JÁ PERDEMOS A COPA DO MUNDO DE 2014
AGORA PERDEMOS OS JOGOS OLÍMPICOS DE 2016

(Este artigo foi publicado em 10/05/2014)




ÊNIO PADILHA
professor@eniopadilha.com.br






No dia 07/01/2014 eu publiquei aqui no site um artigo com o título O BRASIL JÁ PERDEU A COPA DO MUNDO DE 2014, lamentando que o nosso país não tenha tido a competencia de mostrar-se à altura do desafio que é organizar uma Copa do mundo, em função dos sucessivos atrasos e desconformidades não só nas obras dos estádios mas também (e principalmente) nas demais obras de mobilidade urbana e de infraestrutura.

Lamentei também que o nosso governo estivesse tentando associar a conclusão dos estádios a um grito de MISSÃO CUMPRIDA que não faz sentido nem é legítimo. É como dizer que uma festa de aniversário foi um sucesso apenas porque o bolo ficou pronto à tempo de cantar "parabéns pra você". Concluir os estádios é, na minha opinião, a parte mais fácil do trabalho de organizar e realizar uma copa do mundo.

Eu concluí aquele artigo com uma frase de tristeza e esperança: "O Brasil já perdeu a Copa 2014. Resta-nos os Jogos Olímpicos de 2016."

Poisé... Perdemos os Jogos Olimpicos de 2016 também. Que vergonha!

A derrota foi sacramentada com as matérias publicadas na semana passada nos jornais britânicos London Evening Standard e The Telegraph, entre outros. Segundo esses jornais o Comitê Olímpico Internacional fez uma consulta “informal” a Londres para estabelecer um "Plano B" para os Jogos de 2016. Isto porque, "numa fase comparável de planejamento, em 2004 Atenas tinha feito 40% dos preparativos de infraestrutura e estádios; Londres tinha 60%. O Brasil fez apenas 10%".

Além disso teve a entrevista que o executivo britânico MICHAEL PAYNE concedeu ao jornal Folha de São Paulo, na sexta-feira, dia 09/05/2014. Payne foi durante 20 anos o Diretor de Marketing do Comitê Olímpico Internacional e participou da organização de muitos Jogos Olímpicos. Ele disse, textualmente, que o Rio de Janeiro "é de longe, a organização mais atrasada entre todas as Olimpíadas anteriores. O COI enfrenta atualmente sua pior crise operacional nos últimos 30 anos. Não é uma opinião, é algo comentado e compartilhado por muitas pessoas de dentro da própria entidade".

Eu não acredito que os Jogos sejam tirados do Rio de Janeiro e realizados em Londres. Essa possibilidade é, de fato, mínima. Mas, só o fato de o Comitê Olímpico Internacional discutir publicamente um "Plano B" é uma vergonha nacional. Acompanho os jogos olímpicos desde 1968. Nunca vi a sede dos jogos olímpicos sob ameaça de substituição. O Brasil perdeu muito com esse episódio.

No dia que o Rio de Janeiro foi escolhida para ser a sede dos Jogos de 2016 publiquei aqui o artigo RIO DE JANEIRO: DE VOLTA AO PASSADO na qual eu saudava a grande oportunidade de redenção que a cidade estava recebendo.

Eu escrevi que "o direito de sediar os Jogos Olímpicos de 2016 (e, no meio do caminho, a Copa do Mundo, cuja final será realizada no Maracanã) representa, para o Rio de Janeiro uma chance de enfrentar todos os fantasmas que têm assombrado os cariocas e brasileiros nesses últimos 50 anos. Nesses próximos 7 anos o Rio de Janeiro se verá diante de desafios do tamanho que os cariocas merecem. Desafios que motivarão as melhores cabeças da cidade para a ação. Desafios do tamanho que o Rio de Janeiro não enfrentava desde 1950, quando o Brasil foi sede da Copa do Mundo."

Sinto muito: o desafio não foi vencido. Já perdemos essa batalha. Resta-nos agora realizar os jogos "do jeito que der", com correria, com sobressaltos, com superfaturamentos, com improvisações... enfim, com o "Jeitinho Brasileiro".

Só os idiotas acham isso bacana!



ÊNIO PADILHA
www.eniopadilha.com.br | professor@eniopadilha.com.br




Para copiar e reproduzir este artigo, conheça nossas REGRAS PARA PUBLICAÇÕES




---Artigo2014

Comentário #1 — 10/05/2014 19:29

Paulo Marques — Engenheiro Civil — Limeira

Fato!
Estamos atrasados em tudo, nosso país é administrado sem planejamento de longo prazo, tudo é pensado para apenas dois anos, onde o mais importante são interesses pessoais e as urnas. Enquanto isso os impostos altíssimos que pagamos escoam em regime turbulento pelos ralos da corrupção. É uma pena um pais com tanto potencial de desenvolvimento ser administrado por pessoas sem a minima capacidade da governar, e nenhum traço de caráter, o pior é pensar que estão representando rigorosamente bem nossa sociedade, ou não somos nos mesmos que nos matamos com privadas atiradas em estádios de futebol. Podemos observar por todos os lados a eminente falência da vida em sociedade, não existe mais respeito, honestidade, estamos retrocedendo a cada ano que passa.

Réplica de Ênio Padilha

Paulo
Tenho de compartilhar com você parte da sua "desilusão".
Fico pensando: quando é que teremos outra chance de reverter esse quadro. De recuperar a imagem ruim que estamos causando. O Brasil é aquele país que todo mundo gosta mas ninguém respeita.
Muito triste isto.

Comentário #2 — 11/05/2014 11:30

Ieda — Produrtora de Eventos — Rio do Sul

É uma pena o Brasil perder a oportunidade de mostrar que é capaz...

Réplica de Ênio Padilha

Ieda, querida.
É uma pena mesmo. Mas a verdade é que o Brasil não tem essa capacidade. Ele tem uma potencial capacidade. Ou seja, é preciso desenvolvê-la, com preparo: educação e cultura.

O pior é que o Brasil vai levar talvez uns trinta ou quarenta anos para ter outra oportunidade como essa que foi desperdiçada agora.
Que triste, né?


DEIXE AQUI O SEU COMENTÁRIO

(todos os campos abaixo são obrigatórios

Nome:
E-mail:
Profissão:
Cidade-UF:
Comentário:

www.eniopadilha.com.br - website do engenheiro e professor Ênio Padilha - versão 7.00 [2020]

powered by OitoNoveTrês Produções

4460798

3