A BUSCA INSANA POR UM CULPADO

(Este artigo foi publicado em 27/01/2012)



Toda vez que acontece alguma tragédia de proporções jornalísticas a imprensa segue o mesmo e simplório roteiro:

No primeiro momento, ocupa-se da exploração das angústias e incertezas. Repórteres, cinegrafistas e redatores relatam apenas o que parece óbvio (um avião caiu em tal lugar... um prédio desabou em tal cidade... um grande deslizamento ocorreu em tal ponto da cidade... engavetamento de muitos veículos na Rodovia Tal...) sem informações precisas.

Nessa fase, todas as especulações são válidas e, em alguns casos, são passadas como se fossem informações precisas e rigorosamente apuradas. No caso do desmoronamento dos edifícios no Rio de Janeiro (quarta-feira, 25/01/2012) nas primeiras horas podia-se ouvir (ou ler nos portais de notícia da internet)... que era um edifício (ou dois), com 8 andares, 18 andares, 22 andares... que havia caído sobre o Theatro Municipal... que o próprio Theatro Municipal havia caído... que havia centenas de feridos...

Nesse primeiro momento a prioridade são os dramas humanos imediatos. É hora de entrevistar os sobreviventes e os parentes das vítimas. Entrevistados emocionados e histéricos têm preferência sobre os calmos e comedidos. O desespero é supervalorizado.
Esta fase segue por quatro ou cinco horas, enquanto a audiência quer saber apenas \"o que está acontecendo\". O evento está ainda na fase do \"o quê\" do \"quando\" e do \"onde\";

Na segunda fase começa a especulação sobre o que causou a tragédia e como aconteceu (Falhou um dos motores... Houve um vazamento de gás... A estrutura rompeu...) As informações sobre \"o que\", \"onde\" e \"quando\" aconteceu começam a ficar claras e a busca pelo \"como\" e do \"por que\" entra em cena.

Os especialistas começam a chegar nas redações e estúdios; os designers são acionados para produzir infográficos; os arquivos são revirados em busca de fotos antigas do local do desastre.

Testemunhas começam a ser ouvidas. Autoridades começam a dar declarações (geralmente ensaboadas e tergiversantes); A prioridade agora são as informações \"oficiais\" (do proprietário, da prefeitura, do governo do estado, do Crea, do Ministério correspondente...)

A terceira fase, que começa de 12 a 15 horas depois do desastre, é a mais cruel e, geralmente, a mais estúpida: é a fase em que a mídia assume a responsabilidade de apresentar à opinião pública um CULPADO. E esse culpado precisa ser uma pessoa. E essa pessoa precisa estar viva, para que possa ser acusada e punida.

Por isso, num acidente aéreo em que o piloto tenha morrido é tão raro que ele seja imediatamente responsabilizado - ainda que a falha humana seja uma das mais frequentes causas de acidentes aéreos. Isto não teria utilidade para a mídia.

É aí que a imprensa começa a atrapalhar mais do que ajudar.
A pré-suposição de que um acidente grave tenha um único culpado, por si só, já é pouco inteligente. Um acidente aéreo, a queda de um edifício, o naufrágio de um navio ou qualquer outra grande tragédia, geralmente é resultado da soma de um grande número de fatores. Um único erro dificilmente faria um avião cair ou um prédio desabar. Portanto, apontar um único culpado nos afasta do que é mais importante: descobrir as verdadeiras causas do problema e enfrentar a sua correção.

No caso de acidentes aéreos, por exemplo, desde a Convenção de Chicago de 1944, há um consenso mundial sobre a necessidade de estabelecer um sigilo sobre a investigação, com o objetivo de formar um ambiente onde a cultura seja a da prevenção e não a da repressão. (para mais detalhes, leia o artigo A CONFIDENCIALIDADE NO PROCESSO DE INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS À LUZ DA SUPREMACIA DO INTERESSE PÚBLICO, de Fábio de Freitas Pedro.

De que adianta punir uma pessoa e não corrigir as causas, condenando dezenas, centenas ou milhares de pessoas a enfrentar o mesmo problema no futuro. O objetivo não é protejer os culpados mas sim protejer o interesse público (mas, vai dizer isso para um jornalista cheio de sangue nos olhos.)

