atualizado e ampliado.

O objetivo do trabalho é dar ao leitor os conhecimentos básicos de Administração para (à partir do zero) fazer o planejamento, a organização, a instalação e a sistematização do seu escritório, obtendo eficiência na gestão e eficácia nas estratégias.

Para isto optou-se por dar ao livro uma seqüência de conteúdo que vai da discussão sobre o Empreendedorismo (primeiro capítulo) até as questões sobre os diferenciais competitivos que levam à Vantagem Competitiva (no último capítulo, sobre Marketing).

Do segundo ao penúltimo capítulo o leitor se encontrará com um panorama geral sobre as Teorias da Administração (desde Taylor e Fayol até os nossos dias), informações (instrucões) para planejar e executar a abertura do escritório, e todas as tarefas, obrigações e responsabilidades do Administrador do Escritório nas quatro grandes áreas da Administração (Produção, Recursos Humanos, Financeiro e Mercado).

A Administração Financeira recebeu uma atenção especial, tendo sido dedicado a ela quatro dos doze capítulos do livro (60 páginas). São tratados, detalhadamente todos os custos de abrir um escritório, mantê-lo em operação e produzir serviços. Também é tratada a questão da remuneração do profissional e como separar as retiradas feitas à título de pro labore, remuneração por serviços técnicos e distribuição de lucros.

Um dos quatro capítulos é dedicado a discutir as formas de precificação mais utilizadas pelos profissionais e apresentar um novo modelo, baseados nos custos do escritório, na produtividade, na expectativa de lucro e também no "Fator K", determinado pelos diferenciais competitivos do escritório.

Boa leitura, bom trabalho e bons negócios.

OitoNoveTrês Editora






SUMÁRIO



1 O DIA EM QUE EU ABRI O MEU ESCRITÓRIO DE ENGENHARIA
• Meu primeiro Escritório
• O Empreendedor, o Técnico e o Gerente (a metáfora, de Michael Gerber)

2 EMPREENDEDORISMO
• Características de um empreendedor
• Pode uma pessoa sem as características de um empreendedor tornar-se
um bom empresário?

3 AS TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO
• Tudo começou com Taylor
• Teoria da Administração Científica
• Teoria Clássica da Administração
• Teoria das Relações Humanas
• Teoria da Burocracia Estruturalista
• Teoria Neoclássica
• Teoria Comportamental
• Teoria dos Sistemas na Administração
• Teoria da Contingência
• Além das Teorias
• Conclusões deste capítulo

4 A CRIAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE ENGENHARIA/ARQUITETURA
• Modelo de Negócio
• A sociedade entre profissionais
• Crenças Valores e Princípios
• A divisão das cotas entre os sócios

5 QUANTO CUSTA ABRIR UM ESCRITÓRIO
• Recursos de Capital Material
• Recursos de Capital Organizacional
• Recursos de Capital Humano
• Capital Social Inicial


6 TAREFAS E RESPONSABILIDADES
• O escritório dos sonhos
• As tarefas de um escritório
• Tarefas Técnicas
• Tarefas Administrativas
• A pirâmide das tarefas
• Conclusões preliminares
• Cargos e Funções
• O administrador profissional

7 O PASSO-A-PASSO PARA A CRIAÇÃO DO ESCRITÓRIO
• A contabilidade da empresa
• Responsabilidades do escritório de contabilidade
• O papel dos contadores na sobrevivência das micro e pequenas ampresas (Cláudio Raza)
• O Contrato Social
• O registro da empresa

8 AS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO
• Uma introdução ao estudo das grandes áreas da Administração

9 ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO
• O conceito de Administração da Produção
• Tarefas do Administrador da Produção
• Produtos de um Escritório de Arquitetura/Engenharia
• Projeto
• Consultoria e Assessoria
• O que precisa ser administrado
• O processo de transformação de insumos em produtos
• Sistematização de Processos (o desenvolvimento dos Algoritmos)
• Algoritmo de Tarefa
• Algoritmo de Serviço
• Ferramenta de Gestão (Ordem do Dia)
• Arranjos de Espaço Físico
• Manual Interno de Procedimentos Operacionais
• Definição do perfil das pessoas para a equipe de trabalho
• Definição do escopo dos produtos do escritório (o que deve estar
incluído no serviço oferecido ao mercado)
• Determinação do tempo necessário para a realização de cada serviço
oferecido ao mercado

10 ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS
• Os conceitos de Administração de Recursos Humanos
• As Tarefas do Administrador de RH
• Quem precisa de empregados
• Tarefas e rotinas operacionais de um escritório
• Por que arquitetos e engenheiros relutam tanto
em contratar uma secretária?
• Qual é o jeito certo de contratar uma secretária?
• O que o empregado quer (ou espera) do seu escritório
• O que o seu escritório deve querer (ou esperar) dos seus empregados
• O treinamento dos empregados e o sucesso do escritório
• Por onde começar
• A política Geral de RH

11 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1
• Os Conceitos Gerais de Administração Financeira
• As Tarefas do Administrador Financeiro
• Custo de Manutenção do Escritório (Custo Fixo Operacional)
• Conta 1201
• Carga tributária, informalidade e mortalidade empresarial.

