MICO DO ANO 2011 - TÔ INSCRITO

A coisa toda foi assim: cheguei em Salvador por volta do meio dia, conforme o previsto.
E, conforme o combinado, haveria um taxi à minha espera, providenciado pelo Crea-BA, promotor do evento. Enquanto eu aguardava pela bagagem na esteira o telefone tocou. Era o motorista, informando que estava me esperando lá fora, no saguão do aeroporto.
Peguei minha mala e saí. Lá estava o motorista me esperando (com plaquinha e tudo). Me ajudou com a bagagem e avisou que o taxi dele estava estacionado num local distante e que eu deveria esperar ali pra não ter de enfrentar aquele calor baiano...
Fiquei ali esperando. Daí a pouco ele chegou. Estacionou a uns oito,dez metros de onde eu estava, fez um sinal de positivo pra mim e eu fui até lá. ele me ajudou novamente com a bagagem. Acomodamos tudo no porta-malas e seguimos.

Logo que saimos ele me perguntou pra onde iriamos. Eu respondi \"desculpe, pensei que o senhor já soubesse\". Procurei o papel com o roteiro que estava no meu bolso e disse a ele o nome do hotel e o endereço.
Ele então fez uns cálculos de cabeça e disse \"o senhor prefere que eu ligue o taxímetro ou prefere pagar um valor combinado? vai dar uns noventa reais.\"
Eu disse \"Depende do que ficou combinado com o Crea. O que eles combinaram com o Sr?\"
Ele perguntou \"Crea? que Crea? O que é o Crea?\"
\"Ué. O Crea não mandou o senhor me apanhar e me levar no Hotel\"
\"Não senhor\"
\"Quem mandou o senhor, então?\"
\"Ninguém. Eu vim trazer um passageiro e o senhor entrou no meu carro...\"

Bom, nesse ponto da história devo fazer um parêntesis para contar uma característica importante que eu tenho: eu sou péssimo fisionomista. Não consigo guardar rostos. Sempre digo pras pessoas que acabei de conhecer uma coisa que elas muitas vezes consideram um exagero: \"se você sair daqui agora, trocar de roupa e a gente se encontrar ali na outra esquina, é provável que eu não o reconheça...\"

Pois bem, nesse caso, não foi preciso nem o motorista trocar de roupa. eu simplesmente entrei no carro de outro taxista, achando que estava com o mesmo que saíra minutos antes para buscar o seu.
Ele fez sinal de positivo. Eu achei que ele estava me chamando. Ele simplesmente achou que eu estava querendo um taxi... tava feita a confusão.

Tocou o telefone e era o taxista certo, querendo saber onde eu andava. A essas alturas eu já havia pedido ao motorista que fizesse meia volta e me devolvesse ao ponto onde a confusão havia começado.

Por sorte os dois motoristas se conheciam, demos boas risadas da confusão. Paguei R$ 10,00 pela voltinha inútil que eu dei nos arredores do aeroporto de Salvador... e ficou tudo bem

A não ser o detalhe de que um dos motoristas era preto. E o outro branco.

Tá feia a coisa!

DEIXE AQUI O SEU COMENTÁRIO

(todos os campos abaixo são obrigatórios

Nome:
E-mail:
Profissão:
Cidade-UF:
Comentário:

www.eniopadilha.com.br - website do engenheiro e professor Ênio Padilha - versão 7.00 [2020]

powered by OitoNoveTrês Produções

4444326

6