Num artigo publicado no Blog Para Entender Direito temos uma observação muito importante sobre o papel da imprensa nessa fase da cobertura jornalística. O autor, de forma precisa, afirma que \"tanto a imprensa quanto a população podem - e devem - vigiar o trabalho de investigação do Estado. E devem exigir que sejam eficientes e expedientes. São direitos nossos. O problema está no tipo de pergunta que queremos que sejam respondidas durante a investigação. Devemos perguntar não de quem é a culpa (porque é para isso que há uma investigação), mas como é que as razões do acidente serão apuradas, em que estágio estão tais investigações, que passos já foram tomados e quais os próximos passos. Perguntar de quem é a culpa só faz sentido depois que houve uma investigação.\"

O problema é que esse tipo de cobertura não interessa ao jornalista que, travestido de paladino da justiça e representante do povo, não está interessado em educar o leitor, ouvinte ou telespectador. Ele quer é faturar audiência. E isso ele conseguirá com maior facilidade atirando um culpado para o linchamento público.

Mesmo que o acusado nem seja o verdadeiro (ou único) culpado. E mesmo que isso não contribua para evitar outros desastres semelhantes no futuro.

É triste.



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | ep@eniopadilha.com.br

Comentário #1 — 28/01/2012 19:58

José Antonio Mesquita — Arquiteto — SP

Perfeito Ênio, me parece que mais uma vez a "imprensa sensacionalista" já condenou os responsáveis pelas obras do terceiro e nono andar respectivamente. Mesmo com tantas ponderações feitas por profissionais da área, como arquiteto, custo a acreditar nesta única hipótese. Considero este julgamento muito açodado, penso que todas as possibilidades devam ser analisadas exaustivamente.

Réplica de Ênio Padilha


Concordo, José Antônio
Ontem ouvi o presidente do Crea-RJ, Agrônomo (que eu conheço e é uma pessoa inteligente e equilibrada), cedendo à pressão da imprensa e fazendo declarações apressadas e, ao meu ver, equivocadas: ele afirmou que a abertura de janelas no Edifício Liberdade (o maior deles) poderia ser a causa do desabamento.
Mesmo sem ser engenheiro civil, eu sei que as paredes não alteram a estrutura (à menos que o prédio seja feito em alvenaria estrutural).
As janelas no dito prédio configuram uma ilegalidade, com certeza, mas daí a atribuir a elas a causa do acidente me pareceu uma precipitação do colega presidente.

Comentário #2 — 30/01/2012 18:06

PAULO CESAR BASTOS — ENGENHEIRO CIVIL — SALVADOR

As adversidades surgem das facilidades. Os problemas urbanos no Brasil decorrem, a maior parte, não de falhas técnicas, mas de falta da técnica. Urge valorizar os profissionais e utilizar a tecnologia para a melhoria e segurança da qualidade de vida do cidadão. Desenvolvimento é o resultado do conhecimento. O caminho é por aí, o óbvio, no entanto, parece ser de difícil compreensão.

Comentário #3 — 20/03/2012 15:03

Massa Gunji — Engº Eletr. — Curitiba

Ênio,
Me parece que é tudo questão de consciência e de atitudes adultas.

Nos países civilizados todo mundo tem consciência das suas responsabilidades e cada um age de forma adulta e responsável. Ser adulto significa que a pessoa faz, assume pelo que faz e não faz e se responsabiliza pelas boas e más consequências. O adulto não busca culpados. Faz algo de concreto para que um acidente, por exemplo, não ocorra nem com ele nem como o próximo. É uma consciência de responsabilidade individual e coletiva.

Já no Brasil, infelizmente ainda um país na idade infantil, a população em geral não tem consciência das suas responsabilidades como cidadão. Deixa as coisas como estão mesmo sabendo que está errado. Esbarra num prego abandonado na rua e deixa lá para outro pisar. Sente cheio de gás e pensa: alguém vai tomar providência. Vê algo errado, avisa o "chefe" e lava as mãos. E etc, etc. Depois que cocorre uma tragédia, ninguém assume nada e começa-se a busca pelos culpados. O culpado são sempre os outros. Culpma-se os fiscais, os engenheiros, o chefe, tudo.

E se esquecem de colocar nesse rol de "cupados" a própria população, OMISSA e IRRESPONSÁVEL.

O Brasil é um país infantil. E a população idem.

Se cada um fosse responsável e pensasse na coletividade não precisaríamos de tantos fiscais e policiais.

Do jeito que as coisas andam no Brasil, seria preciso um fiscal para cada um. Ou seja, precisariamos de 90 milhões de fiscais para fiscalizar outros 90 milhões de brasileiros..... Um absurdo...

DEIXE AQUI O SEU COMENTÁRIO

(todos os campos abaixo são obrigatórios

Nome:
E-mail:
Profissão:
Cidade-UF:
Comentário:

www.eniopadilha.com.br - website do engenheiro e professor Ênio Padilha - versão 7.00 [2020]

powered by OitoNoveTrês Produções

4460874

10