12 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 2
• Remuneração do Profissional em um Escritório
• Remuneração sobre serviços realizados
• Pro labore
• Distribuição de Lucros

13 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 3
• Uma reflexão sobre o valor comercial do seu tempo
(ou de quanto podemos cobrar pelo uso do nosso tempo)
• Apresentação sumaria do novo modelo de
precificação de serviços de Arquitetura e de Engenharia
• Uma palavrinha sobre precificação de serviços de
acordo com o senso comum
• Uma discussão (necessária) sobre os modelos de precificação existentes
(por que os modelos de precificação atualmente adotados estão
equivocados - e porque eles continuam sendo utilizados)
• Por que sou contra a existência de Tabelas de Honorários para Entidades de Classe
• Em cada Escritório uma tabela própria de honorários
• Um novo Modelo de Precificação para Serviços de Engenharia e de
Arquitetura

14 ADMINISTRAÇÃO DO MERCADO
• Tarefas do Administrador de Mercado (Gerente ou Diretor de Marketing)
• Breve história do marketing no mundo
• A definição de Marketing
• As características da prestação do serviço e o marketing
• Diferencial Competitivo e Vantagem Competitiva
• Breve apresentação da SCP e da RBV
• Heterogeneidade de Recursos e Diferencial Competitivo
• Os Recursos de um Escritório como fonte de Diferencial Competitivo
• Estrutura da empresa
• Imagem da empresa e dos seus proprietários
• Capacidade de Produção
• Preparo Técnico e empresarial
• Redes de Relacionamento

PALAVRAS FINAIS (CONCLUSÃO)






CRÉDITOS



texto:


Ênio Padilha



ilustrações:


Ênio Padilha



apresentação:


Ricardo Meira
(Arquiteto, Quadrante Arquitetura, Brasília)



prefácio:


Rodrigo Bandeira-de-Mello
(Engenheiro e Professor da FGV, SP)



capa:


Helena Loch
Ênio Padilha



foto na 4a capa:


Alberto Ruy



produção executiva:


Áurea Loch



projeto gráfico:


Márcio Shalinski
Ênio Padilha



revisão gramatical
e ortográfica:


Bernadete Zucco



diagramação:


Márcio Shalinski



revisão editorial:


Clara Padilha



fotolitos, impressão
e acabamentos:


Gráfica e Editora Pallotti



© Copyright
e direitos autorais
reservados na forma
da lei para:


OitoNoveTrês Produções e Eventos






Clique AQUI e leia as primeiras 18 páginas do livro
(até o final do primeiro capítulo)



R$ 60,00



Deixe AQUI o seu comentário

07/12/2016

CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO: QUAL A DIFERENÇA?
Daniel Goleman

Os termos "criatividade" e "inovação" são frequentemente usados como sinônimos. Porém, quão similares - ou diferentes - são eles? Conversei com minha colega Teresa Amabile, expert em inovação no ambiente de trabalho, para a minha série de vídeos chamada "Liderança: Uma Master Class". Aqui está a visão dela sobre a conexão entre esses termos comumente usados e o que eles significam para os negócios.

Tudo começa com criatividade

De acordo com Teresa, a criatividade é essencialmente responsável por todo o progresso humano. É uma força fenomenal. Talvez, por isso, alguns pensem na criatividade como um mistério. Mas elas não deveriam. A pesquisa sobre o assunto, feita durante os últimos 50 ou 60 anos, esclarece a forma como a criatividade acontece. Basicamente, a criatividade é a produção de qualquer coisa. Poderia ser uma ideia, um produto tangível, uma performance. O que é desenvolvido deve também ser diferente do que já foi feito antes, em algum aspecto. Criatividade no ambiente de trabalho deve, além disso, estar direcionada a algum objetivo ou significado específico.

Continue a leitura...



Clique sobre a imagem ou AQUI para obter mais informações no site administradores

Comentários?


« 1 2 3 4 5 6 7 8